Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Não pode xingar, filho da puta!

Não pode xingar, filho da puta!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                   Em show realizado dia 8 em Cuiabá, o grupo Titãs teve uma atitude no mínimo curiosa: Lá pelas tantas, uma parte dos fãs presentes puxou um coro de “fora Dilma”. Os músicos não gostaram, e depois do discurso moralizador do vocalista Paulo Miklos, pedindo respeito à presidonta, à democracia (?!) incluíram no repertório a música Desordem, não prevista naquela noite. A letra dela recrimina quem deseja “criar desordem”. Alguns (os de sempre) elogiaram a “educação” e a “elegância” do grupo. Ora vejam só.

                                   Bons tempos em que os Titãs tinham uma postura muito diferente; não sempre correta, nem sempre perfeita, mas verdadeira. Não essa, comprada em prateleira de supermercado fuleiro com o rótulo de Banda Chapa Branca. Na verdade, houve tempo, não distante, em que esses senhores, atuais defensores empedernidos da moral e dos bons costumes, pensavam de maneira muito diferente, como expressaram na música Vossa Excelência, de 2005:

Estão nas mangas dos Senhores Ministros
Nas capas dos Senhores Magistrados
Nas golas dos Senhores Deputados
Nos fundilhos dos Senhores Vereadores
Nas perucas dos Senhores Senadores
Senhores!
Senhores!
Senhores!
Minha Senhora!
Senhores!
Senhores!
Filha da Puta!
Bandido!
Corrupto!
Ladrão!

Sorrindo para a câmera
Sem saber que estamos vendo
Chorando que dá pena
Quando sabem que estão em cena
Sorrindo para as câmeras
Sem saber que são filmados
Um dia o sol ainda vai nascer
Quadrado

Isso não prova nada!
Sob pressão da opinião pública
É que não haveremos de tomar nenhuma decisão!
Vamos esperar que tudo caia no esquecimento
Aí então…
Faça-se a justiça!
Estamos preparando vossas acomodações, Excelência.
Filha da Puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão!

                                   Como se vê, a letra é de um respeito a toda prova, próprio de quem o exige de terceiros. Muito justo, claro. Muito coerente com a aula de educação ministrada aos cuiabanos, não?

                                   Mas não só eles mudaram radicalmente em relação ao poder. Muita gente ficou amiguinha de Dilma & Lula nos últimos anos. Luis Fernando Veríssimo, por exemplo, abandonou o tom crítico e irônico em relação a governos passados e, por pura e absoluta coincidência, é hoje o escritor vivo que mais vende livros ao Ministério da Educação e Cultura. Chegou a “matar” sua personagem A Velhinha de Taubaté, sempre a ironizar ex-presidentes – até 2003. Depois tornou-se franco adesista, alcançando as glórias e benesses afeitas a todos os que enveredam por tais caminhos.

                                   Duas frases, emblemáticas, decodificam muito bem tais intenções. Uma é do grande Millôr, que dispensa apresentações: “Desconfio de todo idealista que lucra com seu ideal”. A outra é do brasilianista americano Richard Moneygrand: “O Brasil só vai sair do atoleiro quando aceitar que existe realidade”. Com alto poder de síntese, os dois aforismos se bastam, sendo o restante apenas a velha gravitação geral dos insetos ao redor da lâmpada, de uma interminável e estéril variação sobre o tema.

                                   Engraçado: Fora Collor era muito democrático e a lulada pedia (e conseguiu!), como exigiu fora FHC, fora Sarney, fora tudo. Mas fora Dilma, com todas as provas de corrupção e incompetência escancaradas… aí é golpe. Julgam-se professores de Deus. Devem descansar no sétimo dia.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes