Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Moralidade e Capitalismo 7: O Pragmatismo

Moralidade e Capitalismo 7: O Pragmatismo

Alessandro Loiola -

Em essência, o capitalismo é indiferente quanto a raça, classe, cor, religião, sexo, nacionalidade, credo, bom ou mau. É impessoal e não-humano como um programa de computador. E tem suas neuroses conflitantes, como a escolha entre “liberdade com dispersão de poder versus efetividade com concentração das tomadas de decisões”.

Defender o capitalismo como sendo o sistema o menos ruim é bem diferente de defender o melhor possível. A utopia do melhor possível seria um capitalismo inteligentemente modulado para garantir recompensas aos empreendedores e aos gestores responsáveis, ao mesmo tempo em que desencoraja e pune predadores e oportunistas de índole duvidosa.

Para que o capitalismo funcione mais ou menos assim, as regras pelas quais os negócios operam devem refletir pragmaticamente os interesses de progresso da sociedade como um todo, e não apenas aqueles do mundo corporativo e da Seita do Lucro Acima de Tudo: as cercas Morais que delimitam o bom capitalismo devem ser pintadas com algumas cores Consequencialistas e Utilitaristas, incluindo medidas capazes de punir a trapaça, a desonestidade e o roubo – mas jamais intransigentes ao ponto de sufocar o livre mercado.

Entre ataques e defesas, quase todos os esforços para conferir ao capitalismo um véu de Moralidade esbarram nas mesmas dificuldades: quanto mais tentamos lhe impor Moralidades, menos eficiente o capitalismo se torna. Quanto mais as aliviamos, mas belicoso ele se manifesta. Desfazer o nó deste dilema não é tarefa fácil, mas declará-lo insolúvel é um derrotismo inútil.

O aumento da riqueza é essencial para o bem estar das sociedades, mas é óbvio que apenas isto não é suficiente para produzir felicidade. Somos tanto criaturas de espíritos quanto somos criaturas de carnes, incapazes de atingir um estado de Eudaimonia sem descobrir um propósito Moral engrandecedor para nossas vidas – ainda que ele seja vago e imperfeito. Neste sentido, o capitalismo per se não basta.

A saída deste labirinto passa pelo aperfeiçoamento de uma economia emoldurada por sólidos fundamentos Morais onde todos – absolutamente todos – são iguais perante a lei, a despeito de casta, raça, cor, sexo, tribo ou prestígio. A igualdade de riquezas é uma fantasia utópica que usualmente conduz à tirania, mas a igualdade diante da lei é um desígnio razoável e reforça o poder natural do capitalismo, colocando-o em um contexto de justiça.

Outra maneira de tornar o capitalismo Moralmente benéfico e aceitável consiste em defender – com o devido bom senso – a igualdade de oportunidades. Um dos grandes milagres da humanidade é a incrível diversidade de talentos que podem ser colocados a serviço da sociedade, e o mercado deveria ter como objetivo-mor identificar e recompensar estes talentos.

Infelizmente, as soluções alternativas para o capitalismo experimentadas até hoje foram todas coletivistas, e não surpreende que tenham causado desgraças aos montes, cada uma ao seu modo. O remédio para o capitalismo está dentro do próprio capitalismo, devendo ser dosado de acordo com a realidade e os recursos humanos de cada nação.

Ver Todos os artigos de Alessandro Loiola