Iscas Intelectuais
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Complexo e outros males
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Uma das expressões que a esquerda (radical ou não) adora usar é o tal “complexo de vira-latas”. Essa gente não tem a menor ideia do que seja isso, nem de quem cunhou a expressão, mas a macaqueia ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Os impostos estão lá sim, altíssimos, exorbitantes, mas ...

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Quando era criança

Quando era criança

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Você se lembra de sua infância? De como brincava e se divertia? Como era o mundo que lhe cercava? De que gostava de brincar?

Eu fui criança na década de 1970 na cidade de São Paulo. Pertenci a uma das últimas gerações que brincou na rua, em terreno baldio, que empinava pipa, que  pulava muro, que jogava taco (Bete), futebol com os amigos à tarde em campinho improvisado na calçada. Era de uma geração que fazia de tudo para brincar, de crianças irrequietas que se divertiam em parquinho, que achavam graça em gira-gira, em tobogã, que não necessitava de brinquedos sofisticados para se divertir.

Hoje vejo a geração de meu filho que perdeu a magia. Eles não sabem mais se divertir sem um computador, sem um tablete, sem um celular, ou sem a televisão .O brincar é mediado e decretado pelo eletrônico. A vida não tem graça em um quintal, na natureza, nas coisas simples. Para eles é uma provação, dói, quando lhes deixamos um dia sem seus eletrônicos. Pescar ou ir a uma chácara inadmissível, não tem internet.

Hoje não vemos nas ruas crianças brincando, às vezes um ou outro gato pingado o que é raro, que entre 02 e 6 anos observamos em parquinhos. Entre 06 e 13 eles não existem nas ruas. Estão em casa trancafiados em sua jaula eletrônica, presos da tecnologia, vivendo, comendo e vestindo o eletrônico.

O resultado claro disto é a dificuldade de prestar atenção, de ler, concentrar, de se envolver com a natureza, com as coisas mais simples do existir. Advém também dai o desrespeito, a dificuldade de socializar, de fazer amigos, namorar, de trabalhar e viver. Os menos viciados em eletrônica acabam sobrevivendo, os mais, sucumbindo, existindo apenas em um quarto, se tornando seres anti-sociais, sistematicamente violentos dentro de seu mundo. Tolerância para estes é uma palavra que não existe. Quando indagados o que querem da vida discorrem sobre o vazio, o nada: “não sei”. Este é seu mundo.

Dei um castigo a meu filho nestas férias: computador apenas por uma hora diária. Ele, com seus11 anos, me questionou: mas pai, o que vou fazer? Lhe disse: Brincar!

No começo foi um parto mas depois ele cedeu e como antigamente voltou a brincar.

Tenho visto hoje em dia vários pais com problemas com seus filhos entre 13 e 35 anos, pessoas fora da vida, sem trabalho, estudo, viciados em tecnologia. Como todo viciado raros querem se tratar não reconhecendo o problema em que existem. Mas até quando vão existir na jaula sem se incomodarem, ou sem gerar transtorno a seus familiares?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima