Iscas Intelectuais
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Complexo e outros males
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Uma das expressões que a esquerda (radical ou não) adora usar é o tal “complexo de vira-latas”. Essa gente não tem a menor ideia do que seja isso, nem de quem cunhou a expressão, mas a macaqueia ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Os impostos estão lá sim, altíssimos, exorbitantes, mas ...

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

O Encosto

O Encosto

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Ao ler Capitães de Areia de Jorge amado ali o encontramos. Encosto é a figura do malandro presente a qualquer região em subdesenvolvimento. O ser de orgulho, que se acha muito, o esperto, o mala, que sobrevive do esforço e trabalho alheio, um “parasita” que muito pouco faz pela vida em sociedade. Jorge Amado o tipificou em sua obra em vários nomes. O encosto está na Ópera do Malandro de Chico Buarque, aparece como personagem de João Ubaldo, é um tipinho recorrente da nossa cultura presentificado na imagem eterna do cunhado que não trabalha, não estuda e sobrevive atualmente de games, celulares e computador… Conhece leitor?

Encosto é outro nome que podemos dar ao ser que sobrevive na vagabundagem, o que não faz nada e pouco quer da vida. Ele está para além do simples preguiçoso que vive em letargia. Nosso encosto ao contrário, tem energia, mas a gasta em pensar formas de sobreviver sem esforço, preferencialmente  para subsistir por meio do trabalho alheio. Normalmente são pessoas extremamente orgulhosas, vaidosas, arrogantes, com nariz empinado, com poucos ou raros amigos, e com muita oratória, com ampla capacidade para enrolar, seduzir e encostar. São as pessoas que querem o carro importado de qualquer jeito e forma, e que vão passar a vida toda pensando uma forma de ter o referido bem, sem precisar pagar ou trabalhar.

Fruto de uma criação permissiva e de superproteção o encosto representa o filho(a) mimado criado com várias regalias nas quais papai, mamãe e a empregada fazem tudo. Na infância ele não tem obrigações, apenas mordomia e cresce sem arrumar sua cama, lavar louça, sem ter de arrumar sua própria bagunça, vivendo de regalias. O encosto está presente em todas as classes sociais sem distinção. Denota claramente a paralisia do subdesenvolvimento que amaldiçoa o trabalho e a evolução. “Para que o esforço se é possível conseguir algo melhor sem trabalho”, lema clássico de várias pessoas que hoje subsistem de bolsa miséria sem procurar meios para evoluir.O encosto é muito bom de oratória e de justificativas, tem decorado vários álibis e sabe boa parte da teoria do trauma de Freud de cor usando a como arma para justificar sua estagnação. A culpa de ser assim é de meu pai que gritou comigo quando tinha dois anos de idade. “Sou vítima da perversão social e do jogo do capital” bradam alguns que não saem do lugar. E assim na história de nossa cultura se agrupam, formam partidos, legislam, enfim fazem o diabo para criar meios de enriquecer as custas do trabalho alheio e dá-lhe mais um imposto pra pagar a reforma da piscina de sua nova casa.

Como parte da estrutura do Puer A Eternus são ao mesmo tempo odiosos e cativantes. Eles não têm problema, quem tem problema é quem convive e sofre da obrigação de ter de os carregarem… mas será que isto tem cura?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima