Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

626 – AlôTénica – A Podpesquisa
626 – AlôTénica – A Podpesquisa
O programa reproduz a conversa entre Luciano Pires, Leo ...

Ver mais

625 – João Amoêdo
625 – João Amoêdo
Continuando a conversa com candidatos a Presidente nas ...

Ver mais

624 – Paulo Rabello de Castro
624 – Paulo Rabello de Castro
Na medida do possível, estamos conversando com ...

Ver mais

623 – A lógica da adequação
623 – A lógica da adequação
O tema de hoje é negociação, partindo da famosa análise ...

Ver mais

LíderCast 120 – Alexandre Correia
LíderCast 120 – Alexandre Correia
Luciano: Bom-dia, boa-tarde, boa-noite. Bem-vindo, ...

Ver mais

LíderCast 119 – Fabiano Calil
LíderCast 119 – Fabiano Calil
Educação financeira é seu mote, até o dia em que ele ...

Ver mais

LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
Jovem argentina, com vivência em vários países e que ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Os millennials não são tão criativos quanto pensam
Henrique Szklo
Tenho um amigo, o Rodriguez, que parece ter sido gerado não pelo útero da mãe, mas pelo intestino grosso dela. Seu mau humor é folclórico. E infinito. Estamos num boteco um dia desses quando ele ...

Ver mais

Precisamos reaprender a olhar
Mauro Segura
Transformação
Numa era em que o tempo parece escoar pelos dedos, ironicamente precisamos reaprender a "sentar e observar".

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2018 Memoráveis citações  “Aquele que for somente um economista não tem condições de ser um bom economista, pois todos os nossos problemas tocam em questões de ...

Ver mais

Empurrando com a barriga
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Empurrando com a barriga  Cenários da economia brasileira “A arte da previsão consiste em antecipar o que acontecerá e depois explicar o porquê não aconteceu.” Winston Churchill  Considerações ...

Ver mais

Cafezinho 98 – Os poetas da corrupção
Cafezinho 98 – Os poetas da corrupção
Os advogados e jornalistas que insistem que não existe ...

Ver mais

Cafezinho 97 – Os ciclos
Cafezinho 97 – Os ciclos
A vida acontece, em ciclos. E fica a cada dia mais ...

Ver mais

Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
O Brasil é uma grande cozinha. Nela existe uma lixeira. ...

Ver mais

Cafezinho 95 – Banco traseiro
Cafezinho 95 – Banco traseiro
A fila anda! A gente muda! O tempo passa! O mundo é ...

Ver mais

Quando a descriminalização não passa de hipocrisia

Quando a descriminalização não passa de hipocrisia

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Deixe-me ver se entendi:

O sujeito posta uma foto de baseado na mão pra fazer campanha pela descriminalização da maconha e se acha um iluminado das liberdades individuais, um defensor dos oprimidos?

Por ora, independentemente das intenções, a menos que tenha desenvolvido a semente, plantado e colhido em casa sem dividir com ninguém, conseguiu ser só um acionista do tráfico.

E o tráfico que dá barato na rapaziada liberal é o mesmo que dá porrada nos mais pobres.

A hipocrisia é mesmo ilimitada.

E os hipócritas estão “numa booaaa”.

 

Ps.: pra não transformar a discussão da descriminalização da maconha e outras drogas numa banalidade que não vai além do opinativo raso e ponto do “sou a favor” porque “outros países já liberaram”, “a repressão não funciona”, “essa é uma tendência” e “maconha não faz mais mal de álcool ou tabaco”, eu indico de forma muito veemente o artigo do doutor Ronaldo Laranjeira, professor e cientista da UNIFESP, verdadeiro conhecedor do assunto, publicado recentemente no Estadão( http://m.opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-favor-do-trafico–e-contra-a-populacao,1758712) .

Opinião

A favor do tráfico e contra a população

Ronaldo Laranjeira

09/09/2015 | 03h00

O Supremo Tribunal Federal (STF) merece a admiração de toda a sociedade brasileira. No entanto, em relação à descriminalização de todas as drogas ainda estamos longe de um consenso até mesmo entre os ministros. “Teremos, com certeza, a institucionalização do ‘exército das formigas do tráfico’” – assim o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, definiu a situação que o Brasil enfrentará caso o STF decida pela descriminalização do porte de drogas para uso pessoal. A Lei 11.343/06 é considerada um grande avanço nesse tema, pois flexibilizou a legislação anterior, desapenando o usuário e evitando que ele seja preso por portar drogas para consumo próprio.

Nossas leis atuais elegem a saúde do usuário, e também a pública, como prioridades, prevendo até medidas de cunho protetivo. O parágrafo 7 do artigo 28 da lei federal é claro: “O juiz determinará ao Poder Público que coloque à disposição do infrator, gratuitamente, estabelecimento de saúde, preferencialmente ambulatorial, para tratamento especializado”.Em sua explanação na abertura do julgamento no STF, o procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Fernando Elias Rosa, expôs dados do Tribunal de Justiça do Estado sobre o projeto Audiência de Custódia. Ele prevê, no caso de apreensão em flagrante por tráfico de drogas, a rápida realização de uma audiência entre o juiz, o acusado e sua defesa, além do Ministério Público. De cada quatro apreensões em flagrante, três são mantidas após cuidadosa apreciação do juiz, o que mostra o quanto é equivocado o argumento de que as prisões estão repletas de usuários, e não de traficantes com pequenas quantidades de entorpecentes.

Além disso, esse fato reforça uma característica peculiar do tráfico em nosso país, a pulverização. No Brasil, o crime organizado forma várias microrredes para a venda de drogas, nas quais os traficantes portam pouca quantia de cocaína, crack e maconha, entre outras, para venda.

Esse é um dado extremamente importante. Caso os ministros do STF decidam a favor da descriminalização do porte, será permitido inclusive aos traficantes andar com um pouco de crack ou heroína, por exemplo, permanecendo impunes dos crimes que cometem – afinal, aumentará a dificuldade de identificar o criminoso. É a institucionalização do exército de formiguinhas a que Janot se refere. Desmistifica também a imagem em torno do julgamento no Supremo, erroneamente interpretado por muitos como “o julgamento da descriminalização da maconha”.

Para se ter uma ideia de como não se limita a isso, até a produção de drogas é envolvida, pois a ação interfere também se será descriminalizado desde o plantio de pés de maconha ou até o processamento de crack em pequenas quantidades, com o argumento do uso próprio. Parece exagero? Não, se pensarmos que não foi mencionado pelos que defendem a medida nenhum tipo de regulação da produção de drogas.

Apesar de ter uma legislação moderna, o Brasil não dispõe de uma política de drogas eficiente em termos de prevenção, tratamento ou enfrentamento, como outros países, para seguir diretamente para a descriminalização. Um caminho que nenhuma nação trilhou sem antes criar regulamentações e estruturas de saúde eficazes para a população.

Pois o impacto na saúde do indivíduo e no sistema em geral é apenas uma questão de tempo, já que não existe consumo de drogas, especialmente ilícitas, que não provoque riscos para o organismo.

Não podemos esquecer que o tema não é exclusivo do Brasil, outras nações trilharam esse caminho antes. Países como Japão e Suécia já optaram por flexibilizar suas leis e, após constatarem os impactos negativos das medidas, voltaram atrás. Os dois figuram hoje na lista de países com o menor consumo de drogas do mundo, com leis rígidas, por sinal.

Sinais de que esse não é o caminho começam a aparecer em outros locais. Em Portugal, que desde 2001 descriminalizou o consumo de drogas (não sem antes criar políticas públicas e reforçar sua rede de atendimento), 66% dos jovens de 15 a 24 anos de idade entendem que a maconha deve permanecer ilegal, segundo dados do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências.

Outro exemplo está no Estado do Colorado (EUA). Desde que o referendo da legalização da maconha foi aprovado, em 2012, mais da metade dos 271 municípios do Estado decidiram proibir a venda da droga após constarem, por exemplo, um aumento no número de acidentes envolvendo motoristas sob os efeitos da maconha e também no uso do entorpecente por menores, até mesmo crianças consumindo doces com maconha.

Essas alterações se assemelham às medidas adotadas na Holanda em 2013, quando restringiu de forma significativa sua política de tolerância ao uso da maconha, pelos efeitos nocivos que causou.

Encarcerar o usuário não é a solução e isso já não ocorre hoje. É necessário, sim, oferecer a ele e à população prevenção e tratamento. Caso seja aprovada, a descriminalização do porte de drogas para uso próprio terá como principal resultado o aumento da disponibilidade de entorpecentes no Brasil, facilitando a ação dos traficantes e alimentando o crime organizado, assim como criando um enorme problema de saúde pública.

Se o custo social provocado por drogas legalizadas, como o álcool e o tabaco, é gigantesco, imaginem com a descriminalização de outras. O que precisamos hoje é criar políticas públicas realistas e humanas, baseadas nas melhores evidências científicas, e oferecer atendimento de qualidade à população, antes de promover alterações na legislação relacionada às drogas.

*Ronaldo Laranjeira é professor titular de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina(Unifesp), é presidente da Associação Paulista Para o Desenvolvimento da Medicina (Spdm)

 

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto