Iscas Intelectuais
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

571 – Fala sério
571 – Fala sério
Podcast Café brasil 571 - Fala Sério - Todo povo tem o ...

Ver mais

Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Que triste sina. Em vez de aprender com o passado, ...

Ver mais

Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Os vivos serão sempre, e cada vez mais, governados ...

Ver mais

570 – LíderCast 6
570 – LíderCast 6
Hoje apresentamos nosso elenco de convidados da ...

Ver mais

LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes está à frente da implantação ...

Ver mais

LíderCast 072 Oscar Maroni
LíderCast 072 Oscar Maroni
Oscar Maroni se identifica como “dono de uma empresa ...

Ver mais

LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa é um dos mais ferrenhos ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A Era da Integração
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu sou eu mais as minhas circunstâncias.” (José Ortega y Gasset)   Um dia você apanha um velho álbum de fotografias e começa a revisitar seu passado. Entre as imagens registradas nas fotos ...

Ver mais

Nas redes sociais, você é o que publica
Mauro Segura
Transformação
A facilidade e a displicência com que publicamos algo numa rede social são incríveis. As vezes publicamos coisas que não entendemos bem e nem temos consciência do impacto que causamos.

Ver mais

Abaixo a polícia, viva o bandido!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, pára. Tudo bem que nós, viventes dessa nau dos insensatos chamada Brasil, estamos com o couro grosso de tanta asneira, e achávamos que discursos de Dilma seriam o ápice da fronteira entre a ...

Ver mais

O Festival de Besteira que Assola a Esquerda Brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Diante da condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, intelectuais, professores, artistas, estudantes e os demais suspeitos de sempre negam que Lula tenha cometido os crimes pelos ...

Ver mais

Maconhabrás

Maconhabrás

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Winston Churchill, exasperado com algumas decisões de comando dos aliados no final da 2ª Guerra Mundial, disse que os americanos sempre optam pela solução correta – depois de tentar todas as erradas. O maior estadista do século XX não conhecia os brasileiros; depois de experimentar todas as soluções erradas, voltamos a insistir nelas. Inacreditável nossa tendência, quase um vício, de acreditar que para tudo há uma solução simples, fácil, sempre ao alcance da mão. E que basta “vontade política” para resolver tudo num passe de mágica – ou numa canetada.

Enfim; dois expoentes do lulismo (o comediante Gregório Duvivier e o deputado Jean Wyllys) são exemplos clássicos dessa panaceia inventiva, na qual basta uma ideia de boteco pra resolver uma tragédia de décadas. Ambos, por exemplo, desejam a liberação das drogas, com algumas diferenças em seus planos salvadores.

Duvivier defende não só a legalização das drogas, como também um sistema completo de impostos a serem cobrados do usuário. Um gênio da raça. Que ideia perfeita! Além de tudo, um cultor do vernáculo: inventou o verbo “impostar”, na frase do original “…legalizaria a maconha e impostaria o consumo..). Seu texto risível (chorável?) foi comentado por Reinaldo Azevedo em seu blog (http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/bolsonaro-e-duvivier-sao-dois-clowns-que-existem-para-referendar-a-ignorancia-de-seus-respectivos-publicos/ ).

Beleza. Então tá. Como todo lulista, defendendo drogas para todos e nutrindo ódio pela iniciativa privada, acreditando que uma estatal é sempre a melhor saída para tudo, certamente lançaria a pedra fundamental da Maconhabrás; um cabidão de empregos que abrigaria 27 presidentes, 490 vices, 8.555 diretores, 47.112 gerentes e mais uns 2 milhões de aspones, todos devidamente inebriados pela marofa. Que lindo. Cargos, salários, aviões, escritórios luxuosos, secretárias, orçamento liberado e muita, mas muita erva, numa semana de trabalho de apenas 2 dias, das 14:15 às 14:30, com quinze minutos de descanso pra enrolar unzinho. O laboratório de testes, então, ia ser uma festa sem fim! Todo sacrifício é pouco para o bem do brasileiro!

O bem-intencionadíssimo rapaz acredita que isso resolveria o problema e traria gordos lucros em impostos ao País. Aham. Claro. Como se essa ingenuidade doente fosse impedir o comércio ilegal, paralelo, exatamente como o dos cigarros contrabandeados dos paraguetas, ou das bebidas falsificadas em todo o Brasil. A droga não está no submundo apenas pela ilegalidade em si, mas, principalmente, pelo lucro imundo. Cobrar impostos dos usuários os empurraria ainda mais para a criminalidade, pelos preços inevitavelmente maiores, exatamente como ocorre no contrabando e na falsificação. Sem contar que, como tudo que é produzido por estatais, a marofa governamental ia ser um lixo. Mais uma propaganda grátis para os traficantes de sempre. Uma espécie de Petrobrás do capeta. Mas que jamais quebraria! Afinal, a gente insiste em tudo que é ruim.

Pior: do jeito que funcionam as estatais, faltaria maconha, e o governo ia financiar os traficantes via BNDES para aumentar a produção e impedir o racionamento e a fissura!

O deputado Wyllys tem uma visão mais, digamos, paternalista do comércio de drogas; ele chama o tráfico praticado por menores de idade de “atividade” – o eufemismo esquerdopata é de emocionar, olha que coisa mais linda, mais cheia de graça: https://www.facebook.com/nossobrasilonline/videos/923465047713165/ ). O nobre deputado alega que, legalizado o uso e o tráfico das drogas, tudo ficará muito bom para esses adolescentes!

Glória Stalin! Mais um milagre operado pela múmia de Lênin! Proletários do mundo, uni-vos e cheirai! Meu crack, minha vida! Vai ter bolsa-cocaína?        Como é lindo o raciocínio dessa gente… alegam que o tráfico é “impossível” de se combater, então legaliza-se todo o complexo criminoso e fica tudo bem! Não me consta que furto assassinato ou roubo sejam igualmente fáceis de eliminar, e nem por isso sugere-se a legalização destes. Ainda não, claro; é bom não dar a ideia. O lulismo é capaz de absolutamente qualquer coisa.

O mais engraçado é que, quando Lula resolveu financiar a produção de cocaína na Bolívia com grana do BNDES, ninguém disse nada; esse país vizinho responde por 85% da cocaína consumida aqui. Taí o resultado. Cobre imposto de importação de Evo Morales, Duvivier; ele não passa de um narcotraficante travestido de presidente de um narcoestado. Daria um ótimo dirigente para a sua estatal.

 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes