Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
Mais um programa musical. E daqueles, cara. Você sabe ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
Professor, consultor, com vasta experiência no setor ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 82 – Paciência
Cafezinho 82 – Paciência
O que uma árvore frondosa precisa para se manter firme ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Não temos golfinhos, mas temos toninhas

Não temos golfinhos, mas temos toninhas

Bruno Garschagen - Ciência Política -

No fim dos anos 1920, René Magritte apresentou um quadro que ficou famoso por negar aquilo que mostrava. A traição das imagens exibia o desenho de um cachimbo com a afirmação “isto não é um cachimbo”. Ao negar que o cachimbo fosse um cachimbo, o pintor mostrava que a representação da coisa não era a própria coisa.

A reação dos petistas e dos coronéis da esquerda à apresentação da denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na semana passada foi simbólica da ironia representada no quadro de Magritte. Diante da acusação de que Lula era o comandante do “esquema delituoso de desvio de recursos públicos”, a esquerdalha pinçou duas palavras (“convicção” e “provas”) de dois procuradores diferentes para forjar uma frase mentirosa que representasse uma coisa (a inocência de Lula por ausência de provas) para negar a própria coisa (a acusação dos crimes cometidos por Lula).

Você deve ter acompanhado a história: o procurador Deltan Dallagnol afirmou, em sua apresentação, que “provas são pedaços da realidade, que geram convicção sobre um determinado fato ou hipótese”. Em seguida, em resposta aos jornalistas, disse que “dentro das evidências que nós coletamos, a nossa convicção, com base em tudo que nos expusemos, é que Lula continuou tendo proeminência nesse esquema, continuou sendo líder nesse esquema mesmo depois dele ter saído do governo”.

Depois, ao apresentar sua parte, o procurador Roberson Pozzobon explicou que, “em se tratando da lavagem de dinheiro, ou seja, em se tratando de uma tentativa de manter as aparências de licitude, não teremos aqui provas cabais de que Lula é o efetivo proprietário no papel do apartamento, pois justamente o fato de ele não figurar como proprietário do tríplex, da cobertura em Guarujá, é uma forma de ocultação, dissimulação da verdadeira propriedade”.

Duas falas distintas, sobre crimes distintos, com o uso de palavras distintas foram convertidas no mantra “não temos provas, mas temos convicção”. Na falta de argumentos para rechaçar a denúncia, os petistas aplicaram a técnica do cachimbo: “isto não demonstra o crime”.

No dia da apresentação dos procuradores, o repórter do BuzzFeed Brasil Alexandre Aragão foi ligeiro ao descobrir a origem por trás da frase que ganhou as redes sociais: o site esquerdista Conexão Jornalismo, que usou aspas de forma malandra no título do texto “Não temos como provar. Mas temos convicção” para criar a impressão de que era uma frase dita por um dos procuradores. Em seguida, a frase e suas derivações viralizaram nas redes sociais.

Iniciou-se a partir daí a segunda Batalha das Toninhas. A denúncia passou a ser atacada não pelo seu conteúdo, mas pela suposta ausência de provas. Uma grave acusação jurídica foi convertida em instrumento de perseguição política.

O publicitário Alexandre Borges, articulista da Gazeta do Povo, não cansa de alertar para a necessidade de se investigar a verdade “toda vez que a imprensa e as redes sociais forem invadidas por um tsunami de hashtags e textões engajados”. Por qual razão? Porque “a mentira e a gritaria histérica viraram armas extremamente eficientes da luta política num mundo hiperativo, à beira de um ataque de nervos e sem tempo para pensar”. E assim muita gente se torna instrumento útil de uma causa infame.

Se no quadro de Magritte o objeto não é um cachimbo, na guerra ideológica no Brasil, a toninha não é um golfinho.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen