Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

643 – Dominando a Civilidade
643 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

642 – A caverna de todos nós
642 – A caverna de todos nós
Olhe em volta, quanta gente precisando de ajuda, quanta ...

Ver mais

641 – O delito de ser livre
641 – O delito de ser livre
Na ofensiva contra a liberdade, fica cada vez mais ...

Ver mais

640 – O monumento à incompetência
640 – O monumento à incompetência
É muito fácil e confortável examinar o passado com os ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

LíderCast 135 – Thalis Antunes
LíderCast 135 – Thalis Antunes
Gestor de Conteúdo da Campus Party, que tinha tudo para ...

Ver mais

LíderCast 134 – Diego Porto Perez
LíderCast 134 – Diego Porto Perez
O elétrico Secretário de Esportes do Governo de ...

Ver mais

LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
Empreendedores que criam no grande ABC uma agência de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Como ser um Diabo da Tasmânia
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
​​​Como disse certa vez o ex-ministro Pedro Malan, no Brasil até o passado é incerto. Mas o futuro não – ao menos em um caso: Há plena certeza que o tecido social esgarçou e vai rasgar. ...

Ver mais

O mundo platônico e suas consequências
Carlos Nepomuceno
Live de terça O mundo platônico e suas consequências Live de terçaO mundo platônico e suas consequênciasTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O ...

Ver mais

O Trivium – uma introdução
Alexandre Gomes
As Sete Artes Liberais era a forma que os jovens eram preparados desde a Antiguidade até a alta Idade Média para educação superior. E a introdução nas Sete Artes era pelo Trivium, um método que ...

Ver mais

Live de terça – a liderança liberal
Carlos Nepomuceno
Live de terçaA liderança liberalTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O curso me ajudou a pensar o digital como meio e não fim". – JEAN ...

Ver mais

Cafezinho 134 – A Síndrome de Chico Buarque
Cafezinho 134 – A Síndrome de Chico Buarque
- Como é que um cara tão legal, tão sensível, tão ...

Ver mais

Cafezinho 133 – Rifa de CDs
Cafezinho 133 – Rifa de CDs
Uma forma de fazer uma corrente do bem, capaz de ...

Ver mais

Cafezinho 132 – Os cagonautas
Cafezinho 132 – Os cagonautas
Seu chefe é um cagonauta? Hummmm...tome cuidado, viu?

Ver mais

Cafezinho 131 – Compartilhe!
Cafezinho 131 – Compartilhe!
Seja a mídia que você quer ver no mundo

Ver mais

O caso é o caso

O caso é o caso

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Sobre a morte do assassino nojento, tudo já já foi dito; Fidel Castro foi tarde e deve estar devidamente instalado no caldeirão-suíte número 13, com aquecedor forte, decoração vermelha e vista pro trono do capeta – não mais a dizer. Idem sobre a “revolução” cubana de 1959, que trocou um ditador, Fulgêncio Batista, por outro muito pior. Chega disso tudo, pela obviedade e repetição .

Espantosa mesmo foi a cobertura da morte desse monstro. Ao menos no Brasil – sem excluir os indefectíveis comunas de sempre na França e Itália (Venezuela, Nicarágua, Bolívia e outras jecarias bolivarianas nem vale a pena mencionar).

Aqui, novidade foi a Rede Globo finalmente deixar de se referir àquele bandido como “presidente” ou “ex-presidente” de Cuba, passando a chamá-lo do que sempre foi: Ditador. E da mais antiga ditadura das Américas. Bom, sempre é um começo, uma pequena promessa de se usar a cabeça para pensar, não para usar boné do MST.

Deu pra rir um pouco com os “entendidos” em Cuba, invariavelmente “socialistas” (raramente alguém se diz “comunista”; é uma tática mais light de se fazer aceitar) de botequim, “artistas engajados” ou “intelectuais” auto-denominados. Taspariu, é de engasgar com essa gente.

Alguns, como Marcelo Rubens Paiva, partiram para o argumento “eu-já-fui-pra-Cuba-e-você-não-foi”. Ah, claro; como se isso desse a eles um diploma de especialistas, advogados dos irmãos Castro e donos da verdade. Paiva afirmou candidamente que “não viu” perseguição a gays, nem a dissidentes, e que, resumindo, é tudo um grande engano. Cuba é realmente um paraíso, gente. É tudo intriga da oposição.

Sobre a conhecida sorveteria Coppelia, em Havana, mais famosa pela fila quilométrica – no mínimo quatro horas em pé – do que pelo sorvete sofrível (apenas 3 sabores), filosofou que é absolutamente normal desidratar e sofrer de insolação por um simples sorvetinho, e que aconteceria “a mesma coisa” em São Paulo se todas as pessoas pudessem tomar sorvete na Brunella. Não, nunca aconteceria a mesma coisa, cidadão. Em poucos dias a Brunella abriria mais umas duzentas sorveterias, gerando mais empregos, mais arrecadação de impostos, mais conforto e, claro, mais sorvete, com tudo funcionando perfeitamente, servindo uns 700 sabores diferentes, sem dinheiro do governo, sem dependência ideológica e sem filas. Enfim, tudo o que você e seus colegas odeiam.

Luís Fernando Veríssimo vestiu a fantasia de sempre; tentou passar uma imagem de isento – como se fosse possível ser isento perante tamanha tirania sem ser absolutamente conivente com a ideia de que os fins justificam os meios. Patético. Aliás, é interessantíssimo como essa gente “justifica” os crimes de Fidel com a tal “educação e saúde” exemplares; primeiro, a educação e a saúde de Cuba são um lixo. Basta ver os “médicos” que vêm de lá e nem ao menos conhecem antibióticos ou posologias simples. Segundo, dá pra confiar em dados e estatísticas de uma ditadura quem não permite a entrada de nenhum organismo internacional para averiguar tais “sucessos”?

Por essa lógica perversa, toda a lulada deveria amar o ditador Augusto Pinochet. Afinal, em muito menos tempo de ditadura, matando muito menos gente, Pinochet fez do Chile o país mais rico, desenvolvido e culto da América Latina. Ah, mas aí não vale, porque não era uma ditadura comunista, claro. Morte, fome, tortura e privações só se justificam pelo marxismo-leninismo, camaradas. É uma espécie de ruindade positiva, ora vejam só.

Vale a pena ler jornalistas que abordam o tema para informar, e não agir como torcida organizada; jornalismo sério, e não bobagem travestida de fato, como fez Augusto Nunes ao relatar sua experiência com Fidel: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/a-ilha-presidio-ficou-sem-o-chefe-dos-carcereiros/

Idem para a visão insuperável de J R Guzzo, que expôs como ninguém o funcionamento dessas carpideiras do genocida: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/j-r-guzzo-um-mundo-morto/

Ao fim e ao cabo, resta só a hipocrisia da esquerda caviar, que adora Cuba… mas bem de longe. Preferem levar suas vidas mundanas em Paris mesmo, vivendo as delícias do capitalismo. Todo sujeito que defende o comunismo deveria ser condenado a viver nele. A isso se dá o nome de realidade na pele.

Não deseje para o pobre povo cubano o que não deseja para si, ok? Muito menos para nós, brasileiros. Vá sofrer na fila da Coppelia pra poder contar pros amigos depois, bebendo uísque 18 anos e desfrutando de alguma teta estatal sem fazer nada. Ô raça.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes