Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

O oitavo círculo

O oitavo círculo

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima das dimensões previstas no código de trânsito. Em vez de acionar o judiciário, achei melhor explicar o caso ao chefe do departamento, para que ele, ao menos, adequasse os obstáculos à lei. Foi o que fiz, e ele, candidamente, disse que não dava. Argumentei que não era caso de “dar ou não dar”; era a lei, e tinha de ser seguida. A resposta do sujeito, demonstrando um misto de saco cheio misturado com aquele arzinho de superioridade de quem diz o óbvio ululante, foi: “Mas o senhor quer que a gente siga a lei sempre? Dá não, dotô.”

Pois é; o próprio Lula, ex-presidente da República, disse certa vez que “há leis que pegam e leis que não pegam”. Os cínicos o defenderam, alegando que isso é normal no Brasil. Não é, e o problema vem da má execução da lei e seus mecanismos de cumprimento, burocráticos e afastados da realidade; mas o pior de tudo é o chefe do Executivo (justo o poder encarregado de respeitar e executar as leis) dizer isso no exterior, como se fosse a coisa mais sábia do mundo.

Que há leis “preferidas” pelas maiorias travestidas de minorias ou pelos poderosos não há dúvida, como a lei antitabaco ou as “leis” que garantem auxílio-moradia (entre outros “auxílios” e benesses) a muitos juízes, promotores, deputados, senadores e demais cidadãos de primeira categoria, em detrimento dos milhões de plebeus abaixo deles – a ninguenzada que, em primeira ou última análise, é chefe desses perdulários do dinheiro público, pagando-lhes régios salários e mordomias inacreditáveis. Mas isso é papo pra outro barril.

Há receios de um terceiro tipo de lei no Brasil, fora esses que ‘pegam ou não pegam”, segundo a lulada: As que pegam, mas lulistas não gostam e não querem mais deixar pegar. Olha só que bacana. Trocando em miúdos, lei boa é a que eles gostam. E fim de papo.

A lei da ficha limpa foi um dos grandes avanços do País. Impede que gente condenada pela justiça em segunda instância use sua lábia e nosso dinheiro para enganar eleitores ingênuos ou desinformados para continuar cometendo os mesmos ilícitos pelos quais foram apenados. Uma lei lógica, sem mistérios, nascida da vontade popular, numa iniciativa que juntou mais de 1,6 milhão de assinaturas. O dispositivo legal passou pelo Congresso e acabou sancionado pelo próprio Lula em 2010, com festa e foguetes, contando com apoio entusiasmado de sua turma. Essa gente bradava que “bandido não pode ser candidato” e a nova lei impediria seus adversários de roubar e enganar o povo. Eles, puros, probos, honestíssimos e ilibados, seriam os melhores candidatos, os únicos dignos, evidentemente; todos os demais seriam candidatos à cadeia, somente.

Deu no que deu; a justiça finalmente pegou Lula com a lei sancionada e festejada por ele mesmo, e qual não foi a reação de seus seguidores? Sindrômica: Uns desejam a lei simplesmente revogada. Outros, olimpicamente ignorada; e outros defendem candidamente que para Lula a lei não vale, pois o demiurgo estaria bem colocado nas pesquisas de intenção de voto. Resumindo, a lei não poderia atingi-lo, vestido com colete à prova de justiça, costurado pelo soviete supremo do inferno, em sua matriz estabelecida no Oitavo Círculo, onde são abrigados “calorosamente” os fraudadores, segundo Dante Alighieri no clássico A Divina Comédia.

Motivos para essa insanidade toda: Não há. O messias cubânico é intocável para mortais comuns. Para ele, só valem leis que lhes agradem; as demais são apenas fumaça ao vento – a não ser em prejuízo de seus inimigos, mesmo que sejam apenas amigos úteis para as hora do aperto, né, Paulo Maluf? Né, Geddel Vieira Lima?

Seu arremedo de argumento é somente sua vontade imperial, e sua “justiça” são os (alegados) potenciais eleitores; não importa o que os tribunais decidam, desde que as pesquisas inflem Lula, mesmo artificialmente, cumpanhêra Datafolha. Não é à toa que se baseiam ideologicamente numa fantasia de extrema esquerda, que promete o paraíso mas só consegue entregar o inferno. De preferência, para seus futuros vizinhos no oitavo círculo. Stalin que o diga e Hugo Chávez não desminta.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes