Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

O que pensa esse senhor?

O que pensa esse senhor?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Imagine um político profissional, que passou por sete partidos, mas acusa de traidor quem troca uma única vez. Um sujeito que alega ter sido professor na famosa universidade americana de Harvard, mas se expressa num inglês de provocar risos; que diz ser professor de Direito, mas afirmou que se for procurado pela polícia federal, vai “recebê-la à bala”. Que afirma ser de esquerda (ou de centro esquerda, dependendo da conveniência) mas principiou a política como membro ativo do velho PDS, partido de situação no fim do governo militar. Um senhor que ofende Fernando Henrique Cardoso, mas foi seu colega íntimo de partido e ministro de Itamar Franco na implantação do Plano Real. Um cidadão que xinga e menospreza Lula, mas vive dedicando-lhe a dança do acasalamento na tentativa de atrair seus eleitores desgarrados. Também concorreu com o petista na campanha presidencial de 2002, tratando-o como um completo despreparado e, se eleito, ia pôr fogo no Brasil. Acabou aliado dele no segundo turno, cheio de sorrisos, tornando-se seu querido ministro, defendendo-o com unhas e dentes.

Menciona sempre a defesa de um tal “estado democrático de direito”, expressão fácil em bocas que desconhecem seu significado (“republicano” também, pelamor), mas sugeriu que se Lula tivesse a prisão decretada, ele próprio sequestraria o petista, levando-o a salvo para alguma embaixada “amiga” (bolivariana, claro). Alega ser expert em economia, mas acredita que o caos em vigor na Venezuela é praticamente uma coisinha fácil de consertar, e a culpa não é do demente ditador Maduro, mas sim dos americanos. Diz-se muito moderno, porém continua a entoar essa cantilena antiamericana já ultrapassada nos anos 50 (e a tal estória de Harvard?).

Ofende a todo momento o bravo povo paulista, classificando-nos como “oligarcas” e outras pérolas, mesmo sendo um dos tais “oligarcas”, nascido em Pindamonhangaba. Comporta-se como um coronelzinho do agreste no início do século XX, agredindo pessoas em ambientes públicos (certa vez despencou nas pesquisas por chamar um eleitor de “burro”). Entoa odes à modernidade e ao bom comportamento enquanto dispara palavrões no varejo e no atacado, xinga quem lhe dá na telha, distribui tapas, rebaixa mulheres e homossexuais de forma brutal, e se alguém questiona seu destempero, pode esperar alguma grosseria certeira em lugar de resposta.

Diz também defender as minorias, mas chamou o vereador da capital paulista Fernando Holiday de “capitãozinho do mato”, por ser negro e ousar discordar do onisciente Ciro Gomes, tão cheio de si quanto seu homônimo persa. Esses fatos são facilmente encontrados através dos mecanismos de busca na internet, tais como:

Sim, esse é Ciro Gomes, em poucas palavras (muitas de baixo calão). O homem que alega saber tudo, resolver tudo, sendo o melhor candidato a qualquer cargo, principalmente à presidência da República – e ai de quem discordar! Se desmentido com provas, imagens e gravações, fica furioso; só ele tem razão e sua versão é a única a valer. A última contada, obviamente. E não se atrevam a lembrá-lo das anteriores, totalmente diferentes. Muda de ideia como muda de camisa e de partido, mas garante que nunca faz isso. É uma incoerência ambulante e violenta.

Quando governador do Ceará (1991-1994) fez uma boa administração, embora sempre derrapando na arrogância e na bocarra indomável. Critica seus adversários por acenderem uma vela para Deus e outra para o diabo, enquanto ele mesmo acende umas 17, para o capiroto e quem mais queira aproveitar – basta lembrar que chamou ACM Neto de anão moral e agora pede votos a ele e ao DEM, partido que classifica como fascista. Pois é. Pra afogado, até crocodilo é tronco; mesmo para os afogados arrogantes.

A eleição presidencial deste ano tem tudo pra ser uma lástima. E pode ser ainda pior: uma briga de foice na qual o populismo será a foice e nosso pescoço o alvo. Haja Pantoprazol.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes