Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ...

Ver mais

A quem interessa a divisão da sociedade?
Jota Fagner
Origens do Brasil
O atual estado de intolerância ao pensamento diferente, manifesto nas agressões que começam nas redes sociais e terminam em confrontos físicos no meio da rua, é o resultado de um processo de ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – MORFOLOGIA CATEGOREMÁTICA (parte 2)
Alexandre Gomes
Depois de listar todas as CATEGORIAS DE PALAVRAS, de acordo com a Gramática Geral irei tratar com mais calma de cada categoria. Seguindo a lista da lição anterior, vamos começar pelo grupo das ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
Cafezinho 205 – Agrotóxicos – melhor seria não usar V
O problema do agrotóxico no Brasil não é dos ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

Paradoxo?

Paradoxo?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                     “Paradoxo” é o nome de uma interessante figura de linguagem, utilizada para enfatizar uma frase com palavras aparentemente inconciliáveis. Um bom exemplo é o título do filme Eyes Wide Shut (Olhos Escancaradamente Fechados), porcamente traduzido no Brasil por De Olhos Bem Fechados. A tradução, ignorante, tirou todo o impacto do título.

Ocorre um outro tipo de paradoxo político-social, muito ruim, no País: Um silêncio ensurdecedor. Significa que o silêncio de alguns (ou mesmo de muitos) ante o absoluto descalabro do governo federal, que varia da incompetência geral à corrupção irrestrita, dá a entender uma série muito interessante de fatos. Aliás, não dá a entender; comprova.

Em tempos pré-lulistas, greves espocavam por qualquer (ou mesmo nenhum) motivo. Sindicatos saíam às ruas pedindo a cabeça de FHC por tudo e por nada. Sem-terra e outro 300 tipos de “sem”, idem. Qualquer motivo era motivo para fechar estradas, incendiar pedágios, invadir prédios públicos, queimar pneus, destruir patrimônio do povo – o mesmo povo que eles juravam e juram defender. De quebra, desejavam a morte lenta a qualquer um que classificassem como “neoliberal”; em linguagem lulista, um “inimigo do povo”. Nunca vou esquecer de uma tarde quente, no centro de Bauru/SP, em 1996, em meio a uma greve de bancários, na qual um sujeito que se dizia sindicalista distribuía bombons a qualquer criança que cuspisse ou agredisse um boneco representando FHC, malhado e vilipendiado sob os risos energúmenos desses “defensores do povo”. O “motivo” daquele espetáculo ridículo, de violência gratuita envolvendo crianças inocentes? O Plano Real, que salvou o Brasil – os lulistas o chamavam de “estelionato eleitoral”, sabotando-o de todas as maneiras possíveis. Sobrevivemos e derrotamos a inflação, apesar de Lula e seu apparatchik bolivariano-punguista. E como essa gente gritava, pelamor. Mesmo sem nenhuma razão.

                                     Hoje, vejam só, temos esse silêncio ensurdecedoramente paradoxal, porém fortemente didático. Por que os mesmos petroleiros que antes faziam marchas, bloqueios e passeatas em “defesa” da Petrobrás (sendo que nada a ameaçava) não estão nas ruas hoje, para protestar diante do descalabro reinante, desse que pode ser o maior escândalo de corrupção com dinheiro público da história mundial? Não se preocupam em ver a petrolífera desaparecendo, servindo de cordão umbilical para o monstro parido pelo lulismo?

                                     Onde estão os sindicalistas que tomavam as ruas e pediam a cabeça de FHC num prato, disparando ofensas e exigindo “justiça”, quando a corrupção era apenas uma fração da atual?

Onde está a OAB (de cuja diretoria faço parte, com muita honra), sempre tão pronta a lutar contra a incúria perpetrada nas verbas públicas, e que esteve à frente do pedido de impeachment de Collor?

                                     Onde a ABI (Associação Brasileira de Imprensa), que ombreava com a OAB na condução do mesmo pedido de impeachment em 1993, com base em um simples Fiat Elba de origem duvidosa, e hoje nada faz ante uma roubalheira que atinge declarados (pelo próprio governo) $ 90 bilhões de reais de dinheiro 100% público?

                                     Onde a UNE, os artistas e “intelectuais” chapa-branca, que fecham os olhos à bordelização do País para não perder a boquinha?

                                     E, principalmente, onde a omissa e acadelada oposição, que, embora mais necessária do que nunca, parece dormir enquanto o lulismo empurra o País para o esgoto e o dinheiro público para a Suíça? É letargia pura ou medo de algum respingo da enorme mancha de óleo podre?

                                     Será que tais ex-protagonistas acreditam que seu silêncio passa despercebido? Não adianta fingir-se de desentendidos. Nem chegar de surpresa, no final, chutando cachorro morto, quando os governantes (ir)responsáveis estiverem (espera-se) respondendo por seus crimes. É hora de tomar partido, literal e figurativamente. Porque o povo não esquecerá; o atual silêncio dos antigos gritadores está rompendo os tímpanos dos que esperam uma voz de amparo. E desse silêncio não há inocentes.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes