Iscas Intelectuais
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

País de Santos

País de Santos

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido Roberto Jefferson, aliás Bob Jeff.

                        Resumo da ópera: Michel Temer, em mais uma desastrosa escolha, decidiu preencher a pasta ministerial vaga com a deputada. Dias antes da posse, um grupo ingressou com várias ações na justiça federal requerendo a suspensão imediata do ato, alegando que Cristiane foi condenada a indenizar um ex-funcionário na justiça do trabalho. E isso lá é motivo para avaliar a moral ou a honestidade de alguém? Desde quando? Ela realmente não merece ser ministra, por vários motivos – mas não por este.

Antes que os apressadinhos de sempre rufem seus tambores de ataque, vamos deixar uma coisa bem clara: NÃO se trata de defender a deputada. Na verdade, sendo quem é, fazendo o que faz e apoiando quem apoia, não deve ser exatamente um primor de cidadã. Mas desqualificá-la por perder uma ação desse tipo é absolutamente ridículo.

A começar pela própria justiça do trabalho; injustiças são perpetradas em suas varas espalhadas pelo Brasil, em nome de uma legislação arcaica, protecionista, absurda, na qual o patrão, grande ou pequeno, é sempre colocado na posição de sádico. É a única justiça no País na qual não existe paridade de argumentos; a palavra do trabalhador vale mais que a do patrão e ponto final. E por que essa discrepância entre os processos trabalhistas e seus “primos” criminais, cíveis, tributários? Por que nas demais justiças do Brasil, estaduais ou federais, a parte ré se defende em condições de igualdade com a parte autora, mas jamais na trabalhista? Porque sim, e ponto final.

Antes das pedradas: ninguém está dizendo que todo empregador é santo e qualquer empregado é um parasita pronto a vampirizar o chefe; não é isso. Mas as injustiças nesse ramo do direito, ultrapassado pelo tempo e pela tecnologia, aliadas a uma lentidão exasperante, são visíveis a quaisquer advogados militantes na área, que sofrem com pequena parcela de juízes (olha as pedras voando! Não todos! Uma parcela, e pequena, ok?), arrogantes, tratando causídicos e partes como seres inferiores, desfrutando de um salário sem paridade nem nas nações mais ricas do planeta (nosso judiciário é o mais caro do mundo, considerando custo/PIB), mordomias idem, e assinando sentenças que mais se assemelham a lições de moral e menos com decisões judiciais.

Pois é.

Sem contar a procissão de comerciantes em geral, ou meros empregadores domésticos – toda uma gama de gente honesta que já foi altamente injustiçada, seja por um funcionário que faltou com a verdade, seja por um juiz trabalhista que enxerga pelo em ovo. Atenção: Essas duas últimas classes não são maioria, mas existem. E como existem. O mesmo pode ser dito da procuradoria do trabalho, que classifica como “trabalho escravo” a falta de cabides nos banheiros dos empregados, entre outras pérolas. Resultado: Multam a empresa com valores exorbitantes, falindo-a. Daí, os funcionários, sem o emprego “descabidizado”, vão trabalhar 12 horas por dia em alguma imunda carvoaria clandestina por metade do salário anterior. Mas a justiça foi feita, ufa! – comemoram os engravatados que não tem a menor ideia de como funciona a vida real; entendem apenas da fajuta, rabiscada nas leis caducas. Produzem miséria em nome da justiça. Só rindo.

Voltando: A deputada afirma que as ações pedindo suspensão de sua posse foram patrocinadas pela turma de Lula, o honestíssimo. Não é de se duvidar. O estranho é que até importantes sites de notícia, como O Antagonista, comemoraram a decisão, chegando a comparar a possível posso de Cristiane à de um criminoso no ministério da Justiça. Menos, né, gente? Detalhe: a lulista Jandira Feghali (PCdoB/PR), tomou sete (sete!!) ações trabalhistas de ex-funcionários de seu restaurante falido, condenada em todas, e ninguém a chamou de “criminosa”. Também deve à previdência R$ 57 mil reais, e ninguém reclama: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,membros-da-comissao-de-reforma-tem-debitos-trabalhistas,70001739113 Gozado, não?

No dia em que uma empresa ou pessoa física condenada em ação trabalhista for “criminosa”, vai faltar cadeia no Brasil. Aliás, já falta, para os verdadeiros criminosos. E ninguém liga muito. A deputada realmente não serve como ministra, mas se esse for o motivo, está aberto um precedente simplesmente ridículo.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes