Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

636 – As duas éticas da eleição
636 – As duas éticas da eleição
Gravei um LíderCast da Temporada 11, que só vai ao ar ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial
Henrique Szklo
Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

O ENEM e a (anti-)educação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Nos dois últimos fins-de-semana, milhões de candidatos ao ensino superior realizaram as provas do ENEM. O vestibular é o telos do ensino fundamental e médio no Brasil. As escolas privadas assumem ...

Ver mais

Cafezinho 126 – Mais Médicos
Cafezinho 126 – Mais Médicos
- Mas eles estavam atendendo os brasileiros necessitados!

Ver mais

Cafezinho 125 – O chute
Cafezinho 125 – O chute
Se o governador mentiu ou se enganou, peço desculpas ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

Não temos golfinhos, mas temos toninhas

Não temos golfinhos, mas temos toninhas

Bruno Garschagen - Ciência Política -

No fim dos anos 1920, René Magritte apresentou um quadro que ficou famoso por negar aquilo que mostrava. A traição das imagens exibia o desenho de um cachimbo com a afirmação “isto não é um cachimbo”. Ao negar que o cachimbo fosse um cachimbo, o pintor mostrava que a representação da coisa não era a própria coisa.

A reação dos petistas e dos coronéis da esquerda à apresentação da denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na semana passada foi simbólica da ironia representada no quadro de Magritte. Diante da acusação de que Lula era o comandante do “esquema delituoso de desvio de recursos públicos”, a esquerdalha pinçou duas palavras (“convicção” e “provas”) de dois procuradores diferentes para forjar uma frase mentirosa que representasse uma coisa (a inocência de Lula por ausência de provas) para negar a própria coisa (a acusação dos crimes cometidos por Lula).

Você deve ter acompanhado a história: o procurador Deltan Dallagnol afirmou, em sua apresentação, que “provas são pedaços da realidade, que geram convicção sobre um determinado fato ou hipótese”. Em seguida, em resposta aos jornalistas, disse que “dentro das evidências que nós coletamos, a nossa convicção, com base em tudo que nos expusemos, é que Lula continuou tendo proeminência nesse esquema, continuou sendo líder nesse esquema mesmo depois dele ter saído do governo”.

Depois, ao apresentar sua parte, o procurador Roberson Pozzobon explicou que, “em se tratando da lavagem de dinheiro, ou seja, em se tratando de uma tentativa de manter as aparências de licitude, não teremos aqui provas cabais de que Lula é o efetivo proprietário no papel do apartamento, pois justamente o fato de ele não figurar como proprietário do tríplex, da cobertura em Guarujá, é uma forma de ocultação, dissimulação da verdadeira propriedade”.

Duas falas distintas, sobre crimes distintos, com o uso de palavras distintas foram convertidas no mantra “não temos provas, mas temos convicção”. Na falta de argumentos para rechaçar a denúncia, os petistas aplicaram a técnica do cachimbo: “isto não demonstra o crime”.

No dia da apresentação dos procuradores, o repórter do BuzzFeed Brasil Alexandre Aragão foi ligeiro ao descobrir a origem por trás da frase que ganhou as redes sociais: o site esquerdista Conexão Jornalismo, que usou aspas de forma malandra no título do texto “Não temos como provar. Mas temos convicção” para criar a impressão de que era uma frase dita por um dos procuradores. Em seguida, a frase e suas derivações viralizaram nas redes sociais.

Iniciou-se a partir daí a segunda Batalha das Toninhas. A denúncia passou a ser atacada não pelo seu conteúdo, mas pela suposta ausência de provas. Uma grave acusação jurídica foi convertida em instrumento de perseguição política.

O publicitário Alexandre Borges, articulista da Gazeta do Povo, não cansa de alertar para a necessidade de se investigar a verdade “toda vez que a imprensa e as redes sociais forem invadidas por um tsunami de hashtags e textões engajados”. Por qual razão? Porque “a mentira e a gritaria histérica viraram armas extremamente eficientes da luta política num mundo hiperativo, à beira de um ataque de nervos e sem tempo para pensar”. E assim muita gente se torna instrumento útil de uma causa infame.

Se no quadro de Magritte o objeto não é um cachimbo, na guerra ideológica no Brasil, a toninha não é um golfinho.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen