Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Parou, parou… tá doendo!

Parou, parou… tá doendo!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Meu amigo Carlão ficou fascinado com uma chocante cena (essa aí da foto) do fim do filme O Resgate do Soldado Ryan (Saving Private Ryan, 1998), na qual um soldado alemão e outro americano entram em combate corpo a corpo, numa luta de vida ou morte. No início o americano parece levar vantagem, mas seu inimigo, com força e habilidade, joga-o ao chão e está prestes a cravar a baioneta em seu peito – o que de fato ocorre, numa cena lenta e angustiante. Desesperado, sozinho e sem possibilidade de reação, o americano apela para uma insólita saída: Pede para seu contendor parar e prestar atenção nele, do tipo “para que tá doendo e machucando”. O alemão, um experimentado Waffen SS, obviamente não dá a mínima ao estranho pedido e soca a lâmina até o cabo, com visível satisfação.

Porque um soldado faria uma coisa tão absurda, tentando “explicar” ao inimigo que a “brincadeira” tinha acabado? Que machucar o amiguinho era muito feio e ele precisava ir embora porque a mãe tava chamando pra jantar? A cena, que une de forma magistral o horror e o patético, ensina uma coisa muito simples: Na hora do desespero, vale absolutamente tudo. Seja por falta de ideia melhor ou autopreservação, medo, instinto de sobrevivência… naquele momento crucial o cérebro (ou a falta dele) apela pra absolutamente qualquer coisa. Negar a realidade é uma das “soluções” aparentes. De qualquer forma, simplesmente não funciona, como demonstrou o SS.

Só isso explica as cabeçadas que Lula e sua fantocha estão dando. Uma hora elogiam FHC e pedem sua ajuda; no momento seguinte cospem em sua imagem, atribuindo-lhe todas as culpas do mundo. Num momento chamam a oposição para conversar, alegando um tal de entendimento nacional; noutro, acusam-na de só pensar em si… e isso dito em rede nacional. Xingam Collor, Renan Calheiros, Sarney, Marina Silva, Ciro Gomes, banqueiros, empresários; no dia seguinte elogiam Collor, Renan Calheiros, Sarney, Marina Silva, Ciro Gomes, banqueiros, empresários. Depois recomeçam o ciclo. Na 2ª-feira elogiam a polícia federal, o MP e a Justiça. Na 3ª, xingam. Na 4ª elogiam de novo e na 5ª voltam a vociferar contra.

Lula e Dilma prometem tudo; em dois ou três anos seremos uma espécie de Suécia com carnaval de 40 dias e salários em dólar. Todo mundo vai ficar bem de grana e o paraíso nos aguarda, aqui mesmo abaixo da linha do Equador. Basta ser otimista e deixá-los fazer o que pretendem. Preocupar-se com a inflação alta, desemprego explodindo e roubalheira jamais vista na História é bobagem, gente… que mania besta é essa de prender ladrão?

Uns dirão que isso tudo é apenas a cara de pau característica, utilizada no jogo político desde sempre. Não, não é. É puro desespero. A baioneta ta entrando, e tá doendo. Dá pra tirar, por favor? Serve até como metáfora pornô, se é que me entendem. E a posição passiva de Lula e da presidonta é a mesma, podem apostar. Esperando coisa pior. Sabem que a baioneta, metafórica ou não, tá cada vez mais próxima, furando o fundo das calças – que já estão borradas de medo. E depois que entrar… vai ser um estrago.

A mencionada cena do filme é esta:

Um grande momento do cinema; cruel e constrangedor. Faz-nos sentir mal pela crueza praticada, pelo desespero estampado no rosto de um e o instinto homicida, praticamente prazeroso, no do outro. Mas ainda sim muito mais leve que as loucuras de Lula & Dilma, a dupla que é a cara da vergonha alheia. E por falar em constrangimento… a propaganda política protagonizada pela dupla e Zé de Abreu foi de dar nojo. E ainda têm a audácia de pedir “diálogo”.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes