Assine o Café Brasil
Iscas Intelectuais
Culpa e vergonha
Culpa e vergonha
Culpa e vergonha. Um artigo de 2007 revela o tamanho da ...

Ver mais

Por que eu?
Por que eu?
Ela foi a primeira mulher a assumir publicamente que ...

Ver mais

Cobertor de solteiro
Cobertor de solteiro
Cobertor de solteiro. Isca intelectual de Luciano Pires ...

Ver mais

O véinho
O véinho
Isca intelectual de Luciano Pires que pergunta: que ...

Ver mais

538 – Caçadores da verdade perdida
538 – Caçadores da verdade perdida
Podcast Café Brasil 538 - Caçadores da verdade perdida. ...

Ver mais

537 – VAMO, VAMO CHAPE
537 – VAMO, VAMO CHAPE
Podcast Café Brasil 537 - Vamo,vamo, Chape. Este é um ...

Ver mais

536 – A política da pós-verdade
536 – A política da pós-verdade
Podcast Café Brasil 536 - A política da pós-verdade. ...

Ver mais

535 – Hallelujah
535 – Hallelujah
Podcast Café Brasil 535 - Hallelujah. Poucos dias atrás ...

Ver mais

LíderCast 052 – Thiago Oliveira
LíderCast 052 – Thiago Oliveira
LiderCast 052 - Hoje vamos conversar com Thiago ...

Ver mais

LíderCast 050 – Bia Pacheco
LíderCast 050 – Bia Pacheco
LiderCast 050 - Hoje vamos conversar com Bia Pacheco, ...

Ver mais

LíderCast 051 – Edu Lyra
LíderCast 051 – Edu Lyra
LiderCast 051 - Hoje conversaremos com Edu Lyra, um ...

Ver mais

LíderCast 049 – Luciano Dias Pires
LíderCast 049 – Luciano Dias Pires
Lídercast 049 - Neste programa Luciano Pires conversa ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

A carta que mudou a minha vida
Mauro Segura
Transformação
Mauro Segura conta em vídeo uma história pessoal, que teve origem numa carta recebida há 30 anos.

Ver mais

Tempo de escolher
Tom Coelho
Sete Vidas
“Um homem não é grande pelo que faz, mas pelo que renuncia.” (Albert Schweitzer)   Muitos amigos leitores têm solicitado minha opinião acerca de qual rumo dar às suas carreiras. Alguns ...

Ver mais

O caso é o caso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sobre a morte do assassino nojento, tudo já já foi dito; Fidel Castro foi tarde e deve estar devidamente instalado no caldeirão-suíte número 13, com aquecedor forte, decoração vermelha e vista ...

Ver mais

SmartCamp: as startups transformam o mundo
Mauro Segura
Transformação
Vivemos o boom das startups no Brasil e no mundo. O que está por trás disso? Mauro Segura esteve no SmartCamp, que é uma competição global de startups, e fez um vídeo contando a sua experiência.

Ver mais

Não, o mundo não vai acabar

Não, o mundo não vai acabar

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                           Alerta aos navegantes: Este NÃO é um texto em defesa de Donald Trump. Portanto, pode guardar o tacape e tirar seu cavalinho apocalíptico-distópico da chuva.

                           Deu pra entender ou precisa desenhar? Ufa. Ótimo.

                           A paranoia parece ter atingido 2/3 do mundo depois da inesperada eleição de Trump. A coisa variou da cara de bobo dos analistas políticos e institutos de pesquisa, que “garantiam” a vitória da Marta Suplicy dos EUA, passou pela raivinha dos esquerdistas-artistas, atravessou a loucura dos lulistas (Dilma-Janete inovou: deu parabéns à perdedora) e desembocou na pura histeria dos paranoicos que preveem o fim do mundo para depois de amanhã, no máximo.

                           Não, o mundo não vai acabar. Da mesma forma que os mesmos “entendidos” previram a desgraça econômica da Grã-Bretanha depois de sua saída da zona do Euro, apelidada de Brexit, e erraram feio.

                           Para os mais desesperados, que começaram a estocar água e comida ou se refugiaram nas Igrejas à espera do Juízo Final, vai o conselho: Acalmem-se. Trump é doido, mentiroso, xenófobo, mas não o suficiente para tanto pavor.

                           Outra coisa: Os Estados Unidos não são uma república de bananas; lá, o judiciário não é uma corte de primas-donas que se acham deuses, vivendo numa torre de marfim longe do povinho fedorento. Nem o legislativo se considera uma casta nobiliárquica sem monarquia, e nem o presidente faz o que quer; não pode distribuir dinheiro a ditaduras estrangeiras e enriquecendo parasitas, nem pode quebrar estatais – que nem existem lá. Ah, e disparar um míssil termonuclear intercontinental não é tão fácil quanto acionar o interruptor de luz.

                           Nos EUA não existe essa demência chamada Medida Provisória, nem o presidente pode declarar guerra como quem pede um Chicabon na padaria. Lá, o Congresso vigia cada passo do eleito, e seu partido obriga-o a seguir a plataforma geral. Ou seja, o mandatário supremo pode dirigir políticas de governo e de estado, bem como suas tendências, mas nada de radical acontece. E ninguém reclama de herança maldita do antecessor, nem entrega terra arrasada ou dívidas impagáveis ao sucessor. Simplificando: Democracia sólida, adulta, madura, na qual a centro-esquerda convive com a centro-direita numa alternância benéfica, numa senóide eficaz, muito além de picuinhas interesseiras ou ideológicas. Enfim, o oposto daqui.

                           Da mesma forma, não haverá 3ª guerra mundial, como vaticinam (aliás, contra quem seria essa guerra, se todas as potências nucleares são aliadas e os russos e chineses são simpáticos ao novo governo?). Também não há “promessas” de Trump sobre “extermínio” e “matanças” ou “um novo apartheid”, mesmo que muitos analistas de botequim “garantam” que ele disse isso. Não disse.

                           Trump é meio pancada? Sim. Mentiu e exagerou para cativar eleitores e vencer? Sim. Hillary seria muito melhor que ele? Não. A única coisa que Trump tem de explicar é aquele seu penteado indecente. De resto, nada vai mudar ao ponto de hecatombe. Sosseguem.

                           O magnata nova-iorquino se fez de mais doido do que é, num populismo barato de direita – e deu certo. Prometeu coisas inexequíveis, como o tal muro entre seu país e o México, vetar a entrada de muçulmanos, ou a expulsão de todos os imigrantes ilegais. Nada disso vai acontecer, por impossível, e seu discurso de presidente eleito já sinalizou nesse sentido. Ele próprio tratou de baixar a pressão eleitoreira.

                           O que há é choro ideológico, e paranóicos devidamente alimentados por uma imprensa que não noticia, torce. Muitos repórteres, mesmo daqui, não se mostravam apenas surpresos com o resultado da votação; sua irritação era visível. Repórter não tem de torcer, tem de informar. Ponto.

                           E outra: Com ou sem torcida, ninguém aqui votou em nenhum dos dois candidatos. Estamos todos no mesmo barco; meio naufragado, alguns ratos ainda fora da gaiola… mas no mesmo barco. Portanto, torcer ou se desesperar é tão ridículo quanto inútil.

                           De resto, tirando a apreensão (compreensível) de alguns governos europeus, a nota ridícula ficou por conta dos castristas-bolivarianos: Os idiotas corruptos (Maduro, Morales, Ortega e demais dementes), Raul Castro à frente, previram a hecatombe, a desgraça final, e vaticinaram a destruição do povo mexicano, a fome, a guerra e a peste.

                           Engraçado… Essa turma, incluindo Lula, que alardeia o impossível, impraticável, inexequível “muro mexicano” como uma tragédia mundial, uivou de ódio quando o Muro de Berlim caiu. E nunca comentam o muro cubano, que impede todo um povo prisioneiro de ir onde desejar. Qual muro? Aquele, que sempre esteve lá; a diferença é que não é feito de pedra, nem precisou ser erigido – é feito de muita água salgada e tubarões famintos.

                           O mais ridículo é que tais narizes-marrons, que adoram os Castro como deuses do inferno, admitem que seu maior desespero é que Trump freie a abertura com Cuba que, pobre e desesperada, mendiga dólares a quem sempre tachou de pior inimigo. Idem para a falida Venezuela que vende petróleo aos EUA e cospe no prato que come.

                           Enfim: Trump é uma incógnita, e seu currículo não é nada bom; mas tragédia mesmo… só seu penteado. O resto é exagero. O homem do saco não existe. Ao menos não nesse nível mundial – em Curitiba tem uns presos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes