Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

657 – Brumadinho e a Challenger
657 – Brumadinho e a Challenger
A tragédia da explosão da Challenger em 1986 marcou ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

LíderCast 141 – Ronaldo Lira
LíderCast 141 – Ronaldo Lira
Procurador do Ministério Público do Trabalho, uma ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade
Henrique Szklo
O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

A abundante mente semanal
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: https://youtu.be/hHzgP5sqbjM LIVE COMPLETA: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157193323018631/   Quer fazer? Me mande um zap: 21-996086422. R$ 200,00 ...

Ver mais

Luciano Pires, o cara que chegou ao meiostream
Carlos Nepomuceno
RESUMO: “ Podcast não tem ouvinte. Podcast tem torcida”!!! – Luciano Pires. Tive o prazer de conversar ontem por mais de uma hora com o criativo Luciano Pires, coordenador do projeto Café Brasil, ...

Ver mais

Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Ajudando a compreender o cenário político brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

Cafezinho 157 – Papo de bêbado 2
Cafezinho 157 – Papo de bêbado 2
Se eu fosse o Bolsonaro, nestes primeiros 100 dias ...

Ver mais

O que nos resta então?

O que nos resta então?

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Qual é a causa profunda desta situação na qual tanto a direita quanto a esquerda perderam a capacidade de compreender o outro? Em outras palavras: por que as elites políticas não mais são capazes de acessar o mundo do brasileiro trabalhador?

Para mim, amigos, a resposta está, em primeiro lugar, na falência do sistema educacional brasileiro. Essa falência foi causada, em parte, pela desastrosa reforma educacional estabelecida pelos militares em 1971, que aboliu de vez o ensino clássico, tornando compulsório, no segundo grau, o ensino “para o trabalho” em todas as escolas públicas e particulares. Como conseqüência dessa reforma, as gerações formadas no Brasil após os anos 70, independentemente da formação acadêmica que alcançam – do fundamental ao pós-doutorado –, podem vir a ser escolarizadas, mas não se tornam cultas; podem ser instruídas, mas não são refinadas. E é o refinamento humanista que torna possível ouvir e compreender as palavras da diferença e, com elas, enriquecer o seu próprio mundo.

Em suma: faltou, e falta, às lideranças políticas, econômicas e administrativas do país uma educação humanista. A substituição do ensino clássico – e do científico – pelo ensino profissionalizante tornou-nos todos incompetentes para a percepção das representações e dos valores do povo. Tornou-nos ineptos para a leitura da nossa conjuntura histórica. Impossibilitou-nos o exercício de incorporação, em nosso mundo, do mundo alheio.

* * *

Como é possível então adquirir, numa situação de desastre educacional como a nossa, a capacidade de visitar os outros mundos? Eu acredito que existam dois caminhos.

O primeiro caminho é a experiência de vida. Mas para percorrer esse caminho é preciso viver uma vida inteira. E, sinto muito, esse caminho está interditado às nossas elites. Nossas lideranças não sabem como vive um um brasileiro comum. Não têm a experiência de chegar ao fim do mês sem dinheiro para comprar café e pão. De ficar devendo à escola das crianças, a familiares, ao senhorio. Jamais conhecerão o olhar decepcionado, mas cheio de esperança, da criança que perdoa a ausência do presente e, em vez de ser consolada, consola: “tudo bem, não tem problema, no ano que vem, né?…”. Nossas lideranças não imaginam a impotência muda que se tem ao olhar para as crianças sabendo que não há um futuro melhor para elas, porque não dá nem para pagar um cursinho de inglês. As elites políticas, econômicas e administrativas do Brasil nunca passaram por isso. É preciso ter sido pobre no Brasil para que se possa ter a experiência de ser realmente brasileiro, para que se possa compreender a vida e os valores do homem comum no Brasil.

Mas existe um segundo caminho. Um atalho. Esse atalho para que se possa ir ao mundo do outro é a literatura, é a cultura humanista. Você nunca foi pobre, mas quer saber como pensa e sente quem vive na pobreza? Leia a grande literatura. Leia Dostoiévski. Leia Eça. Leia Guimarães Rosa. A literatura nos ensina a ver com os olhos do outro, a pensar com as idéias do outro, a viver uma outra vida que seria impossível para nós.

Contudo, além da falta de experiência da vida do brasileiro, as nossas elites são absolutamente iletradas. Essa é a conseqüência funesta da nossa derrocada educacional. A substituição do ensino clássico pelo ensino profissionalizante agora cobra seu preço: após quarenta anos, chegam ao poder elites políticas que não compreendem a dinâmica do nosso momento histórico – elites incapazes de acessar, dentro de si, a representação de mundo do povo que governam.

* * *

O que nos resta então?

Não podemos saber o que nos aguarda. Contudo, nossa insegurança não nos exime da nossa primeira responsabilidade humana: o dever da comunicação. E, sobretudo, a comunicação com aqueles que pensam de modo diferente de nós. Para que possamos nos comunicar, todavia, é preciso exercitar a sensibilidade humanista. É preciso ler Cervantes, é preciso ler Machado e Pessoa. É preciso aprender a encontrar o Outro dentro de si, para que se possa sair de si e ir ao Outro. É preciso aprender a escutar, porque a escuta atenta do outro é o primeiro cuidado com um inevitável companheiro de uma jornada em que buscamos – todos – a nossa terra prometida. Afinal, compartilhamos um destino em comum. Diante de nós está o mesmo mar, sobre nós está o mesmo céu, e somos alimentados pelo mesmo chão. Somos, enfim, o Mesmo.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche