Iscas Intelectuais
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Complexo e outros males
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Uma das expressões que a esquerda (radical ou não) adora usar é o tal “complexo de vira-latas”. Essa gente não tem a menor ideia do que seja isso, nem de quem cunhou a expressão, mas a macaqueia ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Os impostos estão lá sim, altíssimos, exorbitantes, mas ...

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Os inteligentes e os cabotinos

Os inteligentes e os cabotinos

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

“Não temo quem tem mil bombas atômicas. Temo quem tem apenas uma.” Tom ClancyEscritores americanos e britânicos já foram participantes ou, ao menos, consultores ativos de organismos de espionagem e defesa, tais como Tom Clancy (1947 – 2013) e seus colegasingleses Ian Fleming (1908 – 1964) e Frederick Forsyth (1938). Fleming foi (é) o mais famoso; depois de participar da Inteligência Naval britânica durante a 2ª Guerra Mundial, deu voz e vez a seu principal personagem: Bond, James Bond. Os três prestaram valiosos serviços a países durante a Guerra Fria, ajudando a derrubar o genocida império soviético.

Mas o que teria levado um playboy com pretensões de escritor (Fleming), um jornalista e também escritor (Forsyth) e Clancy, historiador e professor, a mergulharem nesse mundo obscuro do xadrez da inteligência militar? Simples: Cérebro e conhecimento, além de uma vasta rede internacional de informantes. Eram tão bem informados que prestaram serviços à CIA americana e ao MI5 e MI6 britânicos. Embora Clancy e Fleming fossem de fato cheios de si, não deixaram de mostrar ao mundo sua importância como patriotas e como escritores do ramo techno-thriller, que funde ação e aventura militar.

Agora nós: Em tempos tristes, quando o ditador da mais antiga dinastia tirânica do planeta, o gordinho psicopata da Coreia do Norte, resolveu botar fogo no mundo e peitar os americanos, qualquer autodenominado intelectual, mesmo não sabendo distinguir canhão de baioneta, resolve dar pitaco no assunto. Aqui, qualquer Caetano Veloso da vida dá palpite em estratégia militar e diplomacia de segurança mundial. E, seguindo essa gente, cabotinamente lulista, de “estadistas” e “intelectuais” – abrimos em 2009 nossa gloriosa, retumbante e divina embaixada norte-coreana, Lênin seja louvado!

Enquanto isso, profissionais do quilate de Roberto Godoy (Estadão) são olimpicamente ignorados pelo público pagante. E dá-lhe comentário de Luis Fernando Veríssimo, Aldo Rebelo, Dilma e demais especialistas que sugerem um dedo de prosa e uma cachacinha com Kim Jong-Un, o psicopata norte-coreano, e tudo vai acabar em samba e feijoada, cumpadi. Gênios.

Motivo da ópera: Kim Jong-Un, o demente, parece ter lançado um ICBM (míssil intercontinetal) capaz de transportar uma ogiva atômica de baixa potência – embora nada disso possa ser confirmado, dada a absoluta falta de dados sobre o caso. Talvez a velha e boa espionagem pudesse render algo mais palpável, mas tudo ainda é incerto, tanto sobre os mísseis quanto às intenções do maluco de pedra.

Enquanto isso, o imbecil continua a desafiar o mundo todo (e não apenas os EUA, como acreditam os lulistas), principalmente a Coreia do Sul e o Japão, duas democracias prósperas e amigas, maiores vítimas potenciais em caso de conflito na região. Ao mesmo tempo, os mesmos espertões que sugerem o dedo de prosa milagroso adoram metralhar Donald Trump, o único com bala na agulha pra peitar o ditador assassino. E, não por coincidência, os mesmos que atacam Trump são os que adulam Kim Jong-Un.

Resumo da ópera: Os lulistas-rabelistas-leninistas adoram xingar Trump. Ok, de fato ele fez e continua fazendo muita besteira, e os americanos mereciam um presidente melhor; mas é o que temos pra hoje, e reclamar não resolve a parada.

Por outro lado, se o demente decidir atacar alguém, todos os que xingam Trump vão exigir dele uma reação. Mais uma ironia a confirmar a insuperável tendência hipócrita dos Velosos espalhados pelo mundo, que adoram odiar os gringos, mas são chegados num dólar que só vendo – aí a ideologia de conveniência desaparece na hora.

Acima do Equador eles têm Forsyth. Aqui abaixo, temos Velosos, divinos e maravilhosos cabotinos. Nada diferente da fábula da Formiga e da Cigarra. E nossa Cigarra canta sertanejo universitário. Pelamor.

No fim das contas, parodiando Woody Allen, arma nuclear é como dinheiro: Quem tem (muito) diz que não tem, e quem não tem, diz que tem.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes