Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

Por que trabalhamos?

Por que trabalhamos?

Mauro Segura - Transformação -

O artigo “É possível ser feliz, sem ser feliz no trabalho?“, publicado no Meio&Mensagem e assinado por Eduardo Tracanella, faz uma reflexão perturbadora. Gastamos um terço da vida trabalhando, um terço dormindo e um terço vivendo. Notem que eu separo “viver” de “trabalhar”. É uma equação simples, de conclusões óbvias, mas ela carrega alguns segredos.

Assumindo que fisiologicamente é difícil diminuirmos o tempo de sono, mesmo considerando que eu tenho amigos que dormem magicamente apenas quatro horas por dia, a estratégia para a nossa felicidade passa por fazer o “tempo vivendo” invadir o “tempo trabalhando”. Ou, analisando de outra forma, precisamos diminuir o número de horas diárias de trabalho para sobrar mais tempo para viver. Isso parece impossível assumindo que na vida real o trabalho nos consome cada vez mais tempo e invade a nossa vida cotidiana.

Se não dá para diminuirmos as horas de trabalho por dia, então o caminho é transformarmos o nosso trabalho em algo que realmente faça sentido para nossa realização pessoal e profissional. Não podemos simplesmente encarar o “tempo trabalhando” como trabalho. É exatamente neste ponto que entra a argumentação do Tracanella: não dá para ser feliz sem ser feliz no trabalho. Invertendo as coisas, não dá para trabalhar em algo que não te faça feliz.

Barry Schwartz, psicólogo e palestrante do TED, foi ainda mais fundo nessa questão e lançou a pergunta: por que trabalhamos? A resposta parece óbvia: porque precisamos de dinheiro para viver e pagar as nossas contas. Essa é a resposta evidente e racional, mas no fundo não é a resposta que esperamos. Existe algo mais profundo e filosófico por trás da necessidade de trabalharmos.

Ele faz mais perguntas: por que o trabalho representa um sacrifício sem fim para a maioria esmagadora das pessoas no planeta? Por que o trabalho não pode ser algo motivador que nos faça levantar felizes da cama todos os dias? Por que a sociedade aceita que a maioria das pessoas faça trabalhos monótonos, sem sentido e sufocantes? Por que é que ao longo do último século nós não conseguimos fazer com que as satisfações não materiais no trabalho se tornassem mais essenciais?

Não vou descrever aqui as reflexões de Mr. Schwartz. Veja você mesmo em seu excelente vídeo no TED de apenas 8 minutos (com legendas em português) ou acesse o transcript (em português). Ele faz as perguntas, dá as respostas e elas não são nada agradáveis. O fato evidente é que a própria sociedade criou a armadilha do trabalho em que nos encontramos hoje. Parece que estamos presos a um modelo que não conseguimos nos libertar. Se não existe uma perspectiva de mudança vinda da sociedade, então a mudança na forma como encaramos o trabalho tem que vir de nós mesmos, de dentro da gente. A responsabilidade torna-se individual, introspectiva, muito particular e sem fórmula mágica.

Parte da resposta vem das perguntas e da reflexão do Tracanella. Quanto o nosso trabalho nos ajuda a sermos mais felizes? E quanto ajudamos nosso trabalho a também ser? Só conseguiremos ser felizes no trabalho se, de alguma forma, ele nos prover realizações.

A sua relação com o trabalho tem múltiplas dimensões: a carreira que você escolheu, o seu emprego, a empresa onde trabalha, os seus colegas, as suas aspirações profissionais, a sua performance e muitas outras dimensões. Conheço muitos amigos que reclamam do trabalho, quase sempre delegando a questão a fatores externos, mas o principal responsável pela sua felicidade no trabalho é você mesmo, é consequência de suas escolhas e depende da sua capacidade de ver a parte cheia do copo todos os dias.

Eu tenho uma visão pessoal a respeito disso. O mais importante para mim é trabalhar em um lugar ou com algo que esteja conectado a algum propósito que não me deixa indiferente. Sabe aquela sensação de estar fazendo ou construindo algo especial, que impacta alguém ou alguma coisa? É disso que estou falando, e é isso que me alimenta diariamente no trabalho.

Esqueça aquela história de que o bom é trabalhar em algo que exija pouco de você, que deixe você confortável, sem pressão, sem incômodos e sem desafios. A ciência mostra exatamente o contrário. A chave para a satisfação pessoal é fazer coisas arriscadas, desconfortáveis e até mesmo desgastantes; mas desde que elas empurrem você para frente, que permitam você se desenvolver, crescer e aprender coisas novas.

O bom trabalho não é sinônimo de conforto. É até pior, ele gera ansiedade e frio na barriga, uma sensação constante de estar em uma corrida de obstáculos. Portanto é importante conhecer suas potencialidades, o que realmente motiva você, o que você tem interesse e encontrar meios de conectar tudo isso no trabalho. Tudo isso exige autoconhecimento e capacidade de reconhecer suas virtudes e fraquezas. Saber desenvolver bons relacionamentos também é fundamental. Enfim, essas são formas de ajudar que o seu trabalho seja mais feliz e revigorante. Por mais que pense diferente, o principal responsável pela felicidade no trabalho é você mesmo.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura