Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

636 – As duas éticas da eleição
636 – As duas éticas da eleição
Gravei um LíderCast da Temporada 11, que só vai ao ar ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial
Henrique Szklo
Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

O ENEM e a (anti-)educação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Nos dois últimos fins-de-semana, milhões de candidatos ao ensino superior realizaram as provas do ENEM. O vestibular é o telos do ensino fundamental e médio no Brasil. As escolas privadas assumem ...

Ver mais

Cafezinho 125 – O chute
Cafezinho 125 – O chute
Se o governador mentiu ou se enganou, peço desculpas ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

Cafezinho 122 – Vira a chave
Cafezinho 122 – Vira a chave
Mudar de assunto no calor dos acontecimentos é ...

Ver mais

Moralidade e Capitalismo – parte 1

Moralidade e Capitalismo – parte 1

Alessandro Loiola -

Durante milênios, as sociedades caracterizaram-se majoritariamente por uma cultura agrícola de subsistência, com poucas cidades, poucas estradas, poucos sistemas de comunicação, pouco uso de dinheiro, pouca alfabetização e pouco comércio.

Apesar das idas e vindas dos Impérios Persa e Romano, do longo período do Califado e da aparência eterna das dinastias Chinesas, as sementes do que conhecemos como capitalismo foram plantadas pelo incremento dos mercados na Europa durante os séculos XIV e XVI.

Uma série de eventos cumulativos aqueceu o forno para o longo cozimento de 400 anos do capitalismo, tais como o crescimento da agricultura e da indústria a partir do século IX; a reconquista das rotas do Mediterrâneo (até então sob posse dos Califas); a queda abrupta e substancial na população agrícola no período que se seguiu à Peste Negra (que resultou em pressões sobre o sistema de produção feudal e alterou a balança de poder); as transformações ideológicas da Renascença e da Reforma; as grandes navegações; as guerras religiosas na Alemanha e na França; e as Revoluções na Holanda, Inglaterra e França.

Durante este tempo, o Estado da China mantinha o monopólio da economia e a Rússia convulsionava sob a fusão de duas tradições tirânicas – o absolutismo ortodoxo religioso e o despotismo tártaro -, o que inibiu o florescimento da economia de livre mercado nestas regiões. Na Europa Ocidental, por outro lado, o colapso completo da autoridade romana e as invasões bárbaras fraturaram a ordem vigente, permitindo a aparição do capitalismo.

À primeira vista, como o capitalismo baseia-se no livre comércio e este tende a treinar as pessoas para se preocuparem principalmente – ou apenas – com o progresso material, ele não parece necessariamente levar à evolução Moral. No capitalismo, as pessoas não buscam pela Verdade, ou pela beleza, pela honra, pela coragem ou pela sabedoria. Elas buscam conforto. Neste sentido, uma sociedade capitalista não difere muito de uma sociedade comunista: em ambas, a motivação dos indivíduos é atingir um determinado padrão material de vida – e só.

Segundo Max Weber, o ser humano não quer “por natureza” ganhar dinheiro e sempre mais dinheiro, mas simplesmente viver, viver do modo como está habituado a viver e auferir o necessário para tanto. Onde quer que o capitalismo moderno tenha dado início à sua obra de incrementar a “produtividade” do trabalho humano pelo aumento de sua intensidade, ele se chocou com a resistência infinitamente tenaz desta filosofia pré-capitalista, e choca-se ainda hoje por toda parte, tanto mais quanto mais atrasada é a mão-de-obra da qual se vê depender.

Maximilian Carl Emil “Max” Weber (1864–1920) – ou simplesmente Max Weber – é certamente um dos sociólogos mais influentes do século XX, junto com Karl Marx e Emil Durkheim, e suas teses o levaram a ser considerado um dos fundadores da Modernidade.Weber nasceu e foi criado em uma família próspera, cosmopolita e culta, e casou-se com uma intelectual pioneira dos movimentos ativistas pelos direitos femininos.

Em 1897, a morte de seu pai causou-lhe um colapso nervoso, levando-o a retirar-se da vida acadêmica em 1903. Com o início da Primeira Guerra Mundial, o envolvimento de Weber com a vida pública passou por uma reviravolta: inicialmente um fervoroso nacionalista e apoiador do conflito, o anteriormente pitiático Weber aos poucos se desiludiu com a política de guerra alemã, tornando-se um dos mais ferozes críticos do Kaiser.

Com a derrota da Alemanha em 1919, Weber foi alçado à fama como um líder intelectual, com excelentes credenciais democráticas e liberais. Contudo, sua oposição à Revolução Germânica e ao Tratado de Versalhes tornaram a ideia de uma carreira política insustentável e Weber retomou suas atividades acadêmicas, escrevendo vigorosamente. Infelizmente, este novo ciclo criativo foi interrompido em 1920, quando o surto de Gripe Espanhola levou-o à morte aos 56 anos de idade, por pneumonia, em Munique.

Confuso, prolixo e impreciso como parece ser de praxe em todo filósofo alemão, Weber foi inacreditavelmente explícito ao apontar que a ideia singular da profissão como um dever, uma obrigação que o indivíduo deve sentir, é característica da ética social da cultura capitalista. “O ganho desbragado sem vínculo interno com norma alguma” – afirmou ele no cansativo A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo –“sempre existiu em todos os períodos da história, onde quer e como quer que de fato fosse possível”.

“Quando o salário é insuficiente, a produtividade do trabalho cai e, no longo prazo, promove uma verdadeira seleção dos mais incompetentes” – escreveu Weber.Por isso, você deveria desistir de tentar debitar este pecado na conta do capitalismo: a ganância é parte de nossa natureza. Aceite este fardo com gratidão.

Por trás das forças condutoras da história, portanto, espreita uma ambição pueril que nos faz engendrar maneiras cada vez mais industriosas para resolver a penúria à nossa volta em busca de comodidade, influência, fama ou lucro.Escondido à sombra desta avareza, o mercado nos seduz com uma aptidão inevitável para o metacapitalismo proporcional ao amor que os Estados, democráticos ou não, nutrem em se deteriorar em Plutocracias.

Não surpreende, portanto, a facilidade com que a retórica das soluções pragmáticas do Realismo Moral de cunho socialista-comunista causa encantamento: seus “imperativos categóricos” e suas “verdades substantivas” são fundamentados em operações aritméticas simples, básicas, de resultados inteiros e sem casas decimais. Não existem variáveis, não existe heterogeneidade no comunismo – tudo é monoteísmo ideológico absolutista. Mas não é mais ou menos assim também que o opera o capitalismo democrático liberal?

Elimine-se do enunciado do problema comunista o termo “coletividade”, substituindo-o por “lucro”, e o resultado será tão idêntico quanto um gêmeo univitelino: todas as ações devem ter como objetivo o fomento do desenvolvimento e a proteção do bem-maior para a coletividade / o lucro. É em nome da coletividade / do lucro que as leis devem ser elaboradas; a política, construída; o cidadão, instruído; as instituições, preservadas; o futuro, planejado.

Vistos por esta ótica, comunismo e capitalismo são como Caim e Abel, Harry Houdini e Hardeen, Fredo e Michael Corleone, Mufasa e Scar, Cláudio e Hamlet – competem entre si, odeiam-se, vilipendiam-se, mas pertencem à mesma exata linhagem. Aqueles que advogam o capitalismo democrático e liberal citam os EUA – a nação mais rica do mundo atual e uma potência militar inquestionável – como exemplo de liberdade, dividendos e bonança. Aqueles que defendem o comunismo coletivista e ditador podem citar a China – segunda maior economia do planeta e com uma população equivalente a quatro EUA – como exemplo de objetividade, planejamento e disciplina.

Ao final do embate, com direito a graves acusações Morais e meia dúzia de xingamentos bilaterais, sobram silogismos de ambos os lados na mesma medida em que faltam entendimentos racionais entre as partes. A tirania opressiva do Grande Irmão está para o socialismo comunista assim como a ansiedade pelo Sucesso está para o capitalismo democrático- mas nenhum deles ousar apontar o dedo para os podres da família.

As defesas Morais do Capitalismo foram semeadas por John Locke, Adam Smith, Ludwig von Mises e Ayn Rand, entre outros medalhões da filosofia, e podem ser reunidas em seis argumentos principais:

1 – LIBERDADE

2 – DIGNIDADE

3 – DISPERSÃO DO PODER

4 – HUMANITARISMO

5 – RESPONSABILIDADE

6 – PRAGMATISMO

(continua num próximo post)

Ver Todos os artigos de Alessandro Loiola