Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

622 – O Esfíncter Intelectual
622 – O Esfíncter Intelectual
Existe gente que não controla seu esfíncter intelectual ...

Ver mais

Café Brasil 621 – Orgulho de Ser Brasileiro
Café Brasil 621 – Orgulho de Ser Brasileiro
Em junho de 2018 realizamos o II Sarau Café Brasil, ...

Ver mais

Café Brasil 620 – Democracia, tolerância e censura
Café Brasil 620 – Democracia, tolerância e censura
"Se começarmos a cercar com paredes aquilo que alguns ...

Ver mais

619 – LíderCast 9
619 – LíderCast 9
Neste programa apresentamos os convidados da Temporada ...

Ver mais

LíderCast 116 – Roberto Motta
LíderCast 116 – Roberto Motta
Empreendedor, professor, engenheiro, mestre em gestão, ...

Ver mais

LíderCast 115 – Nailor Marques Jr
LíderCast 115 – Nailor Marques Jr
Professor, palestrante, uma das mentes mais divertidas ...

Ver mais

LíderCast 114 -Alexandre Ostrowiecki
LíderCast 114 -Alexandre Ostrowiecki
Empreendedor, com uma história incrível de como o ...

Ver mais

LíderCast 113 – Glaucimar Peticov
LíderCast 113 – Glaucimar Peticov
“Eu não tenho muros, só tenho horizontes” é a frase de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O elogio do vira-lata
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O elogio do vira-lata “Aquele que for somente um economista não tem condições de ser um bom economista, pois todos os nossos problemas tocam em questões de filosofia.” Friedrich von ...

Ver mais

É milagre, Crivella?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O Rio de Janeiro continua lindo Gil, e complicado; mais do que isso, espantoso. Não dá pra entender a razão pela qual os fluminenses elegem gente (latu sensu, ófi córsi) como Anthony Garotinho, ...

Ver mais

O despertador intelectual e a origem das ideias
Jota Fagner
Origens do Brasil
Possivelmente você teve uma pessoa que, em determinado momento de sua vida, acendeu a faísca da sua curiosidade sobre determinado assunto ou área do conhecimento. Talvez tenha sido mais de uma ...

Ver mais

Os caminhos para editar um livro
Isqueiro isqueiro
Muitas pessoas investem um tempo considerável colocando suas histórias e lições de forma escrita, para se perpetuarem na forma de livros. Mas, ao concluírem o texto, muitas vezes o guardam em ...

Ver mais

Cafezinho 90 – Armadura Emocional
Cafezinho 90 – Armadura Emocional
Você tem que ser capaz de gerenciar suas próprias ...

Ver mais

Cafezinho 89 – Manifesto
Cafezinho 89 – Manifesto
Quero um mundo melhor, igualzinho a você. Talvez ...

Ver mais

Cafezinho 88 – A Teoria da Ilusão Fiscal
Cafezinho 88 – A Teoria da Ilusão Fiscal
Não existem soluções novas. O que existe é ignorância velha.

Ver mais

Cafezinho 87 – O que consome seu tempo de vida
Cafezinho 87 – O que consome seu tempo de vida
Se você não avaliar cada processo que consome seu tempo ...

Ver mais

O caso é o caso

O caso é o caso

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Sobre a morte do assassino nojento, tudo já já foi dito; Fidel Castro foi tarde e deve estar devidamente instalado no caldeirão-suíte número 13, com aquecedor forte, decoração vermelha e vista pro trono do capeta – não mais a dizer. Idem sobre a “revolução” cubana de 1959, que trocou um ditador, Fulgêncio Batista, por outro muito pior. Chega disso tudo, pela obviedade e repetição .

Espantosa mesmo foi a cobertura da morte desse monstro. Ao menos no Brasil – sem excluir os indefectíveis comunas de sempre na França e Itália (Venezuela, Nicarágua, Bolívia e outras jecarias bolivarianas nem vale a pena mencionar).

Aqui, novidade foi a Rede Globo finalmente deixar de se referir àquele bandido como “presidente” ou “ex-presidente” de Cuba, passando a chamá-lo do que sempre foi: Ditador. E da mais antiga ditadura das Américas. Bom, sempre é um começo, uma pequena promessa de se usar a cabeça para pensar, não para usar boné do MST.

Deu pra rir um pouco com os “entendidos” em Cuba, invariavelmente “socialistas” (raramente alguém se diz “comunista”; é uma tática mais light de se fazer aceitar) de botequim, “artistas engajados” ou “intelectuais” auto-denominados. Taspariu, é de engasgar com essa gente.

Alguns, como Marcelo Rubens Paiva, partiram para o argumento “eu-já-fui-pra-Cuba-e-você-não-foi”. Ah, claro; como se isso desse a eles um diploma de especialistas, advogados dos irmãos Castro e donos da verdade. Paiva afirmou candidamente que “não viu” perseguição a gays, nem a dissidentes, e que, resumindo, é tudo um grande engano. Cuba é realmente um paraíso, gente. É tudo intriga da oposição.

Sobre a conhecida sorveteria Coppelia, em Havana, mais famosa pela fila quilométrica – no mínimo quatro horas em pé – do que pelo sorvete sofrível (apenas 3 sabores), filosofou que é absolutamente normal desidratar e sofrer de insolação por um simples sorvetinho, e que aconteceria “a mesma coisa” em São Paulo se todas as pessoas pudessem tomar sorvete na Brunella. Não, nunca aconteceria a mesma coisa, cidadão. Em poucos dias a Brunella abriria mais umas duzentas sorveterias, gerando mais empregos, mais arrecadação de impostos, mais conforto e, claro, mais sorvete, com tudo funcionando perfeitamente, servindo uns 700 sabores diferentes, sem dinheiro do governo, sem dependência ideológica e sem filas. Enfim, tudo o que você e seus colegas odeiam.

Luís Fernando Veríssimo vestiu a fantasia de sempre; tentou passar uma imagem de isento – como se fosse possível ser isento perante tamanha tirania sem ser absolutamente conivente com a ideia de que os fins justificam os meios. Patético. Aliás, é interessantíssimo como essa gente “justifica” os crimes de Fidel com a tal “educação e saúde” exemplares; primeiro, a educação e a saúde de Cuba são um lixo. Basta ver os “médicos” que vêm de lá e nem ao menos conhecem antibióticos ou posologias simples. Segundo, dá pra confiar em dados e estatísticas de uma ditadura quem não permite a entrada de nenhum organismo internacional para averiguar tais “sucessos”?

Por essa lógica perversa, toda a lulada deveria amar o ditador Augusto Pinochet. Afinal, em muito menos tempo de ditadura, matando muito menos gente, Pinochet fez do Chile o país mais rico, desenvolvido e culto da América Latina. Ah, mas aí não vale, porque não era uma ditadura comunista, claro. Morte, fome, tortura e privações só se justificam pelo marxismo-leninismo, camaradas. É uma espécie de ruindade positiva, ora vejam só.

Vale a pena ler jornalistas que abordam o tema para informar, e não agir como torcida organizada; jornalismo sério, e não bobagem travestida de fato, como fez Augusto Nunes ao relatar sua experiência com Fidel: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/a-ilha-presidio-ficou-sem-o-chefe-dos-carcereiros/

Idem para a visão insuperável de J R Guzzo, que expôs como ninguém o funcionamento dessas carpideiras do genocida: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/j-r-guzzo-um-mundo-morto/

Ao fim e ao cabo, resta só a hipocrisia da esquerda caviar, que adora Cuba… mas bem de longe. Preferem levar suas vidas mundanas em Paris mesmo, vivendo as delícias do capitalismo. Todo sujeito que defende o comunismo deveria ser condenado a viver nele. A isso se dá o nome de realidade na pele.

Não deseje para o pobre povo cubano o que não deseja para si, ok? Muito menos para nós, brasileiros. Vá sofrer na fila da Coppelia pra poder contar pros amigos depois, bebendo uísque 18 anos e desfrutando de alguma teta estatal sem fazer nada. Ô raça.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes