Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

643 – Dominando a Civilidade
643 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

642 – A caverna de todos nós
642 – A caverna de todos nós
Olhe em volta, quanta gente precisando de ajuda, quanta ...

Ver mais

641 – O delito de ser livre
641 – O delito de ser livre
Na ofensiva contra a liberdade, fica cada vez mais ...

Ver mais

640 – O monumento à incompetência
640 – O monumento à incompetência
É muito fácil e confortável examinar o passado com os ...

Ver mais

LíderCast 135 – Thalis Antunes
LíderCast 135 – Thalis Antunes
Gestor de Conteúdo da Campus Party, que tinha tudo para ...

Ver mais

LíderCast 134 – Diego Porto Perez
LíderCast 134 – Diego Porto Perez
O elétrico Secretário de Esportes do Governo de ...

Ver mais

LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
Empreendedores que criam no grande ABC uma agência de ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O mundo platônico e suas consequências
Carlos Nepomuceno
Live de terça O mundo platônico e suas consequências Live de terçaO mundo platônico e suas consequênciasTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O ...

Ver mais

O Trivium – uma introdução
Alexandre Gomes
As Sete Artes Liberais era a forma que os jovens eram preparados desde a Antiguidade até a alta Idade Média para educação superior. E a introdução nas Sete Artes era pelo Trivium, um método que ...

Ver mais

Live de terça – a liderança liberal
Carlos Nepomuceno
Live de terçaA liderança liberalTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O curso me ajudou a pensar o digital como meio e não fim". – JEAN ...

Ver mais

A Tribo da Política – ou a Democracia das Identidades
Alessandro Loiola
Talvez nunca antes na história desses país os recorrentes embates na Internet tenham mostrado de modo tão claro nossa admirável habilidade de nos submetermos à polarização político-ideológica. ...

Ver mais

Cafezinho 132 – Os cagonautas
Cafezinho 132 – Os cagonautas
Seu chefe é um cagonauta? Hummmm...tome cuidado, viu?

Ver mais

Cafezinho 131 – Compartilhe!
Cafezinho 131 – Compartilhe!
Seja a mídia que você quer ver no mundo

Ver mais

Cafezinho 130 – Juniorização
Cafezinho 130 – Juniorização
Está dada vez mais difícil falar com o Presidente, o ...

Ver mais

Cafezinho 129 – Minority Report Tropical
Cafezinho 129 – Minority Report Tropical
O Brasil se transformou na República do Futuro do Subjuntivo.

Ver mais

Por Manágua

Por Manágua

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A pequena república da Nicarágua tem vivido um banho de sangue desde os anos 60, quando do início da Revolução Sandinista. A revolta tinha esse nome em ao líder popular Augusto César Sandino, executado em 1934 por ordem de Anastasio Somosa Garcia, ditador derrubado em 1979 pelos sandinistas da Frente Sandinista de Libertação Nacional. Quem comandava a FSLN era Éden Pastora, o misterioso “Comandante Zero”. Dessa derrubada do governo ditatorial e construção de um novo, teoricamente (ou alegadamente) democrático, surgiu uma nova figura, da qual muito ainda se ouviria falar: Daniel Ortega.

Com a vitória sandinista, em pouco tempo um fato saltava aos olhos: Os sofridos nicaraguenses estavam apenas trocando uma ditadura por outra, comunista e disfarçada de “popular”. A turma de Pastora foi perdendo força e Ortega tornou-se presidente em 1985, prometendo justiça, prosperidade, paz e aquela coisa toda que nós brasileiros conhecemos muito bem pelos populistas governos de esquerda, bons de garganta e péssimos de realização.

Ortega nunca deixou de ser um bandido, assassino e assaltante de bancos. Pior, foi treinado pelos cubanos para aumentar o alcance do império comunista que tentaram estender pela América Latina toda. Tornou-se presidente, como tantos outros criminosos a mando do comunismo internacional, em eleições suspeitíssimas (quando não totalmente fraudadas), bem ao estilo cubano. Permaneceu no poder até 1990, quando o pobre e pequeno país passou por um curto período verdadeiramente democrático. Mas (e sempre há um “mas”) Ortega retomou o poder através de eleições mais sujas que as cuecas de Che Guevara, e ali permanece até hoje. Detalhe: A vice-presidente é sua mulher, uma bruxa completamente louca, que se arroga poderes sobrenaturais. Ambos torram o dinheiro do povo com roupas, carros, mansões e viagens, exatamente como seus colegas de ideologia sempre fazem.

Pois bem: Um dia a conta chega, mesmo para os fantoches do populismo de esquerda radical. Não existe almoço grátis; dinheiro não dá em árvore, embora alguns tenham recebido generosa mesada soviética por anos a fio. Gastar o cheque especial ou fazer fiado tem limite, tovarich. Macroeconomia não é conta de boteco nem se salva com discursos inflamados. Números, exatamente como baionetas, servem para muita coisa – menos para sentar em cima, parafraseando Emílio Castelar y Rippol, célebre intelectual e político espanhol, na segunda metade do século XIX.

Resumo da ópera: Exatamente como em Cuba, Venezuela ou qualquer outro lugar onde um grupo de psicopatas enfie goela abaixo do povo esse comunismo real ou ficto, de fachada, a miséria dá o tom. A Nicarágua está à beira da guerra civil, com a população violentamente reprimida pelos jagunços paramilitares da ditadura local. Os mortos e desaparecidos (traduzindo: mortos ainda não oficializados) passam de 600, e uma das últimas vítimas foi Raynéia Gabrielli Lima, jovem e inocente estudante brasileira assassinada covardemente pelos bandidos de Ortega. Onde isso vai parar? No fundo de uma oceânica poça de sangue, óbvio. Monstros como ele e Nicolás Maduro, seu colega de chicote, foice e martelo, só largam o osso quando nem tutano existe mais, fugindo para baixo das asas protetoras de alguma outra ditadura comunista. Felizmente esses países-fazenda estão rareando e vários dos tiranos boçais acabam na cadeia ou no cemitério, tal como ocorreu na Líbia, Romênia, Albânia e outros.

Exatamente como o câncer, esses ditadores assassinos comunistas nunca sabem quando é hora de parar; roem seus hospedeiros até a morte, mesmo que isso resulte também no seu fim. Como na famosa parábola do escorpião, faz parte da natureza deles. Não é apenas o vício ou a maldade, é a demência do poder absoluto. Bandidos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes