Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

593 – Chororô
593 – Chororô
Uma das reações mais lindas do ser humano tem sido ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Cafezinho 35 – Pocahontas
Cafezinho 35 – Pocahontas
Geração não é horóscopo. É contexto.

Ver mais

Cafezinho 34 – Os filtros
Cafezinho 34 – Os filtros
Filtre 2018. E faça dele um ano feliz.

Ver mais

O Brasil que um dia fomos nós      -A dissolução parte II-

O Brasil que um dia fomos nós -A dissolução parte II-

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

A finitude da noção de coletividade é a marca de nossa pós modernidade. Ouvindo noticiários, as pessoas falando nas ruas, nossos políticos, podemos perceber um distanciamento. Se no passado da década de 60 era natural o discurso de patriotismo, de se dizer com orgulho que o Brasil somos nós, na atualidade o território e a nação se tornaram uma entidade distante, quase que irreconhecível, a terceira pessoa, o estranho, um outro qualquer. Uma psicose que rompeu a identidade, os valores que engendra alienação e a ruptura de ideologia.

Como exemplo volto me novamente a nossa política. Na última eleição as promessas eleitorais e a visão dos políticos sobre nossa realidade no cenário estadual e nacional. Em ambos cenários vi candidatos majoritários falando de outro planeta de um mundo próspero, cheio de emprego, em que não existia recessão, em que a violência está controlada, sem dificuldade econômica, em que obras públicas são entregues e feitas em um tempo real, em que sobrava emprego. Um mundo em que não ocorria aumento de impostos, em que mal existia corrupção e problemas graves com relação a ideologia política. Dois meses após o pleito, com as urnas fechadas tudo volta ao normal e a realidade mostra se dura, ácida, cruel e totalmente diferente do que era o discurso de campanha. Mas por que tamanho antagonismo? Por que tantas pessoas comprando tais ideias e reelegendo a incompetência?  Na altura já percebia que o Brasil citado pelos políticos parecia com a Noruega, Dinamarca, Finlândia ou Alemanha. Era algo distante demais… outra realidade, equivocada de nosso mundo subdesenvolvido.

Da política ao uso coloquial não é raro observarmos que as pessoas falam de um Brasil que não enquadra o termo nós, o Eu como ser brasileiro. Outro dia dando uma palestra sobre nossa identidade questionei os alunos sobre sua naturalidade e nacionalidade.  Não raro entre as respostas ouvi que sou descendentes de italianos, de poloneses, de austríacos, quando questionava tal ascendência percebia que era um bisavô distante, um tataravô,  algo talvez entre 1885 e 1910. Resquícios da vergonha de ser brasileiro? Seguindo adiante percebia que vários alunos e colegas, os noticiários, os políticos ressoam esta identidade brasileira em terceira pessoa.

Psicologicamente tal feita perpassa por nossa sombra. Projetamos fora o que temos e não queremos assumir. Negamos que somos esta realidade subdesenvolvida que sofre de falta de educação, e que sub existe nas agruras de uma economia caduca. Sonhamos com o pote de ouro no fim de um arco ires enterrados na lama com duendes trapaceiros rindo da nossa inocência… e o que vai restar disto?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima