Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Sorte? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Chamam a atenção frases do tipo… “Não me inveje, trabalhe!”. Costuma enfeitar vidros traseiros e para-choques de caminhão. E o motivo é simples: Pode não decorar um luxuosíssimo Bugatti ...

Ver mais

Os jacobinos da “nova direita”
Bruno Garschagen
Ciência Política
Quando os antissocialistas mimetizam a mentalidade e a ação política do inimigo, tornam-se o espelho da perfídia.

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela ...

Ver mais

Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Sobre como aprender com nossos insucessos, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

Cafezinho 3 – A inércia
Cafezinho 3 – A inércia
Issac Newton escreveu que “um objeto que está em ...

Ver mais

Os cowboys

Os cowboys

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                        Já assistiu Os Cowboys, de 1972, com John Wayne? Não? Assista. Já assistiu? Veja outra vez. É um clássico, obra prima do gênero faroeste, com um bom-mocismo e uma ingenuidade que não existem mais, nesse século XXI onde as crianças já nascem jogando poker. Paradoxalmente, vivemos num mundo mais selvagem do que o Velho Oeste, onde as posições “do bem” e “do mal” eram diametralmente opostas e simples de identificar; bandido não disfarçava bem.

                        Wayne faz o papel de um rancheiro que, à falta de cowboys para tanger o gado e vendê-lo antes da chegada do congelante inverno, contrata algumas crianças para o duro e perigoso serviço de cruzar centenas de quilômetros com os animais, para vendê-los, encarando os perigos inerentes. Numa aventura recheada de dramas humanos, onde a experiência do duro rancheiro se contrapõe às inseguranças infantis, o grupo viaja apavorado com um bando de ladrões em seus calcanhares, tentando roubar a valiosa manada. Os bandidos finalmente alcançam e rendem o grupo brancaleônico. A ordem do chefe da quadrilha é clara; ele não quer roubar só o gado. Diz aos comparsas: “Levem tudo, menos a fogueira!”

                        Tudo o que se viu e ouviu nos últimos dias, envolvendo Lula e sua turma, também é bem claro. Ele não queria só o gado, conquistado com mentiras, ilusões, bolsa-esmola e outras mandrakarias essencialmente populistas. Queria tudo.

Lula poderia ter se contentado só com o gado e os, digamos, dividendos que amealhou por aí – mesmo que as origens desses milhões todos sejam mais ininteligíveis que letra de música do Djavan. Mas não… Lula queria tudo. Tudinho. Até a fogueira.

                        Quando deixou aquele castelo de filme de terror que convencionaram chamar de Alvorada, carregou absolutamente tudo; não deixou nem mesmo as cobiçadas garrafas de bebida que compunham a adega presidencial, pagas com dinheiro público. A informação, bem como a lista de alguns itens que Lula levou nos já famosos 11 caminhões (um deles refrigerado, para os caríssimos vinhos), está em vários lugares, inclusive no excelente site O Antagonista: http://www.oantagonista.com/posts/a-coroa-do-rei-lula

                        Mas não foram só esses bens, nem muitos outros, ocultados em depósitos, sítio-que-não-é-dele, e um providencial barracão ofertado por um prestimoso sindicato. O sujeitinho levou também a estabilidade da moeda, os empregos, o dinheiro das empresas públicas, o pouco de decência que restava, o pouco que tínhamos – discretos ativos que ele tratava como um “presente” generosamente dado por ele, o ungido, a nós, os ingratos que deviam adorar aquele duende disfarçado de santo e sua mamulenga que não diz uma frase com sentido. Nas muitas vezes em que comparou-se a vultos históricos, nacionais e internacionais, e mesmo a Deus, quando alegou seus “milagres” realizados na economia, desfiava bravatas como se fossem fatos. Destruiu tudo onde pôs as mãos e garras longas, tentou surrupiar até nossas almas para barganhas tinhosas com seu amigo que também veste vermelho em meio ao calor dos caldeirões subterrâneos. Lula levou tudo, até a fogueira. Estamos no escuro, e, pelo andar da carruagem, só O STF ou o saco de gatos do Congresso podem resolver a questão definitivamente. Esperar? Rezar? Protestar? Pedir socorro ao judiciário? Muita coisa ainda será trazida pela enxurrada de lama. Mas reação tem de vir. E logo, pois a coisa tá feia demais. É o fim do mundo que conhecemos por Brasil.

                        Ah sim, ia esquecendo; No filme, o gado é levado pelos ladrões, que matam Wayne covardemente. Os meninos unem-se e, com coragem e determinação, acabam com os bandidos, recuperam o gado e o recolocam no caminho certo. Na volta, levariam o dinheiro para a viúva. É, naquele tempo já tentavam depenar a viúva. Enfim, os do mal perderam. O gado reencontrou seu caminho, e os justiceiros do bem venceram.

                        Agora, é torcer por uma reprise do filme. O gado aqui tá esperando ansiosamente um norte. Ao menos, na falta da fogueira, Sérgio Moro trouxe uma lanterna. E que lanterna! Terra Em Transe, como apontaria o chatérrimo Glauber Rocha.

                        Trilha sonora e cenas do filme: Vivaldi, Concerto para violão em Dó maior, segundo movimento:

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes