Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Problema: Boa vontade

Problema: Boa vontade

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

10527676_830313236980465_4134203447226811494_n

Há alguns meses atras procurei uma relojoaria para tentar arrumar um relógio importado que havia dado defeito, no centro da cidade. Um relógio com os ponteiros em braile. O relógio havia sofrido uma pancada e os ponteiros não funcionavam direito. O relojoeiro era um rapaz de seus 30 anos, disse que morou fora, que era viajado e falou de suas aventuras pelo mundo. Pegou o relógio, olhou pensou e sem examinar o problema disse: procure a assistência técnica, é um bom relógio mas não vou mexer nele… não sei direito com este tipo de modelo.

E falou de uma série de problemas, de dificuldades, sem abrir o relógio para ver o que era… reclamou do pouco movimento, da pouca clientela, que ia voltar para os Estados Unidos por que a vida aqui era muito difícil.

 Esta semana levo o mesmo relógio em outro relojoeiro mais velho. Ele abre o relógio sem medo, testa a bateria e em cinco minutos descobre o problema resolvendo toda questão. Eu na hora fiquei aturdido questionando e o outro relojoeiro que me disse que tinha de mandar o relógio pro exterior, que aqui ninguém ia saber mexer com ele, que não sabia como funcionava o relógio…

 Depois desta epopéia pensei nos burocratas, naquela senhora da repartição pública que nunca tem solução paro os problemas que temos, no político que desfigura a realidade que maquia os números para perpetuar sua ineficácia, pensei na desculpa esfarrapada do aluno relapso que nos procura no final do curso pedindo a nota da disciplina que ele não assistiu. Já viu isto?

Nossa sociedade é dividida. A massificação tem esta característica básica que funde comodismo, com falta de curiosidade, com pensamento padronizado na especialidade de ver defeitos e em raros momentos tentar achar uma solução.E um indivíduo massificado perde sua capacidade criativa, sua identidade, sua capacidade de resolver problemas, de ousar, de pensar diferente, de questionar. Como o primeiro relojoeiro desta história pra que pensar em solução se posso idolatrar um problema?

Pra que tentar se é mais fácil desistir? Hoje vejo inúmeras pessoas reclamando de governo, de dificuldade, de endividamento, do estado que não presta, com muita conversa fiada e rara ação. A mesma retórica de promessa eleitoral de campanha política, muito discurso e inação.

Para mim o ocorrido do relógio foi bem significativo. Pensei nas várias vezes que sem questionar ou prestar atenção reclamei e desisti, algo comum a nossa cultura. Pensei na vida dos amigos e conhecidos e do quanto isto tem sido comum em nosso subdesenvolvimento. Reclamar e desistir é fácil, tenta fazer diferente e agir. Seu bolso, sua vida profissional, social sua existência vão agradecer.

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima