Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

586 – LiderCast 7
586 – LiderCast 7
E o LíderCast vai para a sétima temporada! No programa ...

Ver mais

585 – Tolerância e relativismo
585 – Tolerância e relativismo
Quando aceitamos o relativismo, cada pessoa tem direito ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

LíderCast 086 – Gustavo Succi
LíderCast 086 – Gustavo Succi
Gustavo Succi, é especialista em empreendedorismo na ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O exercício da perda
Tom Coelho
Sete Vidas
“Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água.” (Thomas Fuller)   Um dia você depara com a logomarca da empresa em que trabalha estampada numa página de revista, numa folha de ...

Ver mais

A história secreta da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A história secreta da criatividade  Leitura com elevada agregação de conhecimento “Montar uma organização criativa é difícil, mas mantê-la criativa é muito mais. Por quê? Porque todo paradigma ...

Ver mais

Sobre uma incrível oportunidade que perdi na vida
Mauro Segura
Transformação
Nem sempre é fácil avaliarmos as oportunidades que a vida coloca diante de nós, principalmente quando somos muito jovens. Essa é uma história que nunca contei para ninguém, diz respeito a uma ...

Ver mais

Aplicando 5S na vida pessoal
Tom Coelho
Sete Vidas
“Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo, e fazer bem-feito.” (Pitágoras)   Em Administração, utilizamos um expediente importado lá do Oriente, mais precisamente do Japão ...

Ver mais

Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Por isso meu conselho é: siga quem faz perguntas ...

Ver mais

Cafezinho 20 – A professora
Cafezinho 20 – A professora
imagine se milhares, milhões de brasileiros pensassem ...

Ver mais

Cafezinho 19 – Mia Couto
Cafezinho 19 – Mia Couto
Mia Couto fala de umas coisas que têm sido esquecidas: ...

Ver mais

Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Indicativa x impositiva. Uma palavrinha muda tudo...

Ver mais

Os cowboys

Os cowboys

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                        Já assistiu Os Cowboys, de 1972, com John Wayne? Não? Assista. Já assistiu? Veja outra vez. É um clássico, obra prima do gênero faroeste, com um bom-mocismo e uma ingenuidade que não existem mais, nesse século XXI onde as crianças já nascem jogando poker. Paradoxalmente, vivemos num mundo mais selvagem do que o Velho Oeste, onde as posições “do bem” e “do mal” eram diametralmente opostas e simples de identificar; bandido não disfarçava bem.

                        Wayne faz o papel de um rancheiro que, à falta de cowboys para tanger o gado e vendê-lo antes da chegada do congelante inverno, contrata algumas crianças para o duro e perigoso serviço de cruzar centenas de quilômetros com os animais, para vendê-los, encarando os perigos inerentes. Numa aventura recheada de dramas humanos, onde a experiência do duro rancheiro se contrapõe às inseguranças infantis, o grupo viaja apavorado com um bando de ladrões em seus calcanhares, tentando roubar a valiosa manada. Os bandidos finalmente alcançam e rendem o grupo brancaleônico. A ordem do chefe da quadrilha é clara; ele não quer roubar só o gado. Diz aos comparsas: “Levem tudo, menos a fogueira!”

                        Tudo o que se viu e ouviu nos últimos dias, envolvendo Lula e sua turma, também é bem claro. Ele não queria só o gado, conquistado com mentiras, ilusões, bolsa-esmola e outras mandrakarias essencialmente populistas. Queria tudo.

Lula poderia ter se contentado só com o gado e os, digamos, dividendos que amealhou por aí – mesmo que as origens desses milhões todos sejam mais ininteligíveis que letra de música do Djavan. Mas não… Lula queria tudo. Tudinho. Até a fogueira.

                        Quando deixou aquele castelo de filme de terror que convencionaram chamar de Alvorada, carregou absolutamente tudo; não deixou nem mesmo as cobiçadas garrafas de bebida que compunham a adega presidencial, pagas com dinheiro público. A informação, bem como a lista de alguns itens que Lula levou nos já famosos 11 caminhões (um deles refrigerado, para os caríssimos vinhos), está em vários lugares, inclusive no excelente site O Antagonista: http://www.oantagonista.com/posts/a-coroa-do-rei-lula

                        Mas não foram só esses bens, nem muitos outros, ocultados em depósitos, sítio-que-não-é-dele, e um providencial barracão ofertado por um prestimoso sindicato. O sujeitinho levou também a estabilidade da moeda, os empregos, o dinheiro das empresas públicas, o pouco de decência que restava, o pouco que tínhamos – discretos ativos que ele tratava como um “presente” generosamente dado por ele, o ungido, a nós, os ingratos que deviam adorar aquele duende disfarçado de santo e sua mamulenga que não diz uma frase com sentido. Nas muitas vezes em que comparou-se a vultos históricos, nacionais e internacionais, e mesmo a Deus, quando alegou seus “milagres” realizados na economia, desfiava bravatas como se fossem fatos. Destruiu tudo onde pôs as mãos e garras longas, tentou surrupiar até nossas almas para barganhas tinhosas com seu amigo que também veste vermelho em meio ao calor dos caldeirões subterrâneos. Lula levou tudo, até a fogueira. Estamos no escuro, e, pelo andar da carruagem, só O STF ou o saco de gatos do Congresso podem resolver a questão definitivamente. Esperar? Rezar? Protestar? Pedir socorro ao judiciário? Muita coisa ainda será trazida pela enxurrada de lama. Mas reação tem de vir. E logo, pois a coisa tá feia demais. É o fim do mundo que conhecemos por Brasil.

                        Ah sim, ia esquecendo; No filme, o gado é levado pelos ladrões, que matam Wayne covardemente. Os meninos unem-se e, com coragem e determinação, acabam com os bandidos, recuperam o gado e o recolocam no caminho certo. Na volta, levariam o dinheiro para a viúva. É, naquele tempo já tentavam depenar a viúva. Enfim, os do mal perderam. O gado reencontrou seu caminho, e os justiceiros do bem venceram.

                        Agora, é torcer por uma reprise do filme. O gado aqui tá esperando ansiosamente um norte. Ao menos, na falta da fogueira, Sérgio Moro trouxe uma lanterna. E que lanterna! Terra Em Transe, como apontaria o chatérrimo Glauber Rocha.

                        Trilha sonora e cenas do filme: Vivaldi, Concerto para violão em Dó maior, segundo movimento:

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes