Assine o Café Brasil
Iscas Intelectuais
Culpa e vergonha
Culpa e vergonha
Culpa e vergonha. Um artigo de 2007 revela o tamanho da ...

Ver mais

Por que eu?
Por que eu?
Ela foi a primeira mulher a assumir publicamente que ...

Ver mais

Cobertor de solteiro
Cobertor de solteiro
Cobertor de solteiro. Isca intelectual de Luciano Pires ...

Ver mais

O véinho
O véinho
Isca intelectual de Luciano Pires que pergunta: que ...

Ver mais

538 – Caçadores da verdade perdida
538 – Caçadores da verdade perdida
Podcast Café Brasil 538 - Caçadores da verdade perdida. ...

Ver mais

537 – VAMO, VAMO CHAPE
537 – VAMO, VAMO CHAPE
Podcast Café Brasil 537 - Vamo,vamo, Chape. Este é um ...

Ver mais

536 – A política da pós-verdade
536 – A política da pós-verdade
Podcast Café Brasil 536 - A política da pós-verdade. ...

Ver mais

535 – Hallelujah
535 – Hallelujah
Podcast Café Brasil 535 - Hallelujah. Poucos dias atrás ...

Ver mais

LíderCast 052 – Thiago Oliveira
LíderCast 052 – Thiago Oliveira
LiderCast 052 - Hoje vamos conversar com Thiago ...

Ver mais

LíderCast 050 – Bia Pacheco
LíderCast 050 – Bia Pacheco
LiderCast 050 - Hoje vamos conversar com Bia Pacheco, ...

Ver mais

LíderCast 051 – Edu Lyra
LíderCast 051 – Edu Lyra
LiderCast 051 - Hoje conversaremos com Edu Lyra, um ...

Ver mais

LíderCast 049 – Luciano Dias Pires
LíderCast 049 – Luciano Dias Pires
Lídercast 049 - Neste programa Luciano Pires conversa ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

A carta que mudou a minha vida
Mauro Segura
Transformação
Mauro Segura conta em vídeo uma história pessoal, que teve origem numa carta recebida há 30 anos.

Ver mais

Tempo de escolher
Tom Coelho
Sete Vidas
“Um homem não é grande pelo que faz, mas pelo que renuncia.” (Albert Schweitzer)   Muitos amigos leitores têm solicitado minha opinião acerca de qual rumo dar às suas carreiras. Alguns ...

Ver mais

O caso é o caso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sobre a morte do assassino nojento, tudo já já foi dito; Fidel Castro foi tarde e deve estar devidamente instalado no caldeirão-suíte número 13, com aquecedor forte, decoração vermelha e vista ...

Ver mais

SmartCamp: as startups transformam o mundo
Mauro Segura
Transformação
Vivemos o boom das startups no Brasil e no mundo. O que está por trás disso? Mauro Segura esteve no SmartCamp, que é uma competição global de startups, e fez um vídeo contando a sua experiência.

Ver mais

Por humanidade

Por humanidade

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -
image

Consulado da França em São Paulo, domingo, 15 de dezembro de 2015

Neste domingo cedo, ainda sob o impacto do terror em Paris, uma amiga me adverte que há quem esteja criticando os que puseram a bandeira da França sobre suas fotos de Facebook.
É o que, me contaram, chama-se “avatar” temático.
Eu, que raramente adiro a esses meios porque me mobilizo de outras maneiras, desta vez também o fiz.
E tenho orgulho de ter feito. Ficará na minha página por dias.
Esta lá no alto pra quem quiser conferir.
Mas diante dessa polêmica, que inclui um suposto menor envolvimento dos brasileiros com as vítimas de Mariana, no interior de Minas, o que não é verdade, escrevi a ela o seguinte, na tentativa de deixá-lá menos preocupada:

“Kátia, querida, eu não tenho a menor preocupação com essa gente pequena.
Eu me envolvo com o que faço.
Denunciei situações como a de Mariana anos atrás e onde eles e elas estavam?
Tenho aprofundado as discussões deste país e a falta de envolvimento real dos brasileiros com o Brasil porque acredito ser o único jeito de evitar tragédias como a de Mariana, e não tem sido fácil mobilizar as multidões necessárias.
Ambos os casos são de perdas humanas irreparáveis.
O caso francês, de uma covardia atroz.
O de Mariana, vítima do senso do lucro e do levar vantagem desmesurado, desumano, comum neste país, pouco reclamado antes da tragédia, de qualquer tragédia.
O caso de Mariana se resolve com voto certo, cobrança e atuação cidadã. Resolve-se com as pessoas se expondo na cidadania delas, coisa que a média brasileira espertamente se omite de fazer.
No caso de Mariana, todas as causas e soluções são absolutamente palpáveis e de efeito bem próximo do imediato.
É o que tenho feito, inclusive quando abri mão de empregos para insistir em trabalhos onde eu acredito fazer a diferença de forma maior. Vejo muita gente fazendo isso. E continuam a fazer mesmo diante de dificuldades.
Isso tem um preço que só é pago por quem se aventura com apenas a própria coragem motivada pela honestidade intelectual consigo mesmo.
A maioria é incapaz de ser honesta apenas com ela própria.
Quantos desses pretensos heróis da igualdade social brasileira, hoje reclamões pseudosociais, deram a cara pra bater abrindo mão de privilégios de origem duvidosa ou gritaram ante irregularidades de suas empresas e de seus chefes? A barragem de Mariana estava irregular há dois anos. Quantos funcionários se omitiram para preservar seus empregos? Quantos não estão se omitindo hoje em casos, ainda desconhecidos, que provocarão novas tragédias de barragens e corrupções bilionárias?
O caso do terrorismo em Paris, dada essa sensação de impotência e de lidar com o imprevisível, porque o terrorista é um covarde nojento, só a solidariedade nos é possível neste momento.
E ela precisa existir porque conforta, porque ampara o desolado, a vítima direta ou indireta que somos todos.
Tenho orgulho de por minha foto sob a bandeira francesa. Faria-o por outros na mesma situação.
Não sofra, cara amiga, com a pobreza de espírito dessa gente que acordou hoje se achando um cidadão perfeito. Ontem ele certamente não era e, ao criticar a solidariedade dos outros, mostra que continua não sendo. Nem humano.
Proteja-se deles, apenas.
Bom dia!!! 
E mantenhamos nossa nobre solidariedade.
Precisamos dela pra ofertar e receber.
Somos humanos.”

image

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto