Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Onde se escondeu a coerência?

Onde se escondeu a coerência?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                      Discurso sólido, coerente, com começo, meio e fim é uma raridade num País de cultura cada vez mais profanada pelo simplismo, pela preguiça mental, pelo automatismo e pelas soluções fáceis – tão fáceis quanto erradas.

                                      Exubera a cultura do simples, já que o complexo cansa, e explicar cansa mais ainda. Daí, raciocinar mais profundamente torna-se quase um crime de pensamento, coisa muito comum nas ditaduras stalinistas-maoístas, tão reverenciadas por gente que alega defender a liberdade, por mais paradoxal que isso seja. Como já dito, procurar coerência é perda de tempo.

                                      Há apenas seis meses, houve o massacre no prédio do jornal satírico francês Charlie Hebdo (atenção, sem-terra, sem-teto e outros maoístas de oportunidade: AQUILO foi massacre; tomar umas bordoadas da polícia NÃO é massacre); os lulistas, abraçados ao que há de mais atrasado no mundo, jogaram a culpa nos cartunistas, que, onde já se viu!, “ousaram” usar a figura de Maomé nos cartuns. Para esses sujeitos, é muito merecido tomar um tiro no meio da cara pra aprender a respeitar a fé alheia. Bem feito pra eles, e assunto encerrado. Tendeu, mano.

                                      Mas atenção: SÓ os muçulmanos podem matar – e quanto mais terroristas, quanto mais assassinos, quanto mais sanguinários, mais amigos serão dos stalimaoístas. Como esquecer que Dilma pediu “diálogo” com os terroristas do Exército Islâmico, que degolam crianças e estupram idosas, mas se disse “indignada e estarrecida” com a execução dos traficantes brasileiros na Indonésia?

                                      Pois bem, então a regra é respeitar religiões, sob pena de se validar a execução sumária de que atentar contra ela… mas só se for religião muçulmana. Pra desrespeitar os cristãos, eles têm apoio e dinheiro público, com patrocínio explícito das estatais. Exagero? Não mesmo.

                                      Na parada gay de domingo passado, em São Paulo, havia uma jovem (ou transexual, não se sabe ao certo, e não é piada), com os seios nus, simulando a crucifixão de Cristo. Para os stalimaoístas, foi apenas uma normalíssima expressão de liberdade. E quem disser o contrário é preconceituoso, sexista, pertence à direita assassina, ao capitalismo selvagem, e demais besteiras-prontas usadas como grito de guerra por quem finge lutar por direitos fazendo-se de vítima. Detalhe comum nesse vitimismo partidário: Esses corajosos defensores da liberdade que levaram uma “crista” seminua na cruz tiveram patrocínio da Prefeitura de São Paulo, Caixa Econômica Federal e Petrobrás… entidades dominadas adivinhem por quem?

                                      Antes que os oligofrênicos de sempre se revoltem e agridam com os usuais xingamentos e pragas, vamos esclarecer umas coisas: Não está certo discriminar gays, nem ameaçar a jovem que representou Cristo. É errado, é crime, e ponto final. Mas é espantoso lembrar que os stalimaoístas acham justificável a execução sumária de quem satiriza uma religião, enquanto financiam pessoas para agredir outra – e com dinheiro público!

                                      Essa insanidade não reside somente no campo religioso, mas em qualquer outro onde se apresente esse antagonismo anacrônico, como na discussão da pena de morte: Stalimaoístas defendem a pena de morte, desde que eles mesmo matem. Se o carrasco não usar vermelho, nem foice ou martelo, aí é assassino mesmo.

                                      Lembram do caso dos traficantes brasileiros executados na Indonésia? Pois é. Dilma ficou “estarrecida”, convocou nosso embaixador e recusou-se receber o deles, fez discursos, protestos, notas diplomáticas, embargo econômico parcial, o diabo. Mas ignorou os dois brasileiros assassinados na Venezuela sobre a acusação de tráfico de drogas. No fim de maio, a Força Aérea venezuelana abateu um avião com dois tripulantes brasileiros, Fernando César Silva da Graça, 29 anos, e Klender Hideo de Paula Ida, 24. Os dois amazonenses foram abatidos e mortos em pleno vôo, sem que nada se provasse, sem o menor indício. A ditadura de Maduro assim decidiu e ponto final. Mas sobre essas duas mortes Dilma não disse nada, não se “estarreceu”; também se calaram todos os sem-alguma-coisa e os agitadores de sempre. Direitos humanos? Nem pensar. Para esses dois mortos, sumiram todas as Marias-do-Rosário; porque se o companheiro Maduro matou, eles mereceram. Se fosse a Força Aérea americana, nem a múmia de Lênin poderia imaginar o que ia ter de passeata, berreiro, vandalismo e bandeira queimando. E o pessoal dos direitos humanos ia brotar de todas as catacumbas nas quais se ocultam na hora mais necessária.

                                      Companheiro matando é justiçamento, nunca assassinato. Mas se a Lei é cumprida e o réu é companheiro… sai de baixo, Caronte. E espere pelo exército de Stédile, como evocou Lula, o “pobre trabalhador” que coleciona milhões como nós colecionamos aumentos na conta de luz.

                                      Coerência? Nunca. É como ver o deputado Jean Wyllys numa foto que ele mesmo postou numa rede social, fantasiado de Che Guevara, homenageando o próprio. Ele, gay assumidérrimo, sabe muito bem qual seria seu futuro nas mãos do Che, que abominava homossexuais e queria a internação deles em campos de trabalhos forçados – quando não a mesma execução sumária que “mereceram” os cartunistas franceses.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes