Iscas Intelectuais
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Cafezinho 229 – Manicômio Legal
Cafezinho 229 – Manicômio Legal
O manicômio legal no qual estamos presos.

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?

Por que Bolsonaro exagera?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o presidente se esforça tanto ao atravessar a rua só para propositalmente escorregar na casca de banana?

Bolsonaro alega que suas maiores preocupações, desde a campanha eleitoral, são a família, os bons costumes, o civismo, patriotismo, a moral. No entanto, se dirige a autoridades das quais discorda (no Brasil ou no exterior) de forma chula, belicosa e absolutamente desnecessária. Mesmo se estivesse totalmente correto em suas invectivas – e não está – a educação, os bons modos, são absolutamente imprescindíveis ao presidente de um País da relevância do nosso. Grosserias não trazem nada de bom e nada capitalizam, nem coadunam o resgate dos bons costumes propalados no período eleitoral. Mas ele pensa diferente.

À guisa de explicação, disse ser “assim mesmo”, e que palavrões “escapam”. Pode ser, mas então as falas em público são absolutamente contra-indicadas. Pode soltar os cachorros e todas as pragas do mundo encerrado em seu gabinete ou dentro de casa. Do púlpito presidencial, não. Ser presidente eleito, democraticamente, não dá a ninguém carta branca para usar o maior cargo do País para defender suas ideias particulares. O cargo é de dirigente, não de dono.

Como já disse o político americano John Foster Dulles (1888/1959), países não tem amigos, tem interesses. E como diz meu querido amigo Spencer, sinceridade em excesso acaba virando falta de educação. Os dois estão certíssimos. Agrade e pode conquistar alguma coisa, mesmo que difícil. Reaja a tudo com berros e chutes, e atrairá muitos inimigos gratuitos. Seja sempre firme, mas nunca mal educado. Simples.

Pior: Bolsonaro imita (ou tenta imitar) Donald Trump sem o cacife daquele, presidente do país mais rico e poderoso do planeta. Essa estratégia polemista e ao mesmo tempo infantil tem tudo para dar errado. Se isso causa problemas aos EUA, avaliem pra gente, pobres fuleiros que ruminamos abaixo do Equador. Bater boca com Emmanuel Macron, que além de imbecil completo e arrogante é, infelizmente, presidente da França, é um desastre internacional. Tomar essa discussão como ofensa pessoal é um super desastre internacional. O mesmo ocorreu com a ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, em dimensão muito pior. Além de tudo, o presidente ainda levanta a bola para a lulada cortar. Simplesmente desastroso. Até aliados de Bolsonaro avaliam que o estrago não pode continuar nesse ritmo.

Claro; antes que chovam as pedras, ninguém está defendendo o lulismo. Também é mais do que hora de entender que Bolsonaro não é o contrário de Lula. Muitas vezes é somente um avesso, feio e ruim de “vestir”.

Não há que se arrepender do voto dado a ele. Embora erre em algumas coisas, como nas grosserias gratuitas e inúteis via discursos e tuitadas, Bolsonaro está colocando a economia nos eixos, combatendo a miséria, arrumando a Previdência e fazendo muitas outras mudanças essenciais. Diferente de Lula e Dilma, que misturavam estupidez oceânica e desonestidade interplanetária a discursos melífluos, agradáveis, enganando a todos com mentiras bem educadas; assim, apesar dos governos desastrosos e incrivelmente desonestos, passavam a imagem de “bonzinhos”. As grosserias da dupla lulista eram piores e ainda mais toscas, mas sempre disfarçadas num bom-mocismo tão falso quanto calhorda ao extremo.

Bolsonaro não sabe disfarçar. Mas deveria. Faz parte da vida, do comércio mundial, da estratégia, da diplomacia, do bem-viver, do puro e simples relacionamento humano. Seja no micro ou no macro. Xingar a ONU ou seus comissários (mesmo os cafajestes, e sim, eles existem e lá estão lutando por interesses podres, como o lulismo) não leva a nada. E por favor, não chamem isso de hipocrisia; é necessidade. Ataques pessoais feitos a Macron e Bachelet, como se estivessem em briga de bar, prejudicam muito o Brasil.

Frase atribuída ao escritor irlandês Oscar Wilde (1854/1900): “Se todo mundo soubesse o que todo mundo pensa, ninguém mais falaria com ninguém”. Pois é.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes