Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

626 – AlôTénica – A Podpesquisa
626 – AlôTénica – A Podpesquisa
O programa reproduz a conversa entre Luciano Pires, Leo ...

Ver mais

625 – João Amoêdo
625 – João Amoêdo
Continuando a conversa com candidatos a Presidente nas ...

Ver mais

624 – Paulo Rabello de Castro
624 – Paulo Rabello de Castro
Na medida do possível, estamos conversando com ...

Ver mais

623 – A lógica da adequação
623 – A lógica da adequação
O tema de hoje é negociação, partindo da famosa análise ...

Ver mais

LíderCast 120 – Alexandre Correia
LíderCast 120 – Alexandre Correia
Luciano: Bom-dia, boa-tarde, boa-noite. Bem-vindo, ...

Ver mais

LíderCast 119 – Fabiano Calil
LíderCast 119 – Fabiano Calil
Educação financeira é seu mote, até o dia em que ele ...

Ver mais

LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
LíderCast 118 – Maria Luján Tubio
Jovem argentina, com vivência em vários países e que ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Os millennials não são tão criativos quanto pensam
Henrique Szklo
Tenho um amigo, o Rodriguez, que parece ter sido gerado não pelo útero da mãe, mas pelo intestino grosso dela. Seu mau humor é folclórico. E infinito. Estamos num boteco um dia desses quando ele ...

Ver mais

Precisamos reaprender a olhar
Mauro Segura
Transformação
Numa era em que o tempo parece escoar pelos dedos, ironicamente precisamos reaprender a "sentar e observar".

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2018 Memoráveis citações  “Aquele que for somente um economista não tem condições de ser um bom economista, pois todos os nossos problemas tocam em questões de ...

Ver mais

Empurrando com a barriga
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Empurrando com a barriga  Cenários da economia brasileira “A arte da previsão consiste em antecipar o que acontecerá e depois explicar o porquê não aconteceu.” Winston Churchill  Considerações ...

Ver mais

Cafezinho 98 – Os poetas da corrupção
Cafezinho 98 – Os poetas da corrupção
Os advogados e jornalistas que insistem que não existe ...

Ver mais

Cafezinho 97 – Os ciclos
Cafezinho 97 – Os ciclos
A vida acontece, em ciclos. E fica a cada dia mais ...

Ver mais

Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
Cafezinho 96 – A cozinha e a lixeira
O Brasil é uma grande cozinha. Nela existe uma lixeira. ...

Ver mais

Cafezinho 95 – Banco traseiro
Cafezinho 95 – Banco traseiro
A fila anda! A gente muda! O tempo passa! O mundo é ...

Ver mais

Não pode xingar, filho da puta!

Não pode xingar, filho da puta!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                   Em show realizado dia 8 em Cuiabá, o grupo Titãs teve uma atitude no mínimo curiosa: Lá pelas tantas, uma parte dos fãs presentes puxou um coro de “fora Dilma”. Os músicos não gostaram, e depois do discurso moralizador do vocalista Paulo Miklos, pedindo respeito à presidonta, à democracia (?!) incluíram no repertório a música Desordem, não prevista naquela noite. A letra dela recrimina quem deseja “criar desordem”. Alguns (os de sempre) elogiaram a “educação” e a “elegância” do grupo. Ora vejam só.

                                   Bons tempos em que os Titãs tinham uma postura muito diferente; não sempre correta, nem sempre perfeita, mas verdadeira. Não essa, comprada em prateleira de supermercado fuleiro com o rótulo de Banda Chapa Branca. Na verdade, houve tempo, não distante, em que esses senhores, atuais defensores empedernidos da moral e dos bons costumes, pensavam de maneira muito diferente, como expressaram na música Vossa Excelência, de 2005:

Estão nas mangas dos Senhores Ministros
Nas capas dos Senhores Magistrados
Nas golas dos Senhores Deputados
Nos fundilhos dos Senhores Vereadores
Nas perucas dos Senhores Senadores
Senhores!
Senhores!
Senhores!
Minha Senhora!
Senhores!
Senhores!
Filha da Puta!
Bandido!
Corrupto!
Ladrão!

Sorrindo para a câmera
Sem saber que estamos vendo
Chorando que dá pena
Quando sabem que estão em cena
Sorrindo para as câmeras
Sem saber que são filmados
Um dia o sol ainda vai nascer
Quadrado

Isso não prova nada!
Sob pressão da opinião pública
É que não haveremos de tomar nenhuma decisão!
Vamos esperar que tudo caia no esquecimento
Aí então…
Faça-se a justiça!
Estamos preparando vossas acomodações, Excelência.
Filha da Puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão!

                                   Como se vê, a letra é de um respeito a toda prova, próprio de quem o exige de terceiros. Muito justo, claro. Muito coerente com a aula de educação ministrada aos cuiabanos, não?

                                   Mas não só eles mudaram radicalmente em relação ao poder. Muita gente ficou amiguinha de Dilma & Lula nos últimos anos. Luis Fernando Veríssimo, por exemplo, abandonou o tom crítico e irônico em relação a governos passados e, por pura e absoluta coincidência, é hoje o escritor vivo que mais vende livros ao Ministério da Educação e Cultura. Chegou a “matar” sua personagem A Velhinha de Taubaté, sempre a ironizar ex-presidentes – até 2003. Depois tornou-se franco adesista, alcançando as glórias e benesses afeitas a todos os que enveredam por tais caminhos.

                                   Duas frases, emblemáticas, decodificam muito bem tais intenções. Uma é do grande Millôr, que dispensa apresentações: “Desconfio de todo idealista que lucra com seu ideal”. A outra é do brasilianista americano Richard Moneygrand: “O Brasil só vai sair do atoleiro quando aceitar que existe realidade”. Com alto poder de síntese, os dois aforismos se bastam, sendo o restante apenas a velha gravitação geral dos insetos ao redor da lâmpada, de uma interminável e estéril variação sobre o tema.

                                   Engraçado: Fora Collor era muito democrático e a lulada pedia (e conseguiu!), como exigiu fora FHC, fora Sarney, fora tudo. Mas fora Dilma, com todas as provas de corrupção e incompetência escancaradas… aí é golpe. Julgam-se professores de Deus. Devem descansar no sétimo dia.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes