Iscas Intelectuais
A fábrica de conteúdo
A fábrica de conteúdo
A Confraria Café Brasil dá um passo adiante e começa a ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo
Um jeito de ver o mundo
Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta explicar o ...

Ver mais

LíderCast 5
LíderCast 5
Acabamos de lançar a Temporada 5 do podcast LíderCast, ...

Ver mais

O padrão
O padrão
Isca intelectual de Luciano Pires demonstrando que ...

Ver mais

553 – Exponential Talks
553 – Exponential Talks
Podcast Café Brasil 553 - Exponential Talks - Luciano ...

Ver mais

552 – LíderCast 5
552 – LíderCast 5
Podcast Café Brasil 552 - LíderCast 5 . Este programa ...

Ver mais

999 – Hotel Califórnia
999 – Hotel Califórnia
Podcast Café Brasil - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

551 – Todo mundo é deficiente
551 – Todo mundo é deficiente
Podcast Café Brasil 551 - Todo mundo é deficiente. ...

Ver mais

LíderCast 061 – Flavio Azm
LíderCast 061 – Flavio Azm
Hoje recebemos Flavio Azm que é cineasta, mas é muito ...

Ver mais

LíderCast 060 – Raiam Santos
LíderCast 060 – Raiam Santos
Hoje recebo Raiam Santos, um jovem brasileiro que não ...

Ver mais

LíderCast 059 – Geraldo Rufino
LíderCast 059 – Geraldo Rufino
Hoje recebemos Geraldo Rufino um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
Hoje recebemos Marcelo Wajchenberg, que é médico ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Diferentes olhares
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Diferentes olhares Metade cheia e metade vazia do copo “Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava ...

Ver mais

Não contrate um comunista
Raiam Santos
Só com esse título, já deve ter gente se coçando para buscar meu CPF e tentar me processar por incitação ao ódio e preconceito. Calma, meus amigos! Sou o tipo do cara que odeia discutir política, ...

Ver mais

Carta aberta aos podcasters
Mauro Segura
Transformação
Por que os podcasts não crescem como negócio no Brasil? A resposta pode estar nessa carta aberta de Mauro Segura para os podcasters.

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garshagen. No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes ...

Ver mais

Militares de ouro do Brasil

Militares de ouro do Brasil

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto

Por que a maior parte da imprensa esconde que a judoca Rafaela Silva, o primeiro ouro nacional nos Jogos do Rio, é sargento da Marinha do Brasil e faz parte do programa de desenvolvimento de atletas de alto nível das Forças Armadas?

Porque é imprecisa sobre os fatos e, mesmo estando em 2016, preconceituosa com os militares ao não reconhecer o trabalho bem feito em nome do país, neste caso dos militares, que são igualmente brasileiros e somam medalhas para o Brasil.

A maioria dos colegas das redações se esmera ao lembrar da origem humilde da atleta, o que é um fato, mas erra ao não citar e valorizar o meio como ela, com sua competência e dedicação, se superou. Este também um fato, mas desta vez ignorado.

Chega do coitadismo disfarçado de benemerência com desinformação conveniente.

Ressalte-se o sucesso pela competência dela e da estrutura a que teve acesso. Reconheça-se isso.

Em algum momento, o Brasil acertou com ela.

Este é um modelo a ser seguido.

A sargento Rafaela Silva, a primeira medalhista de ouro, foi grandiosa por si, pela sua superação depois de Londres, e pelos meios que a permitiram se desenvolver.

Ela é o exemplo a ser seguido.

É talento de uma brasileira de sempre e um êxito do Brasil contemporâneo.

__________________________________________________________________

Matéria publicada em http://www.cbj.com.br/militar/

judocas

Com o objetivo de fortalecer a equipe brasileira para a 5ª edição dos Jogos Mundiais Militares, realizada em 2011, no Rio de Janeiro, o Ministério da Defesa em parceria com o Ministério do Esporte criou em 2008 o Programa de Incorporação de Atletas de Alto Rendimento às Forças Armadas Brasileiras. O Exército e a Marinha foram os primeiros a aderir ao programa. Mais tarde, em 2014, a Força Aérea Brasileira (FAB) também passou a fazer parte do projeto, que visava também à preparação dos atletas para as Olimpíadas de Londres 2012 e do Rio 2016.
A Confederação Brasileira de Judô participa do Programa desde 2009, tendo, atualmente, 30 atletas da seleção que são também militares: 12 na equipe masculina e 18 na equipe feminina. Desses 30 atletas, 12 alistaram-se no Exército e 18 na Marinha.

O alistamento é feito de forma voluntária e o processo de seleção leva em conta os resultados dos atletas em competições nacionais e internacionais. Dessa forma, as medalhas já conquistadas na carreira transformam-se em pontuações nos concursos para preenchimento das vagas de sargento e marinheiro, por exemplo.

Na prática, a função dos atletas é defender o Brasil em competições militares como os Jogos Mundiais, que em 2015 acontecerão na Coréia do Sul. Em contrapartida, o atleta recebe instruções militares para uma formação básica com um treinamento que dura, em média, três semanas. A partir daí, ele passa a receber o soldo, tem direito à assistência médica e pode utilizar todas as instalações esportivas militares.

Jogos Mundiais Militares

O resultado do Programa foi notório, sobretudo na última edição dos Jogos Mundiais Militares, em 2011. O país ficou em primeiro lugar no quadro geral, conquistando 114 medalhas: 45 ouros, 33 pratas e 36 bronzes. Esse foi o melhor desempenho da história do Brasil na competição. Na edição anterior, em Hyderabad, na Índia, o país havia ficado apenas com a 31ª colocação no quadro geral.

O judô foi uma das modalidades fundamentais nessa campanha, apresentando também um resultado excelente com recorde de medalhas na competição. Ao todo, foram doze pódios: cinco ouros, quatro pratas e três bronzes. Os campeões foram os judocas Luciano Corrêa, Maria Portela e Leandro Guilheiro no individual. Na disputa por equipes, o Brasil levou a melhor tanto no feminino, quanto no masculino. As pratas ficaram com Sarah Menezes, Andressa Fernandes, Ketleyn Quadros e Maria Suelen Altheman. Leandro Cunha, Bruno Mendonça e Rafael Silva conquistaram o bronze.

Veja abaixo a lista de atletas da seleção sênior de Judô que integram os quadros Militares:
Masculino
Felipe Kitadai – Exército
Eric Takabatake – Exército
Charles Chibana – Exército
Bruno Mendonça – Marinha
Alex Pombo – Exército
Leandro Guilheiro – Exército
Victor Penalber – Exército
Tiago Camilo – Exército
Eduardo Santos – Marinha
Luciano Corrêa – Exército
Rafael Silva – Exército
Walter Santos – Marinha

Feminino
Sarah Menezes – Marinha
Gabriela Chibana – Exército
Nathália Brígida – Marinha
Érika Miranda – Marinha
Raquel Silva – Marinha
Eleudis Valentim – Exército
Rafaela Silva – Marinha
Ketleyn Quadros – Marinha
Flávia Gomes – Exército
Mariana Barros – Marinha
Mariana Silva – Marinha
Katherine Campos – Marinha
Maria Portela – Marinha
Nádia Merli – Exército
Bárbara Timo – Marinha
Mayra Aguiar – Marinha
Maria Suelen Altheman – Marinha
Claudirene Cézar – Marinha

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto