Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

636 – As duas éticas da eleição
636 – As duas éticas da eleição
Gravei um LíderCast da Temporada 11, que só vai ao ar ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial
Henrique Szklo
Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

O ENEM e a (anti-)educação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Nos dois últimos fins-de-semana, milhões de candidatos ao ensino superior realizaram as provas do ENEM. O vestibular é o telos do ensino fundamental e médio no Brasil. As escolas privadas assumem ...

Ver mais

Cafezinho 125 – O chute
Cafezinho 125 – O chute
Se o governador mentiu ou se enganou, peço desculpas ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

Cafezinho 122 – Vira a chave
Cafezinho 122 – Vira a chave
Mudar de assunto no calor dos acontecimentos é ...

Ver mais

O Brasil que um dia fomos nós      -A dissolução parte II-

O Brasil que um dia fomos nós -A dissolução parte II-

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

A finitude da noção de coletividade é a marca de nossa pós modernidade. Ouvindo noticiários, as pessoas falando nas ruas, nossos políticos, podemos perceber um distanciamento. Se no passado da década de 60 era natural o discurso de patriotismo, de se dizer com orgulho que o Brasil somos nós, na atualidade o território e a nação se tornaram uma entidade distante, quase que irreconhecível, a terceira pessoa, o estranho, um outro qualquer. Uma psicose que rompeu a identidade, os valores que engendra alienação e a ruptura de ideologia.

Como exemplo volto me novamente a nossa política. Na última eleição as promessas eleitorais e a visão dos políticos sobre nossa realidade no cenário estadual e nacional. Em ambos cenários vi candidatos majoritários falando de outro planeta de um mundo próspero, cheio de emprego, em que não existia recessão, em que a violência está controlada, sem dificuldade econômica, em que obras públicas são entregues e feitas em um tempo real, em que sobrava emprego. Um mundo em que não ocorria aumento de impostos, em que mal existia corrupção e problemas graves com relação a ideologia política. Dois meses após o pleito, com as urnas fechadas tudo volta ao normal e a realidade mostra se dura, ácida, cruel e totalmente diferente do que era o discurso de campanha. Mas por que tamanho antagonismo? Por que tantas pessoas comprando tais ideias e reelegendo a incompetência?  Na altura já percebia que o Brasil citado pelos políticos parecia com a Noruega, Dinamarca, Finlândia ou Alemanha. Era algo distante demais… outra realidade, equivocada de nosso mundo subdesenvolvido.

Da política ao uso coloquial não é raro observarmos que as pessoas falam de um Brasil que não enquadra o termo nós, o Eu como ser brasileiro. Outro dia dando uma palestra sobre nossa identidade questionei os alunos sobre sua naturalidade e nacionalidade.  Não raro entre as respostas ouvi que sou descendentes de italianos, de poloneses, de austríacos, quando questionava tal ascendência percebia que era um bisavô distante, um tataravô,  algo talvez entre 1885 e 1910. Resquícios da vergonha de ser brasileiro? Seguindo adiante percebia que vários alunos e colegas, os noticiários, os políticos ressoam esta identidade brasileira em terceira pessoa.

Psicologicamente tal feita perpassa por nossa sombra. Projetamos fora o que temos e não queremos assumir. Negamos que somos esta realidade subdesenvolvida que sofre de falta de educação, e que sub existe nas agruras de uma economia caduca. Sonhamos com o pote de ouro no fim de um arco ires enterrados na lama com duendes trapaceiros rindo da nossa inocência… e o que vai restar disto?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima