Iscas Intelectuais
A fábrica de conteúdo
A fábrica de conteúdo
A Confraria Café Brasil dá um passo adiante e começa a ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo
Um jeito de ver o mundo
Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta explicar o ...

Ver mais

LíderCast 5
LíderCast 5
Acabamos de lançar a Temporada 5 do podcast LíderCast, ...

Ver mais

O padrão
O padrão
Isca intelectual de Luciano Pires demonstrando que ...

Ver mais

553 – Exponential Talks
553 – Exponential Talks
Podcast Café Brasil 553 - Exponential Talks - Luciano ...

Ver mais

552 – LíderCast 5
552 – LíderCast 5
Podcast Café Brasil 552 - LíderCast 5 . Este programa ...

Ver mais

999 – Hotel Califórnia
999 – Hotel Califórnia
Podcast Café Brasil - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

551 – Todo mundo é deficiente
551 – Todo mundo é deficiente
Podcast Café Brasil 551 - Todo mundo é deficiente. ...

Ver mais

LíderCast 061 – Flavio Azm
LíderCast 061 – Flavio Azm
Hoje recebemos Flavio Azm que é cineasta, mas é muito ...

Ver mais

LíderCast 060 – Raiam Santos
LíderCast 060 – Raiam Santos
Hoje recebo Raiam Santos, um jovem brasileiro que não ...

Ver mais

LíderCast 059 – Geraldo Rufino
LíderCast 059 – Geraldo Rufino
Hoje recebemos Geraldo Rufino um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
Hoje recebemos Marcelo Wajchenberg, que é médico ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Diferentes olhares
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Diferentes olhares Metade cheia e metade vazia do copo “Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava ...

Ver mais

Não contrate um comunista
Raiam Santos
Só com esse título, já deve ter gente se coçando para buscar meu CPF e tentar me processar por incitação ao ódio e preconceito. Calma, meus amigos! Sou o tipo do cara que odeia discutir política, ...

Ver mais

Carta aberta aos podcasters
Mauro Segura
Transformação
Por que os podcasts não crescem como negócio no Brasil? A resposta pode estar nessa carta aberta de Mauro Segura para os podcasters.

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garshagen. No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes ...

Ver mais

O mito da solidão

O mito da solidão

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

“Nunca fui como todos/ Nunca tive muitos amigos

Nunca fui favorita/ Nunca fui o que meus pais queriam

Nunca tive alguém que amasse/ Mas tive somente a mim

A minha absoluta verdade/ Meu verdadeiro pensamento

O meu conforto nas horas de sofrimento/ Não vivo sozinha porque gosto

E sim porque aprendi a ser só” (Florbela-Espanca- Solidão)

Nestes 20 anos atuando como analista e psicólogo clinico, tenho notado uma crescente queixa em consultório sobre solidão. Tem sido rotineiro, comum ver que as pessoas reclamam cada dia mais da solidão, da dificuldade de ter vínculos, de estabelecer novas amizades, de criar laços afetivos. O dito por Vinicius de Moraes “mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão”, foi esquecido.

O primeiro grande fator que colabora com essa solidão é a timidez, que oculta por trás da personalidade o orgulho e a vaidade, o extremo da auto-importância, a cobrança exacerbada no que os outros vão pensar. Todo tímido sofre por antecipar a cobrança alheia, por ser perfeccionista. O pensamento: “A solidão é a sorte de todos os espíritos excepcionais”, proposto por  Arthur Schopenhauer exprime bem a temática.

O segundo fator de solidão hoje está nas pessoas que têm bom senso e/ou uma capacidade intelectual avançada. Ser racional em uma sociedade hedônica é extremamente complicado, principalmente se a inteligência é usada contra o próprio indivíduo que se isola em uma autocobrança. Pensar no meio do senso comum dói, especialmente no ápice de nossa educação bancária e de todo analfabetismo funcional. Ironicamente poderíamos citar Aristóteles: “O homem solitário é uma besta ou um deus!”

O terceiro fator liga-se diretamente a algumas doenças mentais, como a depressão, a distimia, o transtorno bipolar, a esquizofrenia, o pânico, patologias que tornam o isolamento inevitável, sobretudo quando não tratadas. A ruptura da consciência e da identidade é o descrito pela escritora Clarice Lispector: “E ninguém é eu, e ninguém é você. Esta é a solidão”.

Por último a solidão aparece especialmente quando existem problemas na estrutura da personalidade mais severos, como o egoísmo, a apatia, a falta de percepção do outro e de suas necessidades, a ruptura com vínculos sociais em um ciclo hedônico de vida, no qual muitos partem para um estado agressivo e de falta de educação, que demarca as grandes rupturas.

Todavia nada desses fatores é mais forte que a ilusão de se estar sozinho. O sentimento de autocomiseração, de autopiedade, o sentir-se o coitado dos coitados, como o descrito por Cecília Meireles em “Da solidão”. O abandono interior do amor próprio na busca de colo e conforto. Solidão é viver de mal com o mundo.

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima