Iscas Intelectuais
O Irlandês
O Irlandês
O Irlandês é um PUTA filme, para ser degustado. Se você ...

Ver mais

Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Café Brasil 694 – Maus Professores – Revisitado
Café Brasil 694 – Maus Professores – Revisitado
Você é dos que acham que o mundo vai de mal a pior nas ...

Ver mais

693 – O influencer e o manipulator
693 – O influencer e o manipulator
Existe uma disciplina chamada Psicologia Social, que é ...

Ver mais

692 – Jabustiça
692 – Jabustiça
Justiça... onde é que a gente encontra a justiça? Nos ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

LíderCast 180 – Marco Aurélio Mammute
LíderCast 180 – Marco Aurélio Mammute
Luciano Pires: Bom dia, boa tarde, boa noite. ...

Ver mais

LíderCast 179 – Varlei Xavier
LíderCast 179 – Varlei Xavier
Professor, que levou a figura do palhaço para a sala de ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Números reveladores
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Números reveladores “Para aumentar a performance de um país, é preciso investir na base, pensar em políticas e estratégias para que os mais vulneráveis aprendam. Não adianta fazer com que ...

Ver mais

Petróleo e pedras
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem acompanha corridas – de carro ou moto – pelo mundo sabe que os veículos elétricos estão na moda; desde o motociclismo de alta performance até disputas dignas de Fórmula 1. Meu ...

Ver mais

A dubladora
Chiquinho Rodrigues
Eu e esta minha imensa boca estamos sempre nos metendo em grandes confusões simplesmente porque eu não penso antes de falar. Te conto: Tenho uma amiga que tem uma das profissões mais ingratas e ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Função da Gramática (parte 7)
Alexandre Gomes
A função fundamental da Gramática é ESTABELECER LEIS para RELACIONAR SÍMBOLOS de modo a expressar um PENSAMENTO. Uma frase expressa um pensamento de várias formas: numa declaração, numa pergunta, ...

Ver mais

Cafezinho 235 – Pedrinha no Lago
Cafezinho 235 – Pedrinha no Lago
Pronto. Joguei mais uma.

Ver mais

Cafezinho 234 – Oportunismo Disciplinado
Cafezinho 234 – Oportunismo Disciplinado
Foi o “oportunismo disciplinado” que me transformou no ...

Ver mais

Cafezinho 233 – Na raiz dos problemas
Cafezinho 233 – Na raiz dos problemas
"Época triste esta nossa, quando é mais fácil quebrar ...

Ver mais

Cafezinho 232 – Meu adversário
Cafezinho 232 – Meu adversário
O que nos define são os adversários que vencemos.

Ver mais

O efeito Dunning-Kruger

O efeito Dunning-Kruger

Jota Fagner - Origens do Brasil -

Conhece alguém que fala de assuntos que não domina com excesso de confiança? É o efeito Dunning-Kruger, aquele mesmo que está dando o tom dos debates políticos no Brasil e no mundo.

 

McArthur Wheeler tinha 44 anos quando resolveu assaltar um banco. Ele morava na cidade de Pittsburgh, no Estado da Pensilvânia. O ano era 1995. Seu plano era tão simples que lhe parecia estranho que ninguém tivesse pensado nisso antes. Tentemos acompanhar o raciocínio do nosso gênio do crime: O suco de limão pode ser utilizado para escrever cartas invisíveis, que só podem ser lidas quando aproximadas de uma fonte de calor. Sendo assim, é possív1401el passar esse mesmo suco de limão no rosto para ficar invisível.

Wheeler resolveu fazer um teste. Não iria invadir um banco sem ter certeza. Passou o suco de limão no rosto e tentou tirar uma foto de si mesmo usando uma máquina Polaroide. Não se sabe exatamente o que aconteceu, mas é possível que a acidez do limão tenha criado algum desconforto nos olhos e isso o impediu de ajustar corretamente a câmera. Ele acabou fotografando o teto, que era branco como a parede ao fundo. Ficou maravilhado, a fórmula do suco de limão havia funcionado. Ele estava invisível.

Acredite se quiser, mas o super vilão roubou dois bancos naquele dia, sem usar máscaras. As câmeras de segurança registraram seu rosto e ele foi preso algumas horas depois.

Quando David Dunning, professor de psicologia na Universidade de Cornell, leu a notícia, sua curiosidade foi estimulada. Como alguém pode ser tão estúpido? Como alguém pode desconhecer sua própria ignorância dessa forma?

Dunning convidou Justin Kruger, seu melhor aluno, para ajudá-lo numa pesquisa sobre o tema. Recrutaram um grupo de voluntários e desenvolveram um teste. Primeiro, o indivíduo era questionado sobre seus conhecimentos nas áreas de gramática, humor e raciocínio lógico. Logo depois ele realizava uma prova escrita para comprovar o quanto realmente sabia.

O resultado foi publicado num artigo do Journal of Personality and Social Psychology, em dezembro de 1999. O que os dois pesquisadores descobriram surpreendeu a todos. A turma que mais confiava em suas próprias habilidades e dizia dominar o assunto havia tirado as notas mais baixas. Aqueles que se mostravam um tanto inseguros, haviam conseguido as melhores notas. Quatro pontos importantes foram concluídos desse experimento: 1) os ignorantes não reconhecem sua própria ignorância; 2) os ignorantes têm dificuldade para reconhecer a expertise alheia; 3) os ignorantes não reconhecem o tamanho da sua ignorância; 4) se forem devidamente instruídos podem reconhecer sua ignorância anterior.

Em resumo, para poder avaliar suas limitações é preciso conhecer, ter dimensão do quanto o assunto é complicado. Aqueles que dominam bem determinada área costumam ser menos confiantes. Quem sabe muito pouco costuma se achar mais instruído do que realmente é.

O caso parece surreal. No entanto, preste atenção aos debates nas redes sociais. O efeito Dunning-Kruger dá o tom da conversa. É possível que você mesmo já tenha bancado a autoridade num assunto qualquer do qual conhecia muito pouco.

Certezas absolutas são sintomas de imaturidade e arrogância. Façamos um esforço de amadurecimento. Sei que não é fácil, mas só assim poderemos nos tornar mais tolerantes.

José Fagner Alves Santos

Ver Todos os artigos de Jota Fagner