Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Quando era criança

Quando era criança

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Você se lembra de sua infância? De como brincava e se divertia? Como era o mundo que lhe cercava? De que gostava de brincar?

Eu fui criança na década de 1970 na cidade de São Paulo. Pertenci a uma das últimas gerações que brincou na rua, em terreno baldio, que empinava pipa, que  pulava muro, que jogava taco (Bete), futebol com os amigos à tarde em campinho improvisado na calçada. Era de uma geração que fazia de tudo para brincar, de crianças irrequietas que se divertiam em parquinho, que achavam graça em gira-gira, em tobogã, que não necessitava de brinquedos sofisticados para se divertir.

Hoje vejo a geração de meu filho que perdeu a magia. Eles não sabem mais se divertir sem um computador, sem um tablete, sem um celular, ou sem a televisão .O brincar é mediado e decretado pelo eletrônico. A vida não tem graça em um quintal, na natureza, nas coisas simples. Para eles é uma provação, dói, quando lhes deixamos um dia sem seus eletrônicos. Pescar ou ir a uma chácara inadmissível, não tem internet.

Hoje não vemos nas ruas crianças brincando, às vezes um ou outro gato pingado o que é raro, que entre 02 e 6 anos observamos em parquinhos. Entre 06 e 13 eles não existem nas ruas. Estão em casa trancafiados em sua jaula eletrônica, presos da tecnologia, vivendo, comendo e vestindo o eletrônico.

O resultado claro disto é a dificuldade de prestar atenção, de ler, concentrar, de se envolver com a natureza, com as coisas mais simples do existir. Advém também dai o desrespeito, a dificuldade de socializar, de fazer amigos, namorar, de trabalhar e viver. Os menos viciados em eletrônica acabam sobrevivendo, os mais, sucumbindo, existindo apenas em um quarto, se tornando seres anti-sociais, sistematicamente violentos dentro de seu mundo. Tolerância para estes é uma palavra que não existe. Quando indagados o que querem da vida discorrem sobre o vazio, o nada: “não sei”. Este é seu mundo.

Dei um castigo a meu filho nestas férias: computador apenas por uma hora diária. Ele, com seus11 anos, me questionou: mas pai, o que vou fazer? Lhe disse: Brincar!

No começo foi um parto mas depois ele cedeu e como antigamente voltou a brincar.

Tenho visto hoje em dia vários pais com problemas com seus filhos entre 13 e 35 anos, pessoas fora da vida, sem trabalho, estudo, viciados em tecnologia. Como todo viciado raros querem se tratar não reconhecendo o problema em que existem. Mas até quando vão existir na jaula sem se incomodarem, ou sem gerar transtorno a seus familiares?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima