Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
O Ismo Quântico é o fenômeno que acontece quando o ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Não existe dinheiro público

Não existe dinheiro público

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Em meio à fúria legiferante brasileira, um cipoal interminável de normas que teriam, segundo seus nobilíssimos e genialíssimos criadores, o condão de redescobrir a pólvora ou revogar a lei da gravidade, sempre tem mais um achando que a solução é criar mais leis. O produto dessa sandice coletiva é a fábrica legislativa de máquina de desentortar bananas: Câmaras, assembleias e congresso nacional, todos voltados à suprema fantasia de fazer brotar dinheiro via decreto; untados pela esperança de voto dos trouxas e pela banha do populismo. Mania estatal de criar benefícios para que o particular pague a conta, arcando com o prejuízo idealizado pelos fingidamente beneméritos. A ideia é espantosa em qualquer lugar do mundo civilizado, mas aqui torna-se a panaceia dos crédulos: a máquina brasileira de criar facilidades com a grana alheia.

Típica ilusão é a meia-entrada em cinemas, teatros, shows e afins: Os brilhantes legisladores decidiram que algumas classes de indivíduos merecem pagar menos por esses serviços, e dá-lhe lei. Como se fosse simples assim. Acontece que empresários e prestadores de serviços não vivem de ar, nem gostam (com toda razão) de ver seu trabalho pago pela metade. E, inevitavelmente, a outra parte do respeitável público que não conta com esse delicioso privilégio vai arcar com a diferença no preço dos ingressos. A matemática é muito simples: Se um deixa de pagar, alguém vai pagar por ele. Gostemos ou não dessa equação de simplicidade acaciana.

Alegam que a parte “mais fraca” deve ser “protegida” da “mais forte”. Além de injusto, taí o atoleiro no qual o lulismo nos meteu fazendo a patuleia acreditar que há no Brasil uma guerra civil em curso, e que eles, bons por natureza, defendem os descamisados. Como já lembrava Abraham Lincoln, é impossível enriquecer os pobres empobrecendo os ricos. Luta de classe é coisa estúpida, fora de moda até na Cuba de hoje, que busca comerciar com os mesmos EUA que apontava como o grande satã. E nós aqui, patinando nesse esterco bolivariano que até Fidel abandona aos poucos.

E antes que algum apressadinho se inflame, nada contra esse benefício que contempla estudantes, professores e outros; o problema é que o legislador sai bem na foto, enquanto empurra a conta para o lado privado. Ou seja: Apesar da maior carga tributária do mundo, o governo ainda cria mais despesas para o setor produtivo. Porque não pagam a diferença com o dinheiro dos impostos escorchantes?

Outra lei, tão típica quanto errada, é a que obriga escolas privadas a aceitar alunos com deficiência no mesmo preço pago pelos alunos ditos saudáveis. Evitando que algum lulista açodado lance o livrinho vermelho de Mao ni mim, deixemos bem claro tratar-se de caso análogo ao da meia-entrada: Mais uma vez o estado, voraz na arrecadação, passa a despesa extra para o particular. É óbvio que uma criança deficiente merece atenção especial e toda a educação escolar possível, mas tais cuidados e professores especializados custam mais do que “vontade política” ou cargos inúteis em ministérios sem sentido, como o dos direitos humanos. Isso tudo custa dinheiro. E estamos fartos de pagar impostos vampirescos em troca de serviços indecentes.

Uma amiga muito querida fundou e dirige, com dedicação heroica, a única fundação privada para tratamento de autistas da região de Bauru/SP – com tudo gratuito para essas crianças especiais. Funcionários e alunos sobrevivem com doações de particulares, entre os quais humildemente me incluo, com pouca ou nenhuma ajuda estatal, mas muita coragem e trabalho voluntário. E querem que paguemos ainda mais pela ineficácia e roubalheira das fileiras lulistas? Sai pra lá, CPMF. Vá assombrar a Coreia do Norte.

Margaret Tatcher, primeira ministra britânica de 1979 a 1990, salvou seu país do parasitismo sindical e da gastança desenfreada, e tem sido muito lembrada nestes tempos terríveis para o Brasil. Ainda não compreendemos bem que populismo sempre termina mal e, como dizia a Dama de Ferro, não existe essa coisa de dinheiro público; há apenas o dinheiro dos pagadores de impostos (eufemisticamente chamados de “contribuintes” no Brasil), embora a lulada, pra não perder a boquinha, afirme que isso é bobagem, e a Petrobrás é tão fértil que, em se roubando, tudo dá.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes