Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

675 – Homem na lua
675 – Homem na lua
Em 20 de Julho de 1969 uma nave feita pelo homem pousou ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

LíderCast 162 – Aldo Pini
LíderCast 162 – Aldo Pini
Ex-diretor de planejamento da agência África, que ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2019
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2019 Memoráveis citações “O Brasil é um país onde você passa quinze dias fora e muda tudo, mas passa quinze anos fora e não muda nada.” Cássio Casseb  “Quando alguém tem ...

Ver mais

O que podemos aprender com a tragédia que virá da Argentina?
Carlos Nepomuceno
O que podemos aprender com a tragédia que virá da Argentina? Live completa.

Ver mais

Ni nóis não
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A história todo mundo conhece, pelo menos no enredo do samba: Criminosos de extenso currículo (estelionatários, ladrões, traficantes) foram contratados para espionar telefones privados de ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

Cafezinho 201 – Agrotóxicos – melhor seria não usar
Cafezinho 201 – Agrotóxicos – melhor seria não usar
Agrotóxicos são a bola da vez. Da forma como é ...

Ver mais

Perdão

Perdão

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

“Aquele que não perdoa destrói a ponte sobre a qual ele mesmo deve passar”. George Herbert

As duas maiores prisões da mente humana estão na raiva e na falta de perdão. A magoa, o rancor, não esquecer, remoer e a obstinação por vingança ou “justiça” estão na pauta da prisão mental que culmina com o apodrecer de toda vida social e espiritual. Quem não sabe perdoar e relevar os tombos da vida invariavelmente se fecha, isola e não vive nutrindo a raiva como forma essencial para existir. Alegria só a terceirizada…

Há alguns anos atendi um senhor que não perdoava sua filha que a revelia da vontade do pai se casou com o filho de um inimigo da juventude. “Ela me traiu” era o mote de seu infortúnio. Eu achei que o ocorrido havia sido  recentemente, mas para minha surpresa o fato havia se consumado há 35 anos. E o senhor se mantinha irritado, algoz, raivoso como se o fato houvesse ocorrido ontem. A teimosia, orgulho, vaidade, arrogância construíram o calabouço no qual o homem habitava. Alma penada e sofrida, vagava em lamentações. Não foi no casamento da filha, não viu o nascimento dos netos, nem sabia da bisneta e sua sina. Ele a vítima, rigoroso, ríspido, seco, eternamente magoado. Se dizia rei da certeza, da justiça e todos os outros eram os traidores. Pra que sorrir na existência se a corrente pode ser pesada?

A rigidez da personalidade, a falta de flexibilidade, tem na neurose sua morada. A autonomia de um complexo e seu teor obsessivo dão a este tipo de caso sua consistência. Se anula a compaixão, o servir, a criatividade, e outros focos para a existência, e a pessoa subsiste como um disco de vinil arranhado, de mágoa, rancor e frustração. Não existe perdão para quem não sabe perdoar.

No roteiro do existir é perceptível quem subsiste no drama. Ser vítima é gratificante, necessário, nesta forma decadente. O lamento de Orpheu ou como o melodrama do tenor em uma ópera. Quem não perdoa faz do choro sua alegria.

Em minha prática profissional como analista e psicólogo clinico percebo claramente que tão importante quanto perdoar os outros é o se perdoar. Existem muitas pessoas que se transformam em carrasco de sua própria fraqueza. Novamente chegamos a rigidez, a intolerância, a crítica exacerbada, a inflexibilidade. O indubitável holocausto entre raiva  e o ato de se fazer de vítima. Paralisado para onde se vai? A consequência deste lamento está na hipertensão arterial, AVC, câncer, em doenças que ocorrem de uma atitude mental recorrente. Este é o preço do martírio que o próprio individuo se impõe e que obstinadamente não quer largar, se contorcendo. Vale a pena pagar este preço eterno?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima