Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
Mais um programa musical. E daqueles, cara. Você sabe ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
Professor, consultor, com vasta experiência no setor ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 82 – Paciência
Cafezinho 82 – Paciência
O que uma árvore frondosa precisa para se manter firme ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Mandioca para todos!

Mandioca para todos!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                        Te cuida, Mulher Melancia. Vocês também, Mulher Melão e Mulher Morango. Tremei, todas as Mulheres-Algo, pois brota do chão a mais nova tendência feminina para o fim de feira ao qual o Brasil foi relegado: A Mulher Mandioca.

                        Dilma voltou de seu improdutivo passeio nos EUA com algumas certezas enfiadas naquela terra de ninguém que traz entre as orelhas e ousa apelidar de cérebro: Ela é simplesmente o máximo e o mundo, principalmente os americanos, tem muito a aprender com ela. É mandioca demais pra nossa barraquinha de feira.

                        Ela decolou daqui pouco se lixando com o barranco que estamos rolando, sem esperança de um mísero galhinho que nos ampare. E o chão duro ainda tá longe.

                        É impressionante (mesmo para os mais empedernidos puxassacos e intere$$ados), até mesmo para Jô Soares, nomeado Elogiador Geral da República e condecorado pela cara de pau demonstrada na sua entrevista-palanque, a forma como Dilma simplesmente ignora a realidade. Claro, a aversão da esquerda caviar aos fatos é conhecida; Lênin, sua múmia-mor, já dizia que a diferença entre mentira e verdade é apenas um conceito burguês. Quero ver quem, do atual desgoverno, vai ter coragem de explicar isso aos trabalhadores que ficarão sem abono este ano por pura falta de dinheiro para pagar o benefício. Enfim, mais do Dilmismo, essa praga, essa peste negra que assola o País. E madame passeia nos EUA, gostosamente instalada numa suíte de US$ 11 mil a diária. Que coisa meiga.

                        A despedida antes das férias ao estilo Rainha de Copas foi inesquecível; será sempre lembrada como a presidente que louva a mandioca (os trocadilhos estão em êxtase) e criou uma tal de mulher sapiens, algo que nem mesmo o mais heterodoxo antropólogo saberia definir de onde surgiu. Sua única atitude esperta (tão esperta quanto calhorda) foi excluir Aluízio Mercadante do convescote internacional. Afinal, o sujeito está enrolado até o pescoço com as delações premiadas da Operação Lava Jato e madame não queria explicar esses detalhes sórdidos. Dá muito trabalho, mesmo para uma mulher sapiens, enfrentar jornalistas num país sério.

Em suas férias no império do mal, no qual todo comunista se rende às delícias do consumismo e do capitalismo podre, a Mulher Mandioca não deixou por menos, e deu aulas de arrogância explícita, como se estivesse aqui na Banânia. Ficou muito irritada com essa mania americana de ter de responder a perguntas de jornalistas, ora veja que ousadia!

                        De resto, disse todas as bobagens possíveis, dignas de anedota, desenvolvendo novos ramos do Dilmês, a língua que criou para dizer muita besteira sem explicar fato algum. Coisa de hospício. Deu ao mundo a certeza de que não passa de uma irresponsável que conseguiu destruir a economia e o sistema político de um dos maiores países do mundo. Dilma é uma piada, e de mau gosto. Mesmo os 9% que (ainda) a apóiam não conseguem, nem com muita mandioca (em ambos os sentidos), demonstrar que seu fracasso retumbante é apenas um sucesso com pouca publicidade.

                        O Brasil ainda não acabou. Mas Dilma retorna à presidência do bordel com a mesma certeza com a qual viajou: Tudo está bem, ela é simplesmente o máximo, e esses 91% que a reprovam não passam de uma elite fascista, sexista, maldosa, que odeia os pobres.

                        A mandioca, com areia grossa, vai ser o prato mais servido na porta dos fundos de qualquer dos percentuais representativos.

                        Saúdem, pois, essa conquista que ilustra bem o passado e decora nosso futuro – A Mandioca: 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes