Iscas Intelectuais
A fábrica de conteúdo
A fábrica de conteúdo
A Confraria Café Brasil dá um passo adiante e começa a ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo
Um jeito de ver o mundo
Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta explicar o ...

Ver mais

LíderCast 5
LíderCast 5
Acabamos de lançar a Temporada 5 do podcast LíderCast, ...

Ver mais

O padrão
O padrão
Isca intelectual de Luciano Pires demonstrando que ...

Ver mais

553 – Exponential Talks
553 – Exponential Talks
Podcast Café Brasil 553 - Exponential Talks - Luciano ...

Ver mais

552 – LíderCast 5
552 – LíderCast 5
Podcast Café Brasil 552 - LíderCast 5 . Este programa ...

Ver mais

999 – Hotel Califórnia
999 – Hotel Califórnia
Podcast Café Brasil - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

551 – Todo mundo é deficiente
551 – Todo mundo é deficiente
Podcast Café Brasil 551 - Todo mundo é deficiente. ...

Ver mais

LíderCast 061 – Flavio Azm
LíderCast 061 – Flavio Azm
Hoje recebemos Flavio Azm que é cineasta, mas é muito ...

Ver mais

LíderCast 060 – Raiam Santos
LíderCast 060 – Raiam Santos
Hoje recebo Raiam Santos, um jovem brasileiro que não ...

Ver mais

LíderCast 059 – Geraldo Rufino
LíderCast 059 – Geraldo Rufino
Hoje recebemos Geraldo Rufino um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
Hoje recebemos Marcelo Wajchenberg, que é médico ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Diferentes olhares
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Diferentes olhares Metade cheia e metade vazia do copo “Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava ...

Ver mais

Não contrate um comunista
Raiam Santos
Só com esse título, já deve ter gente se coçando para buscar meu CPF e tentar me processar por incitação ao ódio e preconceito. Calma, meus amigos! Sou o tipo do cara que odeia discutir política, ...

Ver mais

Carta aberta aos podcasters
Mauro Segura
Transformação
Por que os podcasts não crescem como negócio no Brasil? A resposta pode estar nessa carta aberta de Mauro Segura para os podcasters.

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garshagen. No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes ...

Ver mais

Meras coincidências

Meras coincidências

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Desde o início do “programa” Lula de perdão de dívidas de países africanos, sempre pareceu muito estranha essa “benemerência” desinteressada, como se o Brasil fosse riquíssimo, com muita grana pra gastar com esmola aos pobres. Qual seria o motivo dessa repentina “bondade” com o lado de lá do Atlântico, dessa tão desinteressada benemerência?

Lula alegava uma tal “dívida histórica” com a África, motivos “estratégicos” e outras besteiras esquerdistas sem o menor fundamento. Não colava. E, principalmente, não cheirava bem. Essa gracinha começou em 2003, com Lula, e seguiu até 2013, com a mamulenga afastada. Os países-alvo desse presente dos deuses eram: Congo-Brazzaville, Sudão, Gabão e Guiné Equatorial, como noticiou o jornal O Globo em agosto de 2013: http://oglobo.globo.com/mundo/com-anistia-brasil-beneficia-paises-africanos-acusados-de-corrupcao-9345651

Alguns apontavam como motivo dessa esbórnia financeira o interesse nacional em chegar ao Conselho de Segurança da ONU com os votos desses países; outro sonho megalômano do dupla que destruiu o País – acreditar que uns agrados a países quebrados e ditaduras insignificantes colocariam o Brasil no topo da ONU, e ele no cargo de secretário-geral da entidade! Que pesadelo mais “megalonanico”, como diria Reinaldo Azevedo.

Mesmo admitindo-se essa estupidez abissal, a conta não fechava. Lula e sua gangue nunca deram ponto sem nó. Nunca. Se há algum favorecimento, mesmo disfarçado, eles exigem contrapartida. Sem exceção.

O valor presenteado chegava (à época) a um bilhão de dólares. Atenção: US$ 1.000.000.000,00! Ou quase 4 vezes isso em Reais! Um Kilimanjaro de dinheiro. Dado, de presente, a fundo perdido? Coisa de hospício… ou haveria alguma outra malandragem escondida sob o verdejante tapete africano?

Sim, havia: esses países, entre outros (como Angola e Moçambique) tinham muito mais em comum do que apenas a geografia africana. Todos eram (são) ditaduras corruptas, sanguinárias, podres. E, numa coincidência incrível – ora vejam só! – são justamente esses países que estão envolvidos até o pescoço com as obras executadas pelas empreiteiras investigadas (algumas condenadas) na operação Lava Jato, bem como toda a lavagem do dinheiro roubado da Petrobrás! Olha só, que coincidência impressionante!

Quando o maior desvio de dinheiro público da História humana foi noticiado, já era tarde; as ligações dessa trama imunda vieram à tona no mar de lama. Os países premiados com o perdão das dívidas (perdão esse tão ilegal, criminoso, quanto imoral) são os mesmos que mantiveram relações inconfessáveis com a lavagem internacional da montanha de grana roubada aqui; tudo revelado pela Lava Jato. Foram 12 países africanos, além de Cuba, Venezuela e Bolívia. Onde teve o tal perdão, teve maracutaia grossa com as empreiteiras do Petrolão. Tudo, obviamente, uma coincidência enorme, claríssima, evidente. Nem pensar que Lula bolou um plano multinacional para desviar dinheiro; isso é maldade dos coxinhas. Aham. Tá lá em Cuba o porto de Mariel pra provar isso, ou o metrô de Caracas, ou as estradas e ferrovias bolivianas. A grande maioria dessas obras dadas de presente aos cúmplices foi “combinada” através do ex-neolobista Zé Dirceu, olha que outra coincidência fantástica.

A lulada diz que tudo isso é bobagem, que a África é “estratégica”, e é muito mais importante manter laços íntimos, embaixadas e negócios com esses países do que com Europa e Estados Unidos. Palavras de Marco Aurélio top-top Garcia, o rei do terceiro-mundo bolivariano.

O ditador da Guiné Equatorial (na foto com Dilma) e sua família, os Obiang, comandam uma população faminta, miserável, como se fossem seus escravos. Numa única noite, o filho do ditador nojento, Teodorín, esbanjou num leilão de objetos caríssimos em Paris o dobro do que lhes foi presenteado por Lula e sua turma. E nós pagamos mais essa conta. Para conferir essa história de terror: http://www.implicante.org/blog/dilma-anistiou-divida-da-guine-equatorial-ditadura-sangrenta-que-patrocinou-a-beija-flor/

Essas ações casadas entre amigos “progressistas”, na base do “eu tapo seu buraco e você tapa o meu”, no bom e no mau sentido, são a prova cabal da criminalidade instalada no governo federal, sem nenhum pudor, por 13 anos. E sempre com aquela conversinha canalha de “herança maldita” de FHC, uivando de ódio contra as privatizações que salvaram o País. Pois até isso essa horda fez. Vendeu ativos da Petrobrás a preço de banana, em troca das imundícies negociadas com Cristina Kirchner, a versão Barbie Idosa Del Tango de Dilma: http://www.oantagonista.com/posts/a-petrobras-e-os-hermanos

Nem vamos mencionar a refinaria dada para a Bolívia, quando o narcopresidente Evo Morales mandou seu exército brancaleônico, com armamento emprestado da Venezuela, invadir as instalações da Petrobrás de lá em 2006. Uma vergonha sem par: http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u95508.shtml

Em países decentes, não riem de nós pelo que somos. Riem do que fazemos. E do que deixamos fazer. Vamos ver até quando seremos piada do mundo. Infelizmente, não falta enredo pra piada. A Olimpíada pode ser a maior de todas.

Ou vai ver que tudo não passa apenas de uma enorme coincidência. Coxinhas maldosos!

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes