Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Outro inocente em Shawshank

Outro inocente em Shawshank

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Outro inocente em Shawshank

 

O fato passou meio despercebido à época, 2002, logo após as eleições presidenciais. Em rápida entrevista a um repórter estrangeiro, perguntado se as eleições no Brasil eram justas, respondeu, entre espantado e indignado (mais aquilo que isto): “Claro que são justas! Eu ganhei!” Ou seja: o sujeitinho só acha que as eleições são limpas quando ele ganha. Quando não ganha, é fraude. Exatamente como diz de seus julgamentos, e seus fantoches papagueiam o arrivismo cínico do chefete.

Não há mais o que dizer sobre o julgamento do ex-presidente mais corrupto que o Brasil já teve, chefe de quadrilha, criminoso (como classifica o MP federal e condena o TRF4) condenado a doze anos de cadeia por enquanto – tem mais seis processos e uns 12 inquéritos virando a esquina.

Encerrada a fase da apelação (tipo de recurso), à falta de argumentos (gênero desconhecido da esquerda, seguindo fielmente a doutrina marxista, segundo a qual certo é só o que ela prega), a lulada resolveu radicalizar (perdão pelo truísmo-piada), pregando o assassinato de “coxinhas” e juízes, greve geral, lutas armadas nas ruas, rebeliões, desobediência civil, tsunamis, terremotos e nem sei mais o quê. Parece que esqueceram das 7 pragas do Egito, mas ainda vem gritaria por aí, junto com os outros processos. Lula berra e xinga para dar munição de festim à sua tropa de fantoches, mas nada vai mudar os fatos e provas que o condenaram. Campeonato de desaforos apenas, como diria Winston Churchill.

Como Guevaras redivivos, também “condenaram à morte” os “fascistas” que ousam respeitar as leis e o judiciário, onde já se viu?!. Importante lembrar que, na novilingua orwelliana do lulismo, “fascista” é qualquer um que não seja de extrema-esquerda e defenda Lula com unhas stalinistas e dentes vermelhos. Pela múmia de Lênin, camaradas! Menos!

O lulista, mais que militonto, é uma espécie que berra muito e executa pouco – embora adorem um paredón, com o perdão do trocadilho cubânico. Ou seja: Embora empunhem e soprem fervorosamente as trombetas do Soviete Supremo, pouco há de sair além de ar embolorado por uma ideologia atropelada pelos tempos. Não, definitivamente não haverá Juízo Final pela condenação de Lula. Desde que o mundo existe – além da fofoca e da rádio peão – há alguém prevendo o fim do mundo, de tempos em tempos, como castigo à ímpia humanidade; para os lulistas, só perecerão os fascistas. Os puros, vermelhoides mumulengos do condenado, serão salvos por uma Arca de Stalin que os levará ao Gulag, em lugar da Moscou prometida – ou a uma nova Venezuela, um enorme purgatório que está como está por seguir a cartilha lulista mas põe a culpa nos americanos. Mas isso é outro assunto.

Enfim, o mundo não vai acabar, e em breve todos esses gritões movidos a mortadela enfiarão o rabo no meio das pernas e – horror dos horrores! – terão de arrumar um emprego. Darwin veria nisso uma seleção natural pelo trabalho, ou não? Belo adendo para sua obra seminal, A Origem Das Espécies.

Portanto, igual a 1840, 1910, 1982, 1997, 1999, 2000, 2008, 2012 e 2013, o Juízo Final foi anunciado, mas, como perceberam todos no amanhecer seguinte, com uma boa dose de exagero. Nada aconteceu. Da mesma forma, o Universo, o Sistema Solar, o Planeta, o Brasil, e até mesmo a pitoresca Piratininga, sobreviverão à ausência de Lula no próximo pleito presidencial e/ou sua possível prisão, quiçá pelo resto da vida na hipótese de futuras condenações somadas.

Importante: O que vai acontecer daqui pra frente no campo judicial é imprevisível. Juristas gabaritados têm errado suas previsões, dado o ineditismo do caso – e a cara de pau do condenado em acusar a todos, encenando um tribunal de hospício onde quem julga é o réu e bandidos são os juízes. Mas certamente não será o final dos tempos, apesar das ameaças de Lula e sua tropa brancaleônica.

Em tempo: Shawshank é o nome da fictícia prisão no filme “Um Sonho de Liberdade” (Tim Robbins, Morgan Freeman). Há nele uma cena emblemática: O personagem de Tim Robbins grita que é inocente; o preso antigo, Freeman, diz que, então, ele está no lugar certo, pois ali todos os condenados são inocentes. Lula poderia reencenar o filme, em tom de comédia, coadjuvado por Palocci, Maluf, Zé Dirceu, Vaccari, Marcelo Odebrecht, Sérgio Cabral, André Vargas, Geddel, Joesley & Wesley JBF, Eduardo Cunha e tantos outros cumpanhêro lulistas que representam o abre-alas do carnaval prisional da alma mais honesta do mundo. Ziriguidum, oi.

 

Veja também: http://www.portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/shawshank/

 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes