Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador

Mudança, inovação e o espírito conservador

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para depois desempacotá-los; um estorvo, enfim.

Muitos de vocês que me leem já devem ter enfrentado tal suplício em algum momento. Mas não é da mudança em si que eu pretendo falar. Melhor dizendo, não pretendo compartilhar os dissabores do ato. É que a propósito da alteração de residência, mesmo tendo sido uma escolha pensada e para melhor, senti aquele incômodo profundo que só os meus pares de espírito conservador entenderão – e não falarei aqui de política.

No lugar onde eu morava, o ambiente me era familiar. Como se o bairro fosse meu, como se fosse uma extensão da minha casa, um local que eu desfrutava porque me acolhia e oferecia tudo aquilo de que eu precisava, do comércio próximo à academia de jiu-jitsu onde eu treino.

No período de organização da mudança, que é sempre uma preparação para a despedida, fui sentindo precisamente aquilo que Michael Oakeshott, filósofo político que não canso de aqui mencionar, descreveu no célebre ensaio Ser Conservador. Oakeshott ali definiu mudança como “as alterações que temos de sofrer” e inovação como “aquelas que podemos planear e executar”. Sendo assim, “mudanças são circunstâncias às quais temos de acomodar-nos, e a disposição para ser conservador é tanto o emblema da nossa dificuldade para o conseguirmos como o nosso recurso nas tentativas que para isso fazemos”.

Mudar de casa é uma combinação de mudança e inovação, portanto. E não é simplesmente deslocar corpo e pertences para outro imóvel, mas, antes de tudo, enfrentar a perda de tudo aquilo que nos vincula a um determinado lugar que consideramos um lar. É o amor pelo lar, oikophiliade que fala Roger Scruton, que permite desenvolver o sentimento de pertencimento que um conservador tanto preza e busca.

Por isso, Oakeshott dirá que “a dor da perda será maior que a excitação da novidade ou da promessa” de algo melhor, seja a nova casa e até mesmo o novo bairro. Não poderia estar mais de acordo quando o filósofo diz que “as mudanças são, pois, sempre um motivo de sofrimento, e uma pessoa de temperamento conservador (ou seja, firmemente decidida a preservar a sua identidade) não pode ser indiferente a elas. No geral, ele julga-as de acordo com o transtorno que causam e, como qualquer pessoa, usa os seus recursos para lhes fazer frente”.

A mudança de residência é um exemplo concreto que permite compreender de forma mais precisa o conhecido trecho do ensaio de Oakeshott quando ele diz que “ser conservador é preferir o familiar ao desconhecido, preferir o tentado ao não tentado, o fato ao mistério, o real ao possível, o limitado ao ilimitado, o próximo ao distante, o suficiente ao superabundante, o conveniente ao perfeito, a felicidade presente à utópica”.

O verbo-chave desse excerto é “preferir”. Por razões diversas, quando um conservador prefere algo em detrimento de outro, não quer isto dizer que rejeita esse outro de forma categórica ou que seja, por princípio, contra qualquer mudança ou inovação. Um espírito conservador simplesmente atribui uma importância maior a determinados sentimentos, decisões e elementos que considera fundamentais para desfrutar uma maneira individual de viver uma vida boa, segundo a concepção do filósofo político John Kekes em seu estudo A Case for Conservatism.

Essa vida boa só é possível, e aqui volto a citar Oakeshott, se “as relações e lealdades familiares” forem “preferíveis ao fascínio de vínculos mais proveitosos”, o que quer dizer, neste caso, adotar como padrão de conduta uma posição meramente utilitária (J. Stuart Mill) para superar uma situação desfavorável. Por isso, para um espírito conservador, “comprar e expandir será menos importante que conservar, cultivar e desfrutar”.

Essa maneira de ver o mundo e de agir é, aliás, a mais difícil e a que exige um maior grau de responsabilidade e de sentido de dever perante o outro e perante a comunidade. Porque, para citar novamente Scruton, “as coisas admiráveis são facilmente destruídas, mas não são facilmente criadas”, posto que “o trabalho de destruição é rápido, fácil e recreativo; o labor da criação é lento, árduo e maçante” (Como ser um Conservador, p. 9).

Quando um conservador prefere ou rejeita algo, nem sempre orienta-se com base numa decisão racional e calculada. A explicação para isso, como bem apontou Oakeshott, reside numa “disposição que aparece, frequentemente ou não, nas suas preferências e aversões, e não é em si mesma uma escolha ou algo cultivado especificamente”.

É um erro muito comum, portanto, definir o conservador como alguém que rejeita as mudanças e as inovações a ponto de negá-las ou inviabilizá-las. Um conservador não rejeita a mudança quando a entende necessária ou inevitável, como foi o meu caso. Se assim for, ele a aceita, assimila, reconhece os seus benefícios e depois passa a desfrutar a novidade que se tornou familiar.

Essa indisposição para a mudança está relacionada, como expliquei, ao temor da perda. Mesmo que as modificações “apresentem contrapartidas”, observou Oakeshott, “o homem de temperamento conservador inevitavelmente lamentará”. E aqui está a beleza do espírito conservador que talvez ajude a esclarecer o meu sentimento em relação à recente mudança de apartamento. O problema não é porque “aquilo que perdeu seja intrinsecamente melhor que qualquer outra possível alternativa ou porque fosse impossível melhorá-lo, nem porque o que toma o seu lugar não possa ser aproveitado, mas apenas por ter perdido algo de que desfrutava verdadeiramente, de que tinha aprendido a desfrutar, e porque aquilo que o substitui é algo com que ainda não tem qualquer afinidade.”

Porque para mim tudo ainda é desconhecido na nova residência e no novo bairro, que são alternativas mais adequadas às anteriores, ainda não tenho com ambos qualquer afinidade, vínculo que exige boa vontade, dedicação, tempo e paciência. Ainda preciso conhecer o ambiente onde passei a residir para que seja possível desenvolver aqueles sentimentos de familiaridade e de pertencimento reconhecíveis pelo meu espírito conservador. Até que eu finalmente perceba a minha nova casa como o meu novo lar, como o ambiente acolhedor que completa a minha vida.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen