Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

586 – LiderCast 7
586 – LiderCast 7
E o LíderCast vai para a sétima temporada! No programa ...

Ver mais

585 – Tolerância e relativismo
585 – Tolerância e relativismo
Quando aceitamos o relativismo, cada pessoa tem direito ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

LíderCast 086 – Gustavo Succi
LíderCast 086 – Gustavo Succi
Gustavo Succi, é especialista em empreendedorismo na ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O exercício da perda
Tom Coelho
Sete Vidas
“Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água.” (Thomas Fuller)   Um dia você depara com a logomarca da empresa em que trabalha estampada numa página de revista, numa folha de ...

Ver mais

A história secreta da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A história secreta da criatividade  Leitura com elevada agregação de conhecimento “Montar uma organização criativa é difícil, mas mantê-la criativa é muito mais. Por quê? Porque todo paradigma ...

Ver mais

Sobre uma incrível oportunidade que perdi na vida
Mauro Segura
Transformação
Nem sempre é fácil avaliarmos as oportunidades que a vida coloca diante de nós, principalmente quando somos muito jovens. Essa é uma história que nunca contei para ninguém, diz respeito a uma ...

Ver mais

Aplicando 5S na vida pessoal
Tom Coelho
Sete Vidas
“Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo, e fazer bem-feito.” (Pitágoras)   Em Administração, utilizamos um expediente importado lá do Oriente, mais precisamente do Japão ...

Ver mais

Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Por isso meu conselho é: siga quem faz perguntas ...

Ver mais

Cafezinho 20 – A professora
Cafezinho 20 – A professora
imagine se milhares, milhões de brasileiros pensassem ...

Ver mais

Cafezinho 19 – Mia Couto
Cafezinho 19 – Mia Couto
Mia Couto fala de umas coisas que têm sido esquecidas: ...

Ver mais

Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Indicativa x impositiva. Uma palavrinha muda tudo...

Ver mais

Os inteligentes e os cabotinos

Os inteligentes e os cabotinos

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

“Não temo quem tem mil bombas atômicas. Temo quem tem apenas uma.” Tom ClancyEscritores americanos e britânicos já foram participantes ou, ao menos, consultores ativos de organismos de espionagem e defesa, tais como Tom Clancy (1947 – 2013) e seus colegasingleses Ian Fleming (1908 – 1964) e Frederick Forsyth (1938). Fleming foi (é) o mais famoso; depois de participar da Inteligência Naval britânica durante a 2ª Guerra Mundial, deu voz e vez a seu principal personagem: Bond, James Bond. Os três prestaram valiosos serviços a países durante a Guerra Fria, ajudando a derrubar o genocida império soviético.

Mas o que teria levado um playboy com pretensões de escritor (Fleming), um jornalista e também escritor (Forsyth) e Clancy, historiador e professor, a mergulharem nesse mundo obscuro do xadrez da inteligência militar? Simples: Cérebro e conhecimento, além de uma vasta rede internacional de informantes. Eram tão bem informados que prestaram serviços à CIA americana e ao MI5 e MI6 britânicos. Embora Clancy e Fleming fossem de fato cheios de si, não deixaram de mostrar ao mundo sua importância como patriotas e como escritores do ramo techno-thriller, que funde ação e aventura militar.

Agora nós: Em tempos tristes, quando o ditador da mais antiga dinastia tirânica do planeta, o gordinho psicopata da Coreia do Norte, resolveu botar fogo no mundo e peitar os americanos, qualquer autodenominado intelectual, mesmo não sabendo distinguir canhão de baioneta, resolve dar pitaco no assunto. Aqui, qualquer Caetano Veloso da vida dá palpite em estratégia militar e diplomacia de segurança mundial. E, seguindo essa gente, cabotinamente lulista, de “estadistas” e “intelectuais” – abrimos em 2009 nossa gloriosa, retumbante e divina embaixada norte-coreana, Lênin seja louvado!

Enquanto isso, profissionais do quilate de Roberto Godoy (Estadão) são olimpicamente ignorados pelo público pagante. E dá-lhe comentário de Luis Fernando Veríssimo, Aldo Rebelo, Dilma e demais especialistas que sugerem um dedo de prosa e uma cachacinha com Kim Jong-Un, o psicopata norte-coreano, e tudo vai acabar em samba e feijoada, cumpadi. Gênios.

Motivo da ópera: Kim Jong-Un, o demente, parece ter lançado um ICBM (míssil intercontinetal) capaz de transportar uma ogiva atômica de baixa potência – embora nada disso possa ser confirmado, dada a absoluta falta de dados sobre o caso. Talvez a velha e boa espionagem pudesse render algo mais palpável, mas tudo ainda é incerto, tanto sobre os mísseis quanto às intenções do maluco de pedra.

Enquanto isso, o imbecil continua a desafiar o mundo todo (e não apenas os EUA, como acreditam os lulistas), principalmente a Coreia do Sul e o Japão, duas democracias prósperas e amigas, maiores vítimas potenciais em caso de conflito na região. Ao mesmo tempo, os mesmos espertões que sugerem o dedo de prosa milagroso adoram metralhar Donald Trump, o único com bala na agulha pra peitar o ditador assassino. E, não por coincidência, os mesmos que atacam Trump são os que adulam Kim Jong-Un.

Resumo da ópera: Os lulistas-rabelistas-leninistas adoram xingar Trump. Ok, de fato ele fez e continua fazendo muita besteira, e os americanos mereciam um presidente melhor; mas é o que temos pra hoje, e reclamar não resolve a parada.

Por outro lado, se o demente decidir atacar alguém, todos os que xingam Trump vão exigir dele uma reação. Mais uma ironia a confirmar a insuperável tendência hipócrita dos Velosos espalhados pelo mundo, que adoram odiar os gringos, mas são chegados num dólar que só vendo – aí a ideologia de conveniência desaparece na hora.

Acima do Equador eles têm Forsyth. Aqui abaixo, temos Velosos, divinos e maravilhosos cabotinos. Nada diferente da fábula da Formiga e da Cigarra. E nossa Cigarra canta sertanejo universitário. Pelamor.

No fim das contas, parodiando Woody Allen, arma nuclear é como dinheiro: Quem tem (muito) diz que não tem, e quem não tem, diz que tem.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes