Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação

Bruno Garschagen - Ciência Política -
Em seu livro Os Bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi (Companhia das Letras), o historiador José Murilo de Carvalho tentou explicar as ações e reações dos moradores da então capital do país em três dimensões: envolvimento comunitário, desinteresse pela política e uma relação utilitária e submissa em relação ao Estado. Era “uma visão antes de súdito do que de cidadão, de quem se coloca como objeto da ação do Estado e não de quem se julga no direito de influenciar” (p. 147).

Em momentos de normalidade, ou seja, quando não havia crise, quem reclamava pelos jornais era “quase só pessoas de algum modo relacionadas com a burocracia do Estado (…), seja os próprios funcionários e operários, seja as vítimas dos funcionários, especialmente da polícia e dos fiscais” (p. 146).

O que acontecia entre uma crise e outra era, portanto, a aceitação quase passiva das decisões políticas. A população só se dava conta das consequências quando a conta tinha que ser paga.

O que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19. Os protestos de hoje em frente à Assembleia Legislativa mostram exatamente isso. Quando o governo estadual sob o comando do hoje presidiário Sérgio Cabral Filho agia de forma irresponsável, gastando a rodo, os servidores só reclamavam circunstancialmente por reajuste e os fluminenses quando não eram atendidos pelo governo. A fábula da Cidade Maravilhosa foi incorporada à política pelos políticos e por parte da população. Se Paris já foi uma festa, o Rio virou uma farra.

Uma explicação sobre como o político e o burocrata gastam o dinheiro de quem paga imposto é necessária para que as coisas fiquem claras. Até para que você não continue a achar que o dinheiro que o governo gasta não tem dono.

No livro Livre para Escolher (Editora Record), o casal de economistas Milton e Rose Friedman classificou o gasto de dinheiro em quatro categorias. As categorias 3 e 4 aplicam-se também ao caso do Rio.

O que diz a categoria 3? Quando alguém (governador e deputado estadual do Rio, por exemplo) gasta o dinheiro de outra pessoa com algo para ele não está preocupado com os gastos nem com o dono do dinheiro (população do Rio, por exemplo), apenas com ele próprio.

A categoria 4 ocorre quando alguém (governador e deputado estadual) gasta o dinheiro que não é dele com algo que é para outra pessoa (população do Rio). Em ambos os casos, segundo Friedman, não haverá preocupação com o gasto do dinheiro. “Os legisladores votam para gastar o dinheiro de terceiros. Os eleitores que elegem os legisladores estão votando, em certo sentido, para gastar seu próprio dinheiro com eles mesmos” ( Livre para Escolher , p. 179).

O que acontece na prática é que “os eleitores, assim como os legisladores, têm a tendência a achar que outra pessoa está pagando pelos programas a favor dos quais o legislador vota diretamente e que o eleitor vota indiretamente”. Uma vez aprovado o gasto, qualquer que seja, “os burocratas” também gastarão “o dinheiro de terceiros”. Por isso, “não é de admirar que a quantia gasta seja explosiva” e que haja “desperdício e ineficácia dos gastos” ( Livre para Escolher , p. 179).

Quando tudo parecia bem no Rio, os políticos gastavam, funcionários públicos e a população aceitavam (com lamentos pontuais). Quando a conta do governo não fechou e os servidores passaram a enfrentar o drama de não receber pagamento, o caldo entornou e a violência ganhou as ruas. O protesto violento de hoje é sinistramente compatível com a violação da responsabilidade (inclusive fiscal) cometida pelos políticos.

O caos no Rio de Janeiro é o típico caso onde não há inocentes: dos sucessivos governadores e deputados estaduais aos servidores e parte da sociedade, há culpados para dar e vender.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen