Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo

Bruno Garschagen - Ciência Política -

O que fazer quando a polícia cruza os braços e você se encontra desarmado diante de bandidos armados?

Escrevo este artigo sob o impacto dos dias de terror e violência aqui no Espírito Santo, onde resido. A sensação de impotência é excruciante. O que fazer quando a polícia cruza os braços e você se encontra desarmado diante de bandidos armados? Foi igualmente perturbador testemunhar os policiais militares assistindo a tudo de camarote e saber que o contingente do Exército no Espírito Santo estava impedido por lei de, imediatamente, restabelecer a lei e a ordem. Nunca apelei tanto ao Pai-Nosso e à Ave-Maria.

Três dias foi o intervalo entre o pedido do governador do Espírito Santo, a determinação do presidente da República, a ordem do ministro da Defesa e a atuação das Forças Armadas. Três dias de terror que assustaram até um iraquiano que é comerciante em Vitória e disse que pensa em voltar para o seu país. Bagdá, para ele, está mais segura que aqui.

Não tenho dúvida de que as consequências da paralisação da PM só não foram mais graves porque a Guarda Municipal (GM) de cidades como Vila Velha e Cachoeiro de Itapemirim agiu corajosamente e porque parte da sociedade reagiu, com arma e sem arma. Dias atrás, um carro da GM escoltado por dois guardas a pé passou devagar pela rua onde moro. Do sistema de som do carro, um deles tentava tranquilizar os moradores, que aplaudiram e assoviaram num misto de apoio e alívio. Mesmo com pequena estrutura e falta de treinamento específico para lidar em situações como essa, os guardas municipais foram valiosos num momento crítico.
No caso da reação civil, fui testemunha e confirmei muitas histórias que ouvi, ocorridas em várias cidades capixabas, de pessoas que reagiram e botaram bandidos para correr ou que conseguiram imobilizá-los. Houve casos de moradores que, durante a reação, exageraram no cavalheirismo e provocaram algumas escoriações mais ou menos graves nos criminosos.

A reação de parte da sociedade capixaba só aconteceu, creio, porque, graças ao bom Deus, a mentalidade desarmamentista não resultou plenamente aqui no estado. Muita gente ainda tem arma de fogo em casa. E mesmo aqueles que não a têm manifestaram uma coragem admirável.

Foi bonito ver as pessoas se organizarem para fazer patrulha nas ruas, em casas, em condomínios, no comércio, com o fito de protegerem-se uns aos outros. A mentalidade que fundamenta o Estatuto do Desarmamento não foi capaz de fragilizar uma sociedade à mercê dos bandidos e de pessoas que aderiram aos saques criminosos nas lojas. Indivíduos que assim confirmaram a observação do Conselheiro Aires em Esaú e Jacó, de Machado de Assis: “não é a ocasião que faz o ladrão; A ocasião faz o furto; o ladrão nasce feito”.

Sim, a maioria dos capixabas está desarmada e ficou completamente desamparada. São pessoas que, decerto, acreditaram na ilusão vendida pelos defensores do Estatuto do Desarmamento. E que descobriram de maneira dramática que, na ausência da PM, a bandidagem faz a festa porque sabe que não há gente armada em número suficiente para ajudar todo mundo que precisou (e precisa) de ajuda. Que o diga quem mora nas periferias.

O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos três temas fundamentais para a segurança da sociedade: a valorização efetiva da Polícia Militar, o que evitaria paralisações como essa; a necessidade de se ter uma nova Guarda Municipal preparada para agir prontamente em casos de necessidade; e a facilitação do registro, do porte e da compra de arma para o cidadão que deseja tê-la como instrumento de proteção.

A relação do capixaba com a PM não será a mesma e cada vez mais pessoas terão arma em casa. O Estatuto do Desarmamento falhou miseravelmente em mais um grande teste: o da realidade da vida cotidiana no Brasil.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen