Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
Mais um programa musical. E daqueles, cara. Você sabe ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
Professor, consultor, com vasta experiência no setor ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 82 – Paciência
Cafezinho 82 – Paciência
O que uma árvore frondosa precisa para se manter firme ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

O dólar e o X

O dólar e o X

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                    Sim, Albert Einstein estava certo mais uma vez, quando disse que só duas coisas não tinham limites: O universo e a estupidez humana – e não estava bem certo sobre o primeiro.

                                    Com a bancarrota brasileira, a economia em frangalhos, a inflação altíssima, o descalabro nas contas públicas, e todas as outras desgraças sindromicamente trazidas pelo lulismo, o resultado mais visível é a alta do dólar. Alta não, disparada.

                                    Mas como os lulistas vivem de ilusão, e não de fatos, resolveram botar a culpa no próprio; pululam experts de botequim pondo a culpa no dólar pela disparidade em relação à moeda brasileira. Ficou famosa uma senhora participante dessa facção (seita?) que afirmava, revoltada, que a culpa era toda dos EUA e do dólar, porque nossa economia estava “atrelada à moeda americana”. Deve ser o fantasma de Hugo Chávez soprando imbecilidade na orelha da lulista-economista-cubanista-fidelista.

                                    Na cabeça dessa simplista filhote (filhota?) de Gramsci, o dólar sobe por culpa dos americanos. Não, senhora. A culpa é nossa, que desvalorizamos o real. “Nossa” latu sensu, evidentemente. Outros efeitos da imundície lulista? Caímos de 7ª para 9ª economia do mundo, e nossa dívida interna quadruplicou. A externa (sim, ela existe) seguiu a desvalorização, aumentando 90%.

Não há nada “atrelado” ao dólar; essa moeda é uma referência, como a régua dividida em centímetros ou polegadas não altera o comprimento, nem a graduação do termômetro em Celsius ou Fahrenheit altera a temperatura. O real se esfarelou, não foi o dólar que se “valorizou” por pura maldade.

                                    A lulada conseguiu a proeza de desvalorizar o real em 53% APENAS neste ano. Uma imbecilidade digna de prêmio em hospício – ou presídio, dependendo do ponto de vista. Aliás, essa desvalorização acontece em geral, confrontando-se com as outras moedas do mundo, mesmo o cambaleante peso argentino. Não adianta tentar jogar a culpa nos outros, essa especialidade dos lulistas, que chamam de “fascista” qualquer um que discorde deles. São analfabetos não só em economia, mas também em história e política… e bons modos.

                                    Ah sim… falando em insanidade… e o X, então? Um primor de cretinice; transformaram a consoante cruzada em demência politicamente correta; a lulada “decidiu” que a flexão de gênero deve ser abolida na língua portuguesa. Traduzindo pro dialeto lulista: “Num pódi mais falá hómi nem muié; num podi ponhá mais eli i ela, nem deli i dela. É tudu xis.”Não, não é brincadeira. O politicamente correto, na verdade uma fórmula lulista/ gramscista/chavista/leninista que impede o pensamento, forçando a massificação do indivíduo, para que aja como manada domesticada (deixe de ser preguiçoso e vá ler 1984, de George Orwell).

                                    Exagero? Não mesmo. E a prova vem de um dos laboratórios de ensino lulista, o famoso Colégio Pedro II do Rio de Janeiro, que adotou a novilingua (confira no livro 1984) lulista, e a utiliza até em seus comunicados internos e impressos oficiais, como este abaixo e o que encabeça o texto:

O dolar e o X 24.9.15 imagem 2

                                    Essa besteira do politicamente correto começou como brincadeira, e depois como piada. Hoje é de um ridículo supremo, usado como arma para dissolver qualquer pensamento anti-gramscista. O que é ensinado no Brasil, para crianças indefesas, tentando estrangular qualquer pensamento livre ou individual, impedindo ideias próprias que fujam dessa cartilha escravizante, é motivo de gozação na Europa há mais de 30 anos, como no filme A vida de Brian, do genial grupo satírico britânico Monty Phyton: 

                                    A macroeconomia de botequim e o X da novilíngua lulista confirma o aforismo de Einstein… com uma boa ajuda da turma de Lula, o arrivista da ilusão. Dilma vai querer ser chamada de presidentx? E como se pronuncia isso? Será que novilingua baixa o dólar? Ou a dólar? Ou dólxr?

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes