Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

O Brasil deu certo?

O Brasil deu certo?

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Nem otimismo exagerado, nem catastrofismo

“Não é possível que uma economia que fez com que a renda média
real da sociedade dobrasse em 17 anos esteja à beira do abismo,
mesmo que os resultados nos últimos três anos sejam decepcionantes.”
Luiz Carlos Mendonça de Barros

 

Na última semana de agosto, a Faculdade de Economia da FAAP, que está completando 40 anos, realizou a sua tradicional Semana da Economia, reunindo destacados nomes dos cenários econômico, político, empresarial e acadêmico.

Logo no primeiro dia do evento, alunos e professores tiveram oportunidade de assistir ao documentário O Brasil deu certo. E agora?, idealizado pelo ex-ministro Maílson da Nóbrega e dirigido por Louise Sottomaior.

No documentário, 3 ex-presidentes da República, 12 ex-ministros de Estado, 7 ex-presidentes do Banco Central, empresários e especialistas em finanças relatam a história da economia brasileira e refletem sobre o presente e o futuro do País.

Na sequência os presentes puderam debater por aproximadamente uma hora com o próprio Maílson da Nóbrega, com a moderação do Prof. Roberto Macedo, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda na gestão do ministro Marcílio Marques Moreira.

O documentário tem um título que estimula o debate ao conter a afirmação “O Brasil deu certo”. E isso ele consegue sem qualquer sombra de dúvida. Afinal, como diz o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso: “Deu certo mesmo? Isso depende do que cada um considera o que é dar certo”.

Poucos dias antes, na cerimônia de colação de grau dos formados em Economia e em Relações Internacionais da FAAP, uma das coisas que chamou a atenção tanto do embaixador Rubens Ricupero como a minha, foi a afirmação de quase todos os discursos de oradores, paraninfos e patronos de que o Brasil vive tempos turbulentos.

Ricupero e eu estranhamos tal posição – praticamente consensual, diga-se de passagem. Afinal, num país que por mais de duas décadas prevaleceu um cenário que combinava estagnação, inflação crônica e elevada, além de razoável instabilidade política, dizer que vivemos tempos turbulentos porque o crescimento econômico permanece abaixo do seu potencial e porque a inflação insiste em se manter próxima do limite superior da meta parece-nos certo exagero. Estamos falando de uma inflação anual de aproximadamente 6,5%, quando chegamos a conviver por muitos meses seguidos com taxas de dois dígitos e em 1992 e 1993 a inflação anual atingiu quatro dígitos.

Colocar a situação numa perspectiva histórica adequada, no entanto, não significa que a situação está ótima e deixa de merecer cuidados. Longe disso. Mas não há razão para alarmismo ou catastrofismo, como alguns chegam a alardear.

A propósito, gostaria de continuar este artigo chamando atenção para uma notícia divulgada nos últimos dias de julho, que, lamentavelmente não teve a repercussão que merecia. Trata-se da divulgação do Índice de Desenvolvimento Humano dos Municípios brasileiros (IDHM), que registrou um avanço de 47,8% em 20 anos.

Como afirma Lisandra Paraguassu, em matéria publicada em O Estado de S. Paulo: “De um País dominado por municípios que não conseguiam nem mesmo alcançar um desenvolvimento médio – mais de 80% eram classificados, em 1991, como muito baixo – o Brasil hoje chegou a 1/3 altamente desenvolvido”. E mais, acrescenta a jornalista: “As boas notícias, no entanto, poderiam ser ainda melhores se o País tivesse começado a resolver antes o seu maior gargalo, a Educação. Dos três índices que compõem o IDHM, é esse que puxa a maior parte dos municípios para baixo”.

Feito com base nos dados do Censo de 2010, o IDHM tornou mais rígida a avaliação das cidades brasileiras na área de Educação, exatamente o indicador que bloqueia o avanço ainda maior das nossas cidades. Depois de 20 anos, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) avaliou que já não bastava mais ao Brasil ter adultos apenas alfabetizados e colocar as crianças na escola. É preciso avaliar formação e fluxo escolar.

Nesse sentido, o IDHM Educação passou a cobrar também a proporção de brasileiros que completaram o ensino fundamental e o percentual de crianças e jovens na escola em diversas faixas etárias. Dos 5 aos 20 anos.

Os três indicadores usados pelo IDHM – Educação, Saúde e Renda – são os mesmos do IDH Global, divulgado todos os anos pelo PNUD. Nos dois últimos, o critério para formar o indicador também é o mesmo: expectativa de vida ao nascer e renda per capita. Em Educação, no entanto, o indicador global também é diferente. Os números mundiais usam uma composição da média de anos de estudo da população com mais de 25 anos e os anos esperados de estudo. Não é possível, por isso, comparar dados do Brasil com ouro país, pois são medidas diferentes, segundo Daniela Pinto, coordenadora do estudo pelo PNUD.

O ex-ministro das Comunicações do governo FHC, Luiz Carlos Mendonça de Barros lamenta, em artigo publicado na Folha de S. Paulo, que a notícia do aumento dos índices de IDH dos municípios do Brasil tenha “durado apenas o tempo de uma flor de manacá”, e destaca que “os números são impressionantes e mostram um país que passa de uma posição vergonhosa no campo de desenvolvimento social para a companhia de sociedades mais justas e ricas”.

Com base em tudo isso, concluo o artigo com duas observações. A primeira, já mencionada, diz respeito ao despropósito do clima de desastre que tomou conta de parte dos agentes econômicos e analistas nos últimos meses. A segunda, é que se não deu certo ainda, está num bom caminho. E esse bom caminho, ao contrário do que tem afirmado a presidente Dilma Rousseff em diversos de seus pronunciamentos, não começou a ser trilhado há 10 anos, com a chegada de Lula à presidência da República, mas um bom tempo antes. Chega a ser ridículo deixar de considerar para os avanços verificados fatores como a redemocratização, o promulgação de uma nova Constituição, a abertura da economia e a conquista da estabilidade obtida com o Plano Real.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Recomendações e indicações bibliográficas

KANITZ, Stephen. O Brasil que dá certo: o novo ciclo de crescimento 1994-2005. São Paulo: Makron, 1995.

MENDONÇA DE BARROS, Luiz Carlos. É o crescimento da renda, estúpido! Folha de S. Paulo,

PARAGUASSU, Lisandra. IDHM avança 47%, mas ‘freia’ na Educação. O Estado de S. Paulo, 30 de julho de 2013, p. A 15.

Recomendação cinematográfica

O Brasil Deu Certo. E Agora?

Idealização: Maílson da Nóbrega
Direção: Louise Sottomaior
Com depoimentos de: Fernando Henrique Cardoso, Fernando Collor de Mello, José Sarney, Maílson da Nóbrega, Delfim Netto, Pedro Malan, Gustavo Franco, Pérsio Arida, Sergio Amaral, Ozires Silva, Luiz Carlos Bresser Pereira, Roberto Setúbal, Roberto Teixeira da Costa e outros
Gênero: Documentário
Nacionalidade: Brasil
Duração: 70 minutos

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado