Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

622 – O Esfíncter Intelectual
622 – O Esfíncter Intelectual
Existe gente que não controla seu esfíncter intelectual ...

Ver mais

Café Brasil 621 – Orgulho de Ser Brasileiro
Café Brasil 621 – Orgulho de Ser Brasileiro
Em junho de 2018 realizamos o II Sarau Café Brasil, ...

Ver mais

Café Brasil 620 – Democracia, tolerância e censura
Café Brasil 620 – Democracia, tolerância e censura
"Se começarmos a cercar com paredes aquilo que alguns ...

Ver mais

619 – LíderCast 9
619 – LíderCast 9
Neste programa apresentamos os convidados da Temporada ...

Ver mais

LíderCast 115 – Nailor Marques Jr
LíderCast 115 – Nailor Marques Jr
Professor, palestrante, uma das mentes mais divertidas ...

Ver mais

LíderCast 114 -Alexandre Ostrowiecki
LíderCast 114 -Alexandre Ostrowiecki
Empreendedor, com uma história incrível de como o ...

Ver mais

LíderCast 113 – Glaucimar Peticov
LíderCast 113 – Glaucimar Peticov
“Eu não tenho muros, só tenho horizontes” é a frase de ...

Ver mais

LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
Professor, consultor, com vasta experiência no setor ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

É milagre, Crivella?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O Rio de Janeiro continua lindo Gil, e complicado; mais do que isso, espantoso. Não dá pra entender a razão pela qual os fluminenses elegem gente (latu sensu, ófi córsi) como Anthony Garotinho, ...

Ver mais

O despertador intelectual e a origem das ideias
Jota Fagner
Origens do Brasil
Possivelmente você teve uma pessoa que, em determinado momento de sua vida, acendeu a faísca da sua curiosidade sobre determinado assunto ou área do conhecimento. Talvez tenha sido mais de uma ...

Ver mais

Os caminhos para editar um livro
Isqueiro isqueiro
Muitas pessoas investem um tempo considerável colocando suas histórias e lições de forma escrita, para se perpetuarem na forma de livros. Mas, ao concluírem o texto, muitas vezes o guardam em ...

Ver mais

As causas e efeitos das barreiras de comunicação no trabalho
Mauro Segura
Transformação
Uma das maiores barreiras atuais para o sucesso de qualquer empresa é a comunicação no ambiente de trabalho, por mais irônico que isso possa aparecer por conta de todas as facilidades ...

Ver mais

Cafezinho 89 – Manifesto
Cafezinho 89 – Manifesto
Quero um mundo melhor, igualzinho a você. Talvez ...

Ver mais

Cafezinho 88 – A Teoria da Ilusão Fiscal
Cafezinho 88 – A Teoria da Ilusão Fiscal
Não existem soluções novas. O que existe é ignorância velha.

Ver mais

Cafezinho 87 – O que consome seu tempo de vida
Cafezinho 87 – O que consome seu tempo de vida
Se você não avaliar cada processo que consome seu tempo ...

Ver mais

Cafezinho 86 – Ser e parecer
Cafezinho 86 – Ser e parecer
É simples! É só fingir ser perfeito...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!

Mostrem essa coragem toda!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e os inevitáveis especialistas em ser-do-contra, tudo já foi dito. Menos o necessário: 1) Como o Rio chegou a esse ponto? 2) Quem está reclamando tem alguma outra solução?

Noves-fora a interminável masturbação sociológica dos especialistas em nada, assessorados pela nata dos intelectualóides de boteco, é inegável que essa situação não começou, mas tornou-se catastrófica por obra de Leonel Brizola, um maluco travestido de sábio que governou o Rio por duas vezes: Entre 1983/87 e 1991/94. Entre as muitas barbaridades que praticou, instituiu uma espécie de trégua com o tráfico; como todo populista de esquerda (perdão pela redundância) se achava um gênio e dividia o povo em classes. Daí nasceu sua brilhante ideia de “isolar” os traficantes nos morros e favelas (não, não é “comunidade”, é favela mesmo; eufemismo não melhora a realidade), deixando o “asfalto” aparentemente incólume. A ilusão durou o suficiente para os trafiquentos perceberam que não estavam isolados, muito pelo contrário: Estavam fortificados, seguros num castelo inexpugnável, presenteado pelo governador. Para coroar a desgraça, Brizola prometeu leniência da polícia, que ia fazer vista grossa nessa ocupação territorial promovida por um exército extremamente bem armado, mimetizado, conhecedor do território e infiltrado entre moradores.

O tráfico cresceu como nunca, armas de grande poder de fogo chegaram aos milhares às mãos de bandidos e facções enormes, cruéis, instalando ali uma espécie de poder paralelo sob o beneplácito do governo real – uma espécie de República Popular da Droga.

Contando com a proteção de entidades de “paz” e “direitos humanos”, além da falsa sensação de segurança da classe alta refugiada nos nobres enclaves cariocas, aliados ao assistencialismo praticado pelos bandidos junto à população (fruto do absoluto desinteresse do estado e da miséria espalhada pelo populismo esquerdizante), a coisa se transformou nisso aí: Completa e confessada falência da segurança pública nesse Estado da Federação.

Não há como deixar de fora desse sucesso às avessas o patrocínio dos piores governadores do Rio de Janeiro: Garotinho e Rosinha, a dupla inesquecível, e Sérgio Cabral. O trio dispensa comentários, e suas folhas corrida falam por si à falta de melhor currículo. Interessante lembrar que, durante o desgoverno deles e dos amigos e aliados  Lula & Dilma, o quinteto do inferno jactava-se de existir ali um exemplo para o Brasil e para o mundo; as favelas, ops, “comunidades”, estavam pacificadas, o tráfico era coisa do passado, e o céu era o limite para a felicidade carioca, comandada pelos melhores governantes que o planeta podia fornecer. Deu no que deu.

Mas lembrar tudo isso não é só incômodo para os vendedores de ilusão; também cansa. Haja vista a turma que imita pombinhas com as mãos e “abraça” praças e lagoas em luta por uma paz utópica que, acreditam, virá como a chuva redentora em suas passeatas “do bem”. Tudo se resolveria com muito amor ao próximo e compreensão às pobres vítimas de uma sociedade capitalista sem coração.

Essa mesma gente, aliada aos lulistas de sempre, esgoelam-se, furiosos, alegando que o Exército vai subir o morro para exterminar o povo e os direitos civis, que nada disso vai funcionar – embora tenham achado a ideia sensacional em 2014, durante o podre governo Cabral – com militares nos morros e mandados de busca coletivos, que antes a lulada amava e hoje classifica como “guerra contra pobres e pretos”. Hipócritas.

Terminam sua arenga dizendo que intervenção militar “não resolve” o problema do narcotráfico. Ora, ninguém disse que vai resolver, mas é a saída possível no momento.

Bom, esses sábios da paz estão convidados a apresentar alguma solução para o problema que eles mesmos criaram com tanto “amor” dispensado às “pobres vítimas da sociedade”. Por outro lado, os militares certamente convidariam, com muito prazer, todos esses defensores de traficantes a subir o morro na frente deles. Desarmados, claro; afinal violência só gera violência, camaradas. Poderiam usar camisetas brancas, flores, convencendo os bandidos a baixar os fuzis e se entregar na moral. Os demais 80% da população que apoiam a incursão do exército vão assistir pela TV à performance dessa gente que vende discursinho barato como solução pra qualquer coisa. Boa sorte na subida; a descida será com os pés pra frente.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes