Iscas Intelectuais
O Irlandês
O Irlandês
O Irlandês é um PUTA filme, para ser degustado. Se você ...

Ver mais

Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

695 – Fake news, mentira e crime
695 – Fake news, mentira e crime
Seguindo a série sobre influenciadores e manipuladores, ...

Ver mais

Café Brasil 694 – Maus Professores – Revisitado
Café Brasil 694 – Maus Professores – Revisitado
Você é dos que acham que o mundo vai de mal a pior nas ...

Ver mais

693 – O influencer e o manipulator
693 – O influencer e o manipulator
Existe uma disciplina chamada Psicologia Social, que é ...

Ver mais

692 – Jabustiça
692 – Jabustiça
Justiça... onde é que a gente encontra a justiça? Nos ...

Ver mais

LíderCast 180 – Marco Aurélio Mammute
LíderCast 180 – Marco Aurélio Mammute
Luciano Pires: Bom dia, boa tarde, boa noite. ...

Ver mais

LíderCast 179 – Varlei Xavier
LíderCast 179 – Varlei Xavier
Professor, que levou a figura do palhaço para a sala de ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Gente Vinil
Chiquinho Rodrigues
Usando a lente e a analogia do Veríssimo percebi que exite gente Long Playing, gente Compacto Simples, gente Cd, gente Vídeo laser e até gente Dvd. Não tem nada a ver com caráter! Também não tem ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Termos e Seus Equivalentes (parte 8)
Alexandre Gomes
Começo reforçando o que já comentei antes: PALAVRAS são símbolos criados para representar a realidade. Um TERMO é um CONCEITO comunicado através de um SÍMBOLO. No momento em que as PALAVRAS são ...

Ver mais

Números reveladores
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Números reveladores “Para aumentar a performance de um país, é preciso investir na base, pensar em políticas e estratégias para que os mais vulneráveis aprendam. Não adianta fazer com que ...

Ver mais

Petróleo e pedras
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem acompanha corridas – de carro ou moto – pelo mundo sabe que os veículos elétricos estão na moda; desde o motociclismo de alta performance até disputas dignas de Fórmula 1. Meu ...

Ver mais

Cafezinho 237 – O isentão
Cafezinho 237 – O isentão
Quando você não tem político de estimação é muito bom ...

Ver mais

Cafezinho 236 – Farinha Pouca
Cafezinho 236 – Farinha Pouca
Separe os temas importantes e urgentes para este ...

Ver mais

Cafezinho 235 – Pedrinha no Lago
Cafezinho 235 – Pedrinha no Lago
Pronto. Joguei mais uma.

Ver mais

Cafezinho 234 – Oportunismo Disciplinado
Cafezinho 234 – Oportunismo Disciplinado
Foi o “oportunismo disciplinado” que me transformou no ...

Ver mais

O exercício da perda

O exercício da perda

Tom Coelho - Sete Vidas -

“Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água.”
(Thomas Fuller)

 

Um dia você depara com a logomarca da empresa em que trabalha estampada numa página de revista, numa folha de jornal ou num outdoor. E seu rosto ganha contornos de um breve sorriso.

Passando em frente à companhia, você admira a imponência das instalações. A grade que delimita sua divisa, as amplas janelas envidraçadas, o uniforme do segurança que guarda a entrada.

Caminhando pelos corredores, você cruza com seus colegas, cumprimentando-os efusivamente. O cafezinho servido na copa tem aroma e sabor agradáveis. Você avista sua área de trabalho, contemplando desde o grampeador até o monitor que descansa sobre a mesa, passando pela cadeira com rodízios.

Todas estas imagens o remetem a bons momentos e a uma sensação de orgulho e prazer. Mas também de tristeza, porque você não mais trabalha lá…

Numa manhã ensolarada de domingo, você resolve organizar seus pertences. Malas, bolsas e armários são o alvo principal. Entre o abrir e fechar de gavetas, o remexer em caixas e envelopes amarelados pela ação do tempo, você encontra cartas e fotos da pessoa amada. Você relê estas cartas, observa as fotos e um filme de sua vida passa diante de seus olhos. Tomado pela emoção, seus olhos podem marejar.

Como se não bastasse, você pode ouvir uma canção. Música ao longe que não passa de mais uma composição entre tantas outras para a maioria das pessoas, mas que para você representa a ancoragem de um momento único, especial. Pode simbolizar o primeiro beijo, a primeira declaração de amor, a primeira noite juntos.

Todos estes objetos e sons fazem você viajar para dentro de si e sentir a graça da alegria e da felicidade. Uma sensação que somente o amor pleno pode nos proporcionar. Porém, emoções vividas outrora, porque você não mais está ao lado daquela pessoa.

Temos o hábito de praticar o que se poderia definir como “elogio à ingratidão”. Lutamos com tenacidade para alcançar nossas metas. Aceitamos privações, enfrentamos discórdias, declinamos de nossas mais fortes convicções, tudo para satisfazer a um desejo.

Agimos assim, seja para adentrar uma organização, seja para conquistar um coração. E vibramos muito com nosso êxito. No início, a empresa em que trabalhamos é a melhor dentre todas as demais. O ambiente é o mais favorável, as atividades são as mais adequadas, as oportunidades são as mais promissoras.

Analogamente, os amores que principiam são perfeitos. A atração é permanente e acolhedora, o diálogo é constante e engrandecedor.

Porém, a rotina fermenta o açúcar das relações. E transforma iniciativa em apatia, companheirismo em desprezo, generosidade em mesquinhez. Tanto fazemos que conseguimos o objetivo oposto ao que antes nos movia. Perdemos o emprego. Somos deixados pela pessoa amada.

Henri Becque dizia: “A liberdade e a saúde se assemelham: o verdadeiro valor só é dado quando as perdemos”. Acredito que este princípio seja ainda mais amplo…

Por isso, quero fazer-lhe um convite para praticar um novo tipo de exercício. Eu o chamo de “exercício da perda”. Trata-se de uma ginástica mental através da qual você passa a vislumbrar cenários, como quem estivesse numa partida de xadrez, imaginando o impacto de seus próximos movimentos em decorrência de suas escolhas, de suas decisões pessoais.

Não pretendo, com isso, incentivar a manutenção de relações medíocres. Há empresas nas quais não cabemos mais. Tornam-se pequenas para nossos propósitos, pé direito baixo fazendo-nos bater com a cabeça no teto. Há amores que se esgotam. Tornam-se protocolares, habituais, dispensáveis. Em ambos os casos, o melhor é um resoluto adeus.

Mas não se permita concluir deliberadamente que o fim chegou apenas porque o estímulo e o entusiasmo do início foram ofuscados pelas adversidades. Lembre-se sempre de que uma alegria destrói cem tristezas e de que a gratidão assegura a felicidade.

 

* Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de nove livros. E-mail: tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br, www.setevidas.com.br e www.zeroacidente.com.br.

Ver Todos os artigos de Tom Coelho