Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

657 – Brumadinho e a Challenger
657 – Brumadinho e a Challenger
A tragédia da explosão da Challenger em 1986 marcou ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
CEO de uma multinacional de trademarketing, a Marco ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Uma certa ideia de Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Uma certa ideia de Brasil Excelente retrospectiva de 2003 a 2018 “Precisamos ter uma ideia de como nos vemos como país, de nosso passado, nosso presente e nosso futuro.” Pedro Malan Este não é, ...

Ver mais

CAPÍTULO 2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)
Alexandre Gomes
O caminho até agora está ficando longo, não é? Por mais que eu use exemplos próximos da realidade; ainda assim, eu e você estamos buscando entender conceitos abstratos. Afinal, estamos falando ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade
Henrique Szklo
O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Embora pareça que tudo está dentro da esfera criminal, ...

Ver mais

Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Ajudando a compreender o cenário político brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

Nossa riqueza étnica

Nossa riqueza étnica

Jota Fagner - Origens do Brasil -

Minha mãe havia chegado para passar o Natal conosco. A cidade estava cheia, contagiada com o clima festivo. Numa época em que as ligações interurbanas ainda eram muito caras – e ter uma linha telefônica era algo impensável para pessoas pobres como nós – a comunicação com ela se dava por cartas. Muitas informações sobre os acontecimentos dos meses anteriores foram omitidas. As missivas contavam superficialmente o ocorrido.

Eu estava sentado no meu carro de pedal em frente à casa do Murilo. Aproveitávamos a sonatinha e os discos trazidos de São Paulo. Não podíamos mexer em nada para não quebrar, mas costumávamos pedir para alguém mais velho colocar os discos para a gente. Entre os LPs que o Murilo gostava de repetir estava um do Jimmy Cliff intitulado: Follow my mind. Era um disco de 1976, mas o Murilo agia como se fosse a maior novidade. Na capa o Jimmy Cliff parecia estar sentado numa cadeira velha com o encosto voltado para a frente. O Murilo nem ouvia o lado A completo, ficava repetindo a primeira canção, Look at the mountains. Eu já estava meio enjoado. Toda vez que ele ouvia:

♫ Mama look at the mountain ♪

O poliglota tentava acompanhar cantando:

♪A maluca do mangue ♫

Mas é maldade minha fazer deboche do inglês do meu amigo. Não só pelo fato dele ser apenas dois anos mais velho do que eu, mas também porque era assim que todos no bairro cantavam a música naquela época.

– Jota Efe! – Gritou minha mãe, lá do meio da ladeira.

Eu sabia do que se tratava. Era hora de tomar banho para visitar Vó Santa, minha bisavó.

Seu nome cristão era Maria Santa Souza, por isso eu a chamava de Vó Santa, para diferenciar da minha avó. Contam os mais velhos que no dia do casamento o padre perguntou o nome da noiva. Como ela – índia do tronco macro gê – não possuía registro cristão, meu bisavô (um português recém-chegado à Terra Brasilis) teria dito: “Maria”.

– Maria de quê? – Perguntou o padre.

– Maria Santa. – Respondeu José Alves de Souza, meu bisavô.

A tara dos portugueses pelas nativas de Pindorama já havia sido registrada na carta de Pero Vaz. Caminha escreveu que nessa nova ilha os nativos possuíam “corpos formosos” e moças “tão bem-feitas (…) que a muitas mulheres da nossa terra, vendo-lhe tais feições, lhes faria vergonha por não terem a sua como a dela”. Mas essa foi apenas a primeira observação. Durante o período colonial se tornou comum o casamento entre portugueses e índias.

A Igreja Católica encontrava dificuldades para catequizar um povo adepto da poligamia. Os colonos, por sua vez, buscavam fortalecer as relações de poder. Para isso uniam-se às filhas dos mais respeitáveis membros das tribos. Um bom exemplo dessas relações está na história de João Ramalho. Ele foi um dos que sobreviveram aos primeiros 30 anos de colonização. Havia deixado esposa em Portugal, mas, aqui na boa terra, se casou com Bartira, filha do cacique Tibiriçá. Segundo o Padre Manoel de Nóbrega, Ramalho teve outras esposas e muitos filhos; andava nu e deixava a barba grande e descuidada.

Pelo sim ou pelo não, assim ficou batizada a minha bisavó desde aquele dia. O padre aceitou as informações que lhe foram passadas e celebrou o casamento. Tiveram sete filhos. Mas José Alves, barbeiro sem muitos recursos, morreu antes da minha mãe nascer. Maria Santa morava agora com a filha caçula, e era para lá que iríamos.

Ver Todos os artigos de Jota Fagner