Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

593 – Chororô
593 – Chororô
Uma das reações mais lindas do ser humano tem sido ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Cafezinho 35 – Pocahontas
Cafezinho 35 – Pocahontas
Geração não é horóscopo. É contexto.

Ver mais

Não existe dinheiro público

Não existe dinheiro público

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Em meio à fúria legiferante brasileira, um cipoal interminável de normas que teriam, segundo seus nobilíssimos e genialíssimos criadores, o condão de redescobrir a pólvora ou revogar a lei da gravidade, sempre tem mais um achando que a solução é criar mais leis. O produto dessa sandice coletiva é a fábrica legislativa de máquina de desentortar bananas: Câmaras, assembleias e congresso nacional, todos voltados à suprema fantasia de fazer brotar dinheiro via decreto; untados pela esperança de voto dos trouxas e pela banha do populismo. Mania estatal de criar benefícios para que o particular pague a conta, arcando com o prejuízo idealizado pelos fingidamente beneméritos. A ideia é espantosa em qualquer lugar do mundo civilizado, mas aqui torna-se a panaceia dos crédulos: a máquina brasileira de criar facilidades com a grana alheia.

Típica ilusão é a meia-entrada em cinemas, teatros, shows e afins: Os brilhantes legisladores decidiram que algumas classes de indivíduos merecem pagar menos por esses serviços, e dá-lhe lei. Como se fosse simples assim. Acontece que empresários e prestadores de serviços não vivem de ar, nem gostam (com toda razão) de ver seu trabalho pago pela metade. E, inevitavelmente, a outra parte do respeitável público que não conta com esse delicioso privilégio vai arcar com a diferença no preço dos ingressos. A matemática é muito simples: Se um deixa de pagar, alguém vai pagar por ele. Gostemos ou não dessa equação de simplicidade acaciana.

Alegam que a parte “mais fraca” deve ser “protegida” da “mais forte”. Além de injusto, taí o atoleiro no qual o lulismo nos meteu fazendo a patuleia acreditar que há no Brasil uma guerra civil em curso, e que eles, bons por natureza, defendem os descamisados. Como já lembrava Abraham Lincoln, é impossível enriquecer os pobres empobrecendo os ricos. Luta de classe é coisa estúpida, fora de moda até na Cuba de hoje, que busca comerciar com os mesmos EUA que apontava como o grande satã. E nós aqui, patinando nesse esterco bolivariano que até Fidel abandona aos poucos.

E antes que algum apressadinho se inflame, nada contra esse benefício que contempla estudantes, professores e outros; o problema é que o legislador sai bem na foto, enquanto empurra a conta para o lado privado. Ou seja: Apesar da maior carga tributária do mundo, o governo ainda cria mais despesas para o setor produtivo. Porque não pagam a diferença com o dinheiro dos impostos escorchantes?

Outra lei, tão típica quanto errada, é a que obriga escolas privadas a aceitar alunos com deficiência no mesmo preço pago pelos alunos ditos saudáveis. Evitando que algum lulista açodado lance o livrinho vermelho de Mao ni mim, deixemos bem claro tratar-se de caso análogo ao da meia-entrada: Mais uma vez o estado, voraz na arrecadação, passa a despesa extra para o particular. É óbvio que uma criança deficiente merece atenção especial e toda a educação escolar possível, mas tais cuidados e professores especializados custam mais do que “vontade política” ou cargos inúteis em ministérios sem sentido, como o dos direitos humanos. Isso tudo custa dinheiro. E estamos fartos de pagar impostos vampirescos em troca de serviços indecentes.

Uma amiga muito querida fundou e dirige, com dedicação heroica, a única fundação privada para tratamento de autistas da região de Bauru/SP – com tudo gratuito para essas crianças especiais. Funcionários e alunos sobrevivem com doações de particulares, entre os quais humildemente me incluo, com pouca ou nenhuma ajuda estatal, mas muita coragem e trabalho voluntário. E querem que paguemos ainda mais pela ineficácia e roubalheira das fileiras lulistas? Sai pra lá, CPMF. Vá assombrar a Coreia do Norte.

Margaret Tatcher, primeira ministra britânica de 1979 a 1990, salvou seu país do parasitismo sindical e da gastança desenfreada, e tem sido muito lembrada nestes tempos terríveis para o Brasil. Ainda não compreendemos bem que populismo sempre termina mal e, como dizia a Dama de Ferro, não existe essa coisa de dinheiro público; há apenas o dinheiro dos pagadores de impostos (eufemisticamente chamados de “contribuintes” no Brasil), embora a lulada, pra não perder a boquinha, afirme que isso é bobagem, e a Petrobrás é tão fértil que, em se roubando, tudo dá.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes