Iscas Intelectuais
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

571 – Fala sério
571 – Fala sério
Podcast Café brasil 571 - Fala Sério - Todo povo tem o ...

Ver mais

Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Que triste sina. Em vez de aprender com o passado, ...

Ver mais

Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Os vivos serão sempre, e cada vez mais, governados ...

Ver mais

570 – LíderCast 6
570 – LíderCast 6
Hoje apresentamos nosso elenco de convidados da ...

Ver mais

LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes está à frente da implantação ...

Ver mais

LíderCast 072 Oscar Maroni
LíderCast 072 Oscar Maroni
Oscar Maroni se identifica como “dono de uma empresa ...

Ver mais

LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa é um dos mais ferrenhos ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A Era da Integração
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu sou eu mais as minhas circunstâncias.” (José Ortega y Gasset)   Um dia você apanha um velho álbum de fotografias e começa a revisitar seu passado. Entre as imagens registradas nas fotos ...

Ver mais

Nas redes sociais, você é o que publica
Mauro Segura
Transformação
A facilidade e a displicência com que publicamos algo numa rede social são incríveis. As vezes publicamos coisas que não entendemos bem e nem temos consciência do impacto que causamos.

Ver mais

Abaixo a polícia, viva o bandido!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, pára. Tudo bem que nós, viventes dessa nau dos insensatos chamada Brasil, estamos com o couro grosso de tanta asneira, e achávamos que discursos de Dilma seriam o ápice da fronteira entre a ...

Ver mais

O Festival de Besteira que Assola a Esquerda Brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Diante da condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, intelectuais, professores, artistas, estudantes e os demais suspeitos de sempre negam que Lula tenha cometido os crimes pelos ...

Ver mais

Os inteligentes e os cabotinos

Os inteligentes e os cabotinos

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

“Não temo quem tem mil bombas atômicas. Temo quem tem apenas uma.” Tom ClancyEscritores americanos e britânicos já foram participantes ou, ao menos, consultores ativos de organismos de espionagem e defesa, tais como Tom Clancy (1947 – 2013) e seus colegasingleses Ian Fleming (1908 – 1964) e Frederick Forsyth (1938). Fleming foi (é) o mais famoso; depois de participar da Inteligência Naval britânica durante a 2ª Guerra Mundial, deu voz e vez a seu principal personagem: Bond, James Bond. Os três prestaram valiosos serviços a países durante a Guerra Fria, ajudando a derrubar o genocida império soviético.

Mas o que teria levado um playboy com pretensões de escritor (Fleming), um jornalista e também escritor (Forsyth) e Clancy, historiador e professor, a mergulharem nesse mundo obscuro do xadrez da inteligência militar? Simples: Cérebro e conhecimento, além de uma vasta rede internacional de informantes. Eram tão bem informados que prestaram serviços à CIA americana e ao MI5 e MI6 britânicos. Embora Clancy e Fleming fossem de fato cheios de si, não deixaram de mostrar ao mundo sua importância como patriotas e como escritores do ramo techno-thriller, que funde ação e aventura militar.

Agora nós: Em tempos tristes, quando o ditador da mais antiga dinastia tirânica do planeta, o gordinho psicopata da Coreia do Norte, resolveu botar fogo no mundo e peitar os americanos, qualquer autodenominado intelectual, mesmo não sabendo distinguir canhão de baioneta, resolve dar pitaco no assunto. Aqui, qualquer Caetano Veloso da vida dá palpite em estratégia militar e diplomacia de segurança mundial. E, seguindo essa gente, cabotinamente lulista, de “estadistas” e “intelectuais” – abrimos em 2009 nossa gloriosa, retumbante e divina embaixada norte-coreana, Lênin seja louvado!

Enquanto isso, profissionais do quilate de Roberto Godoy (Estadão) são olimpicamente ignorados pelo público pagante. E dá-lhe comentário de Luis Fernando Veríssimo, Aldo Rebelo, Dilma e demais especialistas que sugerem um dedo de prosa e uma cachacinha com Kim Jong-Un, o psicopata norte-coreano, e tudo vai acabar em samba e feijoada, cumpadi. Gênios.

Motivo da ópera: Kim Jong-Un, o demente, parece ter lançado um ICBM (míssil intercontinetal) capaz de transportar uma ogiva atômica de baixa potência – embora nada disso possa ser confirmado, dada a absoluta falta de dados sobre o caso. Talvez a velha e boa espionagem pudesse render algo mais palpável, mas tudo ainda é incerto, tanto sobre os mísseis quanto às intenções do maluco de pedra.

Enquanto isso, o imbecil continua a desafiar o mundo todo (e não apenas os EUA, como acreditam os lulistas), principalmente a Coreia do Sul e o Japão, duas democracias prósperas e amigas, maiores vítimas potenciais em caso de conflito na região. Ao mesmo tempo, os mesmos espertões que sugerem o dedo de prosa milagroso adoram metralhar Donald Trump, o único com bala na agulha pra peitar o ditador assassino. E, não por coincidência, os mesmos que atacam Trump são os que adulam Kim Jong-Un.

Resumo da ópera: Os lulistas-rabelistas-leninistas adoram xingar Trump. Ok, de fato ele fez e continua fazendo muita besteira, e os americanos mereciam um presidente melhor; mas é o que temos pra hoje, e reclamar não resolve a parada.

Por outro lado, se o demente decidir atacar alguém, todos os que xingam Trump vão exigir dele uma reação. Mais uma ironia a confirmar a insuperável tendência hipócrita dos Velosos espalhados pelo mundo, que adoram odiar os gringos, mas são chegados num dólar que só vendo – aí a ideologia de conveniência desaparece na hora.

Acima do Equador eles têm Forsyth. Aqui abaixo, temos Velosos, divinos e maravilhosos cabotinos. Nada diferente da fábula da Formiga e da Cigarra. E nossa Cigarra canta sertanejo universitário. Pelamor.

No fim das contas, parodiando Woody Allen, arma nuclear é como dinheiro: Quem tem (muito) diz que não tem, e quem não tem, diz que tem.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes