Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Como reduzir as Fakenews?
Carlos Nepomuceno
Ontem, a ministra Rosa Weber lançou este desafio. Vejamos o que podemos contribuir para este debate. O primeiro passo é compreender o que está ocorrendo. Vejamos: Note que estamos vivendo um ...

Ver mais

Os 7 erros da Folha de São Paulo sobre o “escândalo do Fake News”.
Carlos Nepomuceno
Veja o vídeo aqui.

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

Cafezinho 117 – Caem as máscaras
Cafezinho 117 – Caem as máscaras
Quando passar a alucinação coletiva saberemos com quem ...

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica

“Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários aumentam, sobe o custo do tempo e cresce também a sensação de que ele é escasso e de que a vida transcorre num ritmo mais acelerado do que no passado.”

Paul Romer

A Academia Real de Ciências da Suécia anunciou no dia 8 de outubro, os nomes dos ganhadores do Prêmio Nobel de Economia de 2018[1]. Foram eles os americanos William Nordhaus e Paul Romer.

Em seu comunicado, a Academia destacou que os laureados “desenvolveram métodos que abordam alguns dos desafios mais fundamentais de nosso tempo: combinar o crescimento sustentável a longo prazo da economia global com o bem-estar da população do planeta. Suas conclusões ampliaram significativamente o alcance da análise econômica mediante a construção de modelos que explicam como a economia de mercado interage com a natureza e o conhecimento”.

Ao contrário de outras oportunidades, em que havia plena afinidade nos trabalhos e pesquisas desenvolvidos por economistas que dividiram o Nobel[2], neste ano a Academia concedeu a láurea a economistas cujos trabalhos são complementares, embora tenham ênfases em aspectos diferentes.

William Nordhaus, que é mais conhecido no Brasil por ser coautor de alguns dos manuais mais utilizados nos cursos de graduação em economia juntamente com o consagrado Paul Samuelson (Nobel de Economia em 1970), é professor na Universidade de Yale e se notabilizou como pioneiro no estudo do impacto econômico da mudança climática, defendendo a imposição de taxas como o mais eficiente remédio para reduzir as emissões de carbono.

Paul Romer, por sua vez, que já ocupou o posto de economista-chefe do Banco Mundial, é professor na New York University e tem se destacado pela análise do papel das políticas governamentais de incentivo à inovação tecnológica. Embora reconheça ser impossível ignorar os problemas ambientais, a ênfase de suas pesquisas está voltada para a teoria do crescimento endógeno, na qual sustenta que o investimento acumulado em criatividade, ideias e tecnologia é o principal fator de estímulo à atividade econômica.

Comentando a concessão do Nobel a Nordhaus e Romer, o professor Justin Waters, da Universidade de Michigan, lembrou que ambos já haviam sido cogitados  para o prêmio em anos anteriores, de tal forma que o anúncio de seus nomes neste ano não causou surpresa. A respeito da complementaridade do trabalho dos dois, comentou: “Em uma análise, pode não parecer uma combinação óbvia. Ambos estão ligados a uma teoria de crescimento moderna, mas não em uma forma coordenada ou similar. Mas a conjugação dos dois faz sentido. O fio comum entre os dois é que políticas inteligentes de governo são essenciais para entregar bons resultados de longo prazo”.

Concluo o artigo com um quadro-síntese dos ganhadores do Prêmio Nobel.

Quadro 1

Prêmio Nobel de Economia

Ano Ganhador(es) Justificativa
1969 Ragnar Frisch;

Jan Tinbergen

Por terem desenvolvido e aplicado modelos dinâmicos para a análise de processos econômicos
1970 Paul Samuelson Pelo trabalho científico através do qual ele desenvolveu a teoria econômica estática e dinâmica e ativamente contribuiu para elevar o nível de análise na ciência econômica
1971 Simon Kuznetz Por sua interpretação empírica do crescimento econômico que levou a novas e aprofundadas percepções sobre a estrutura econômica e social e o processo de desenvolvimento
1972 John Hicks;

Kenneth Arrow

Por suas contribuições pioneiras à teoria do equilíbrio econômico geral e à teoria do bem-estar
1973 Wassily Leontief Pelo desenvolvimento do método de insumo-produto (input-output)[3], e por sua aplicação a importantes problemas econômicos
1974 Gunnar Myrdal; Friedrich Hayek Por seu trabalho pioneiro na teoria do dinheiro e flutuações econômicas e por sua análise penetrante da interdependência dos fenômenos econômicos, sociais e institucionais
1975 Leonid Kantorovich; Tjalling Koopmans Por suas contribuições à teoria da alocação ótima de recursos
1976 Milton Friedman Por suas conquistas nas áreas de análise de consumo, história e teoria monetária e por sua demonstração da complexidade da política de estabilização
1977 Bertil Ohlin;

James Meade

Por sua contribuição pioneira à teoria do comércio internacional e movimentos internacionais de capital
1978 Herbert Simon Por sua pesquisa pioneira sobre o processo de tomada de decisão dentro de organizações econômicas
1979 Theodore Schultz; Arthur Lewis Por sua pesquisa pioneira em pesquisa de desenvolvimento econômico com consideração especial dos problemas dos países em desenvolvimento
1980 Lawrence Klein Pela criação de modelos econométricos e a aplicação à análise de flutuações econômicas e políticas econômicas
1981 James Tobin Por sua análise dos mercados financeiros e suas relações com decisões de gastos, emprego, produção e preços
1982 George Stigler Por seus estudos seminais sobre estruturas industriais, funcionamento dos mercados e causas e efeitos da regulação pública
1983 Gerard Debreu Por ter incorporado novos métodos analíticos à teoria econômica e por sua rigorosa reformulação da teoria do equilíbrio geral
1984 Richard Stone Por ter feito contribuições fundamentais para o desenvolvimento dos sistemas de contas nacionais, aprimorando a base da análise econômica empírica
1985 Franco Modigliani Por suas análises pioneiras de poupança e de mercados financeiros
1986 James Buchanan Pelo desenvolvimento das bases contratuais e constitucionais da teoria da tomada de decisões econômicas e políticas
1987 Robert Solow Por suas contribuições para a teoria do crescimento econômico
1988 Maurice Allais Por suas contribuições pioneiras à teoria dos mercados e utilização eficiente dos recursos
1989 Trygve Haavelmo Pela sua formulação probabilística dos fundamentos da econometria e suas análises de estruturas econômicas simultâneas
1990 Harry Markowitz; Merton Miller; William Sharpe Respectivamente: pelo seu desenvolvimento da teoria de seleção de portfólio; por sua fundamental contribuição científica para a teoria de finanças corporativas; e por suas contribuições fundamentais à teoria científica da formação dos preços em matéria financeira
1991 Ronald Coase Por sua descoberta e esclarecimento da importância dos custos de transação e dos direitos de propriedade para a estrutura institucional e o funcionamento da economia
1992 Gary Becker Por ter ampliado o domínio da análise microeconômica para uma ampla gama de comportamentos e interações humanas, incluindo comportamento não mercantil
1993 Douglass North; Robert Fogel Por ter renovado a pesquisa em história econômica, aplicando teoria econômica e métodos quantitativos, a fim de explicar a mudança econômica e institucional
1994 John Harsanyi;

John Nash;

Reinhard Selten

Por sua análise pioneira de equilíbrio na teoria de jogos não cooperativos
1995 Robert Lucas Por ter desenvolvido e aplicado a hipótese das expectativas racionais, transformando a análise macroeconômica e aprofundado nossa compreensão da política econômica
1996 James Mirrlees; William Vickey Por suas contribuições fundamentais para a teoria econômica de incentivos sob informação assimétrica
1997 Robert Merton;

Myron Scholes

Pelo desenvolvimento de um novo método matemático para a determinação dos derivativos e dos valores de opção no mercado de ações
1998 Amartya Sen Por suas contribuições para a economia do bem-estar, em especial nos países em desenvolvimento
1999 Robert Mundell Por sua análise da política monetária e fiscal sob diferentes regimes cambiais e sua análise das áreas monetárias ótimas
2000 James Heckman; Daniel McFadden Respectivamente: pelo desenvolvimento de teorias e de métodos para análise de amostras seletivas; e pelo desenvolvimento de teorias e métodos para análise de escolha discreta
2001 George Akerlof;

A. Michael Spence; Joseph Stiglitz

Por suas análises de mercados com informação assimétrica
2002 Daniel Kahneman; Vernon Smith Respectivamente: por ter integrado insights de pesquisa psicológica em ciência econômica, especialmente sobre o julgamento humano e tomada de decisão sob incerteza; e por ter estabelecido experimentos de laboratório como uma ferramenta na análise econômica empírica, especialmente no estudo de mecanismos alternativos de mercado
2003 Robert Engle;

Clive Granger

 

Respectivamente: pelos métodos de análise de séries temporais econômicas com volatilidade variável no tempo (ARCH); e pelos métodos de análise de séries temporais econômicas com tendências comuns (cointegração)
2004 Finn Kydland;

Edward Prescott

Por suas contribuições à macroeconomia dinâmica: a consistência temporal da política econômica e as forças motrizes por trás dos ciclos de negócios
2005 Robert Aumann; Thomas Schelling Pela sua extraordinária contribuição para melhorar nossa compreensão do conflito e cooperação através da análise da teoria dos jogos
2006 Edmund Phelps Por sua análise de compensações intertemporais na política macroeconômica
2007 Leonid Hurwicz;

Eric Maskin;

Roger Myerson

Por terem lançado as bases da teoria do design de mecanismos
2008 Paul Krugman Por sua análise dos padrões de comércio e localização da atividade econômica
2009 Elinor Ostrom;

Oliver Williamson

Respectivamente: pela sua análise de governança econômica, especialmente dos bens comuns; e pela sua análise da governança econômica, especialmente dos limites da firma
2010 Christopher Pissarides.

Peter Diamond;

Dale Mortensen

Pela análise de mercados com fricções de pesquisa
2011 Thomas Sargent; Christopher Sims Por sua pesquisa empírica sobre causa e efeito na macroeconomia
2012 Alvin Roth;

Lloyd Shapley

Pela teoria das alocações estáveis ​​e pela prática do design de mercado
2013 Eugene Fama;

Robert Shiller;

Lars Peter Hansen

Pela sua análise empírica de preços de ativos financeiros
2014 Jean Tirole Pela sua análise do poder de mercado e regulação
2015 Angus Deaton Por sua análise do consumo, pobreza e bem-estar
2016 Oliver Hart;

Berg Holmstrom

Por suas contribuições à teoria dos contratos
2017 Richard Thaler Por suas contribuições para a economia comportamental
2018 William Nordhaus; Paul Romer Respectivamente: por integrar a mudança climática na análise macroeconômica de longo prazo; e por integrar inovações tecnológicas em análises macroeconômicas de longo prazo

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas e webgráficas

BULLA, Beatriz. Crescimento sustentável ganha o Nobel. O Estado de S. Paulo, 9 de outubro de 2018, p. B 6.

PRÊMIO Nobel de Economia. Disponível em https://www.cofecon.gov.br/premio-nobel-de-economia/.

ROMER, Paul. Economic Growth. In: HENDERSON, David R. (ed.). The Fortune Encyclopedia of Economics. Nova York: Time Warner Books, 1993. Em FLORIDA, Richard. A ascensão da classe criativa. Tradução de Ana Luiza Lopes. Porto Alegre, RS: L&PM, 2011.

_______________ Ideas and things. The Economist, 11 de setembro de 1993. Em FLORIDA, Richard. A ascensão da classe criativa. Tradução de Ana Luiza Lopes. Porto Alegre, RS: L&PM, 2011.

TODOS os prêmios em ciências econômicas. Disponível em https://www.nobelprize.org/prizes/lists/all-prizes-in-economic-sciences/.

WILLIAM D. Nordhaus e Paul M. Romer ganham o Nobel de Economia de 2018. El País. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/08/economia/1538979521_846896.html.

[1] O Prêmio Nobel foi criado em 27 de novembro 1895, no testamento de Alfred Nobel, cientista sueco que ficou muito rico com a invenção da dinamite. As áreas premiadas eram: Física, Química, Medicina ou Psicologia, Literatura e Paz. Os prêmios começaram a ser entregues em 1901. Em respeito ao testamento de Alfred Nobel, nenhuma outra área de atuação é acrescentada nas premiações. A única exceção foi a Economia. Isso porque em 1968 o Sverige Riksbank (Banco Central da Suécia), comemorando seu tricentenário, instituiu o “Prêmio Sverige Riksbank de Ciências Econômicas em memória de Alfred Nobel”, patrocinado pelo próprio banco. Por esta diferença, ele não leva o nome de “Prêmio Nobel” em sua nomenclatura oficial, mas é anunciado e entregue junto aos outros Prêmios Nobel (embora não na mesma semana), além de ter o ganhador escolhido pela Real Academia Sueca de Ciências.

[2] No Quadro 1 pode-se observar que também nos anos de 1990, 2000, 2002, 2003 e 2009 a justificativa para os laureados que dividiram o Nobel foi individualizada.

[3] O método de insumo-produto também é conhecido como “matriz de Leontief”.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado