Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Cafezinho 78 – Motivação e engajamento
Cafezinho 78 – Motivação e engajamento
Motivação é uma intenção pessoal, engajamento é um ...

Ver mais

Perdidos no Espaço

Perdidos no Espaço

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Governar: Isso se faz com erros e acertos. Ninguém é santo ou perfeitinho quando se trata dessa atividade humana que remonta a milênios. Mas o Lulismo conseguiu transformar a possibilidade de erro na plena e total certeza de que, se há besteira a ser feita, ela o será, e de modo a prejudicar o máximo possível o Brasil, roubando o que se puder para os bolsos e cuecas de seus seguidores.

Em 2003 o lulismo pôs em prática uma nova modalidade de seu esporte favorito: Culpar os Estados Unidos por todos os males deste mundo… e de outros, perdidos pelo Espaço afora. Uni-vos, ETs companheiros, ante o imperialismo interplanetário! Avante, pequenos camaradas verdes do MMSE (Movimento dos Marcianos Sem Espaço)!

Até 2001, tínhamos um ótimo acordo para projetos espaciais com os EUA; nossos futuros astronautas, hiper-capacitados oficiais da Força Aérea, participavam de treinamento na NASA, com a melhor tecnologia do mundo. Fazíamos parte da Estação Espacial Internacional, satélites de comunicação e meteorologia estavam em pauta, e discutia-se a possibilidade de arrendamento da semi-falida Base de Alcântara, no Maranhão, para lançamentos espaciais conjuntos com os americanos, absorvendo lucro financeiro e tecnológico impressionantes para um País como o nosso, zerado de recursos desse tipo.

Óbvio que Lula e sua tropa guevarista-leninista não aceitaria acordo com o grande Satã do norte; cancelaram tudo sob a meia verdade (ou mentira inteira) que os EUA não transfeririam tecnologia. E arrumaram um novo parceiro espacial: A Ucrânia, então amiguinha dos russos.

Deu no que deu: Lula cancelou o programa espacial conjunto Brasil/EUA, mandou um turista plantar feijão no algodão num copinho com dinheiro público para colher um factóide, o primeiro “astronauta” brasileiro, ao custo de $ 20 milhões de dólares pelo passeio, mais garantia de entrega, a custo zero, da cobiçada base de Alcântara. Detalhe: Alcântara não é nenhuma maravilha tecnológica – sua importância resume-se à localização, próxima à linha equatorial, fator importantíssimo para lançamento de foguetes. E mais nada.

Resumo da Ópera do Doutor Smith: Fomos expulsos do projeto total da Estação Espacial Internacional; perdemos a possibilidade de ganhar tecnologia e dinheiro com os americanos; a Ucrânia entrou em guerra não-declarada com a Rússia, e está indo pro buraco (nosso governo apóia os russos, por razões tão empáticas quanto imbecis, claro); e não realizamos absolutamente NADA nesses doze anos, no que diz respeito ao uso de Alcântara. A única cria do lulismo espacial foi o terrível acidente de 22 de agosto de 2003, vitimando 21 engenheiros e técnicos aeroespaciais brasileiros. A nata de nossas cabeças pensantes e mão de obra na área. Uma perda irrecuperável para o País e para as famílias, que ainda não foram indenizadas. Esse é o “saldo” de mais uma das incontáveis imbecilidades lulistas. Lula afirmou que isso tinha seu lado positivo; “Há males que vêm pra bem”, disse o bolivariano-ex-atual-presidente-guevarista-cachacista-fidelista: http://correiodobrasil.com.br/noticias/brasil/alcantara-ha-males-que-vem-para-o-bem-diz-lula/29352/

Completando magistralmente mais um fracasso irremediável, Dilma rompeu unilateralmente o acordo com os ucranianos, proprietários de uma tecnologia flintstoniana, com um prejuízo de mais de um bilhão de reais. Como uma espécie de Rei Midas ao contrário, tudo que Lula e sua turma tocam vira lixo – ou coisa pior. Abril de 2015 é a data do óbito de mais essa ilusão estúpida, comedora de dinheiro público, propagandeada como sendo nossa redenção aeroespacial.

O mais incrível é que as mentes menos trogloditas do lulismo afirmam ter chegado a hora de admitir que os americanos são superiores nesse segmento, e que uma parceria com eles seria benéfica. Os lulistas radicais quase infartaram, e devem promover alguma aliança guevarista-sideral com a Coreia do Norte, Cuba, Venezuela ou algum outro importante centro stalinista aeroespacial a vapor. Tremei, imperialistas do Universo! Perigo, Will Robinson! De joelhos, Thundercats burgueses! Paredón no Espaço, o muerte.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes