Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

Os cowboys

Os cowboys

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                        Já assistiu Os Cowboys, de 1972, com John Wayne? Não? Assista. Já assistiu? Veja outra vez. É um clássico, obra prima do gênero faroeste, com um bom-mocismo e uma ingenuidade que não existem mais, nesse século XXI onde as crianças já nascem jogando poker. Paradoxalmente, vivemos num mundo mais selvagem do que o Velho Oeste, onde as posições “do bem” e “do mal” eram diametralmente opostas e simples de identificar; bandido não disfarçava bem.

                        Wayne faz o papel de um rancheiro que, à falta de cowboys para tanger o gado e vendê-lo antes da chegada do congelante inverno, contrata algumas crianças para o duro e perigoso serviço de cruzar centenas de quilômetros com os animais, para vendê-los, encarando os perigos inerentes. Numa aventura recheada de dramas humanos, onde a experiência do duro rancheiro se contrapõe às inseguranças infantis, o grupo viaja apavorado com um bando de ladrões em seus calcanhares, tentando roubar a valiosa manada. Os bandidos finalmente alcançam e rendem o grupo brancaleônico. A ordem do chefe da quadrilha é clara; ele não quer roubar só o gado. Diz aos comparsas: “Levem tudo, menos a fogueira!”

                        Tudo o que se viu e ouviu nos últimos dias, envolvendo Lula e sua turma, também é bem claro. Ele não queria só o gado, conquistado com mentiras, ilusões, bolsa-esmola e outras mandrakarias essencialmente populistas. Queria tudo.

Lula poderia ter se contentado só com o gado e os, digamos, dividendos que amealhou por aí – mesmo que as origens desses milhões todos sejam mais ininteligíveis que letra de música do Djavan. Mas não… Lula queria tudo. Tudinho. Até a fogueira.

                        Quando deixou aquele castelo de filme de terror que convencionaram chamar de Alvorada, carregou absolutamente tudo; não deixou nem mesmo as cobiçadas garrafas de bebida que compunham a adega presidencial, pagas com dinheiro público. A informação, bem como a lista de alguns itens que Lula levou nos já famosos 11 caminhões (um deles refrigerado, para os caríssimos vinhos), está em vários lugares, inclusive no excelente site O Antagonista: http://www.oantagonista.com/posts/a-coroa-do-rei-lula

                        Mas não foram só esses bens, nem muitos outros, ocultados em depósitos, sítio-que-não-é-dele, e um providencial barracão ofertado por um prestimoso sindicato. O sujeitinho levou também a estabilidade da moeda, os empregos, o dinheiro das empresas públicas, o pouco de decência que restava, o pouco que tínhamos – discretos ativos que ele tratava como um “presente” generosamente dado por ele, o ungido, a nós, os ingratos que deviam adorar aquele duende disfarçado de santo e sua mamulenga que não diz uma frase com sentido. Nas muitas vezes em que comparou-se a vultos históricos, nacionais e internacionais, e mesmo a Deus, quando alegou seus “milagres” realizados na economia, desfiava bravatas como se fossem fatos. Destruiu tudo onde pôs as mãos e garras longas, tentou surrupiar até nossas almas para barganhas tinhosas com seu amigo que também veste vermelho em meio ao calor dos caldeirões subterrâneos. Lula levou tudo, até a fogueira. Estamos no escuro, e, pelo andar da carruagem, só O STF ou o saco de gatos do Congresso podem resolver a questão definitivamente. Esperar? Rezar? Protestar? Pedir socorro ao judiciário? Muita coisa ainda será trazida pela enxurrada de lama. Mas reação tem de vir. E logo, pois a coisa tá feia demais. É o fim do mundo que conhecemos por Brasil.

                        Ah sim, ia esquecendo; No filme, o gado é levado pelos ladrões, que matam Wayne covardemente. Os meninos unem-se e, com coragem e determinação, acabam com os bandidos, recuperam o gado e o recolocam no caminho certo. Na volta, levariam o dinheiro para a viúva. É, naquele tempo já tentavam depenar a viúva. Enfim, os do mal perderam. O gado reencontrou seu caminho, e os justiceiros do bem venceram.

                        Agora, é torcer por uma reprise do filme. O gado aqui tá esperando ansiosamente um norte. Ao menos, na falta da fogueira, Sérgio Moro trouxe uma lanterna. E que lanterna! Terra Em Transe, como apontaria o chatérrimo Glauber Rocha.

                        Trilha sonora e cenas do filme: Vivaldi, Concerto para violão em Dó maior, segundo movimento:

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes