Iscas Intelectuais
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

661 – A teoria do valor subjetivo
661 – A teoria do valor subjetivo
O mercado é o resultado da interação entre milhões de ...

Ver mais

660 – Na esquina da sua casa
660 – Na esquina da sua casa
Não espere que o Estado se preocupe com o indivíduo. O ...

Ver mais

659 – Empreendedorismo no Palco
659 – Empreendedorismo no Palco
Muitos anos atrás, acho que uns 20, fui convidado para ...

Ver mais

658 – Chá com a gente
658 – Chá com a gente
Este programa reproduz a edição especial do Podcast Chá ...

Ver mais

LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
Empreendedor, que vem lá do nordeste para mudar a vida ...

Ver mais

LíderCast 148 – Bruno Busquet
LíderCast 148 – Bruno Busquet
CEO da Tupiniq,In Inside Out Agency e president do ...

Ver mais

LíderCast 147 – Sherlock Gomes
LíderCast 147 – Sherlock Gomes
Músico, um guitarrista e baixista excepcional cuja ...

Ver mais

LíderCast 146 – Cândido Pessoa
LíderCast 146 – Cândido Pessoa
Um intelectual, professor no Paradigma centro de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Os polirretos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quando a esperteza é muita, come o dono, já dizia Tancredo Neves (1910-1985). Em tempos do politicamente correto, a onda mais ridícula desde a modinha do ioiô ou, quem sabe, fotografar comida,  é ...

Ver mais

Paciência, adjetivos e o amigo do amigo do papai….
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157273773468631 LINKS DAS OUTRAS LIVES: ...

Ver mais

Criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade: indispensável, mas ainda desconhecida “Existe criatividade sem inovação, mas não existe inovação sem criatividade”. Bill Shephard Dois fatores levaram-me a escrever este breve ...

Ver mais

TRIVIUM: CAP.2 – AS DEZ CATEGORIAS DO SER (parte 6)
Alexandre Gomes
Eu tenho que ser sincero com você guria (ou velhinho…) esta parte do segundo capítulo será bem chata, pois iremos tratar de algo realmente formal e de certa forma, burocrático: as Dez ...

Ver mais

Cafezinho 170 – Os monstros da negatividade II
Cafezinho 170 – Os monstros da negatividade II
Os monstros da negatividade são incapazes de ver ...

Ver mais

Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Há silêncios e silêncios. Há o silêncio das pedras. Há ...

Ver mais

Cafezinho 168 – O que nos define
Cafezinho 168 – O que nos define
O que nos define são os adversários que vencemos.

Ver mais

Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra ...

Ver mais

O Brasil que um dia fomos nós      -A dissolução parte II-

O Brasil que um dia fomos nós -A dissolução parte II-

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

A finitude da noção de coletividade é a marca de nossa pós modernidade. Ouvindo noticiários, as pessoas falando nas ruas, nossos políticos, podemos perceber um distanciamento. Se no passado da década de 60 era natural o discurso de patriotismo, de se dizer com orgulho que o Brasil somos nós, na atualidade o território e a nação se tornaram uma entidade distante, quase que irreconhecível, a terceira pessoa, o estranho, um outro qualquer. Uma psicose que rompeu a identidade, os valores que engendra alienação e a ruptura de ideologia.

Como exemplo volto me novamente a nossa política. Na última eleição as promessas eleitorais e a visão dos políticos sobre nossa realidade no cenário estadual e nacional. Em ambos cenários vi candidatos majoritários falando de outro planeta de um mundo próspero, cheio de emprego, em que não existia recessão, em que a violência está controlada, sem dificuldade econômica, em que obras públicas são entregues e feitas em um tempo real, em que sobrava emprego. Um mundo em que não ocorria aumento de impostos, em que mal existia corrupção e problemas graves com relação a ideologia política. Dois meses após o pleito, com as urnas fechadas tudo volta ao normal e a realidade mostra se dura, ácida, cruel e totalmente diferente do que era o discurso de campanha. Mas por que tamanho antagonismo? Por que tantas pessoas comprando tais ideias e reelegendo a incompetência?  Na altura já percebia que o Brasil citado pelos políticos parecia com a Noruega, Dinamarca, Finlândia ou Alemanha. Era algo distante demais… outra realidade, equivocada de nosso mundo subdesenvolvido.

Da política ao uso coloquial não é raro observarmos que as pessoas falam de um Brasil que não enquadra o termo nós, o Eu como ser brasileiro. Outro dia dando uma palestra sobre nossa identidade questionei os alunos sobre sua naturalidade e nacionalidade.  Não raro entre as respostas ouvi que sou descendentes de italianos, de poloneses, de austríacos, quando questionava tal ascendência percebia que era um bisavô distante, um tataravô,  algo talvez entre 1885 e 1910. Resquícios da vergonha de ser brasileiro? Seguindo adiante percebia que vários alunos e colegas, os noticiários, os políticos ressoam esta identidade brasileira em terceira pessoa.

Psicologicamente tal feita perpassa por nossa sombra. Projetamos fora o que temos e não queremos assumir. Negamos que somos esta realidade subdesenvolvida que sofre de falta de educação, e que sub existe nas agruras de uma economia caduca. Sonhamos com o pote de ouro no fim de um arco ires enterrados na lama com duendes trapaceiros rindo da nossa inocência… e o que vai restar disto?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima