Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

597 – Simplifique
597 – Simplifique
O programa de hoje é um presente. Reproduzimos na ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Mandioca para todos!

Mandioca para todos!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                        Te cuida, Mulher Melancia. Vocês também, Mulher Melão e Mulher Morango. Tremei, todas as Mulheres-Algo, pois brota do chão a mais nova tendência feminina para o fim de feira ao qual o Brasil foi relegado: A Mulher Mandioca.

                        Dilma voltou de seu improdutivo passeio nos EUA com algumas certezas enfiadas naquela terra de ninguém que traz entre as orelhas e ousa apelidar de cérebro: Ela é simplesmente o máximo e o mundo, principalmente os americanos, tem muito a aprender com ela. É mandioca demais pra nossa barraquinha de feira.

                        Ela decolou daqui pouco se lixando com o barranco que estamos rolando, sem esperança de um mísero galhinho que nos ampare. E o chão duro ainda tá longe.

                        É impressionante (mesmo para os mais empedernidos puxassacos e intere$$ados), até mesmo para Jô Soares, nomeado Elogiador Geral da República e condecorado pela cara de pau demonstrada na sua entrevista-palanque, a forma como Dilma simplesmente ignora a realidade. Claro, a aversão da esquerda caviar aos fatos é conhecida; Lênin, sua múmia-mor, já dizia que a diferença entre mentira e verdade é apenas um conceito burguês. Quero ver quem, do atual desgoverno, vai ter coragem de explicar isso aos trabalhadores que ficarão sem abono este ano por pura falta de dinheiro para pagar o benefício. Enfim, mais do Dilmismo, essa praga, essa peste negra que assola o País. E madame passeia nos EUA, gostosamente instalada numa suíte de US$ 11 mil a diária. Que coisa meiga.

                        A despedida antes das férias ao estilo Rainha de Copas foi inesquecível; será sempre lembrada como a presidente que louva a mandioca (os trocadilhos estão em êxtase) e criou uma tal de mulher sapiens, algo que nem mesmo o mais heterodoxo antropólogo saberia definir de onde surgiu. Sua única atitude esperta (tão esperta quanto calhorda) foi excluir Aluízio Mercadante do convescote internacional. Afinal, o sujeito está enrolado até o pescoço com as delações premiadas da Operação Lava Jato e madame não queria explicar esses detalhes sórdidos. Dá muito trabalho, mesmo para uma mulher sapiens, enfrentar jornalistas num país sério.

Em suas férias no império do mal, no qual todo comunista se rende às delícias do consumismo e do capitalismo podre, a Mulher Mandioca não deixou por menos, e deu aulas de arrogância explícita, como se estivesse aqui na Banânia. Ficou muito irritada com essa mania americana de ter de responder a perguntas de jornalistas, ora veja que ousadia!

                        De resto, disse todas as bobagens possíveis, dignas de anedota, desenvolvendo novos ramos do Dilmês, a língua que criou para dizer muita besteira sem explicar fato algum. Coisa de hospício. Deu ao mundo a certeza de que não passa de uma irresponsável que conseguiu destruir a economia e o sistema político de um dos maiores países do mundo. Dilma é uma piada, e de mau gosto. Mesmo os 9% que (ainda) a apóiam não conseguem, nem com muita mandioca (em ambos os sentidos), demonstrar que seu fracasso retumbante é apenas um sucesso com pouca publicidade.

                        O Brasil ainda não acabou. Mas Dilma retorna à presidência do bordel com a mesma certeza com a qual viajou: Tudo está bem, ela é simplesmente o máximo, e esses 91% que a reprovam não passam de uma elite fascista, sexista, maldosa, que odeia os pobres.

                        A mandioca, com areia grossa, vai ser o prato mais servido na porta dos fundos de qualquer dos percentuais representativos.

                        Saúdem, pois, essa conquista que ilustra bem o passado e decora nosso futuro – A Mandioca: 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes