Iscas Intelectuais
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

661 – A teoria do valor subjetivo
661 – A teoria do valor subjetivo
O mercado é o resultado da interação entre milhões de ...

Ver mais

660 – Na esquina da sua casa
660 – Na esquina da sua casa
Não espere que o Estado se preocupe com o indivíduo. O ...

Ver mais

659 – Empreendedorismo no Palco
659 – Empreendedorismo no Palco
Muitos anos atrás, acho que uns 20, fui convidado para ...

Ver mais

658 – Chá com a gente
658 – Chá com a gente
Este programa reproduz a edição especial do Podcast Chá ...

Ver mais

LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
Empreendedor, que vem lá do nordeste para mudar a vida ...

Ver mais

LíderCast 148 – Bruno Busquet
LíderCast 148 – Bruno Busquet
CEO da Tupiniq,In Inside Out Agency e president do ...

Ver mais

LíderCast 147 – Sherlock Gomes
LíderCast 147 – Sherlock Gomes
Músico, um guitarrista e baixista excepcional cuja ...

Ver mais

LíderCast 146 – Cândido Pessoa
LíderCast 146 – Cândido Pessoa
Um intelectual, professor no Paradigma centro de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Que falta faz Roberto Campos!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Que falta faz Roberto Campos!  Homenagem em três livros “O bem que o Estado pode fazer é limitado; o mal, infinito. O que ele nos pode dar é sempre menos do que nos pode tirar.” Roberto Campos ...

Ver mais

O copo, a água e o STF
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157256876268631 RESUMO DAS LIVES ANTERIORES: https://www.youtube.com/playlist?list=PL7XjPl0uOsj8TxfUISqzcl4YrxYBC0vOw

Ver mais

O Rock, Bruce Springsteen e uma lição sobre liderança!
Jeison Arenhart De Bastiani
Outro dia assisti boquiaberto algo que não sei muito bem como descrever, mas posso afirmar que foi incrível e vou contar para você como um músico (que confesso não acompanhar muito) me deu uma ...

Ver mais

100 dias de Bolsonaro
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
100 dias de Bolsonaro Mais dúvidas e incertezas do que avanços concretos “O discurso liberal, que parece ser o principal pilar da agenda econômica, está sendo obscurecido por dois outros ...

Ver mais

Cafezinho 168 – O que nos define
Cafezinho 168 – O que nos define
O que nos define são os adversários que vencemos.

Ver mais

Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra ...

Ver mais

Cafezinho 166 – O nobre
Cafezinho 166 – O nobre
Este Brasil de 2019 é muito diferente daquele de 2015.

Ver mais

Cafezinho 165 – Moralfabetismo
Cafezinho 165 – Moralfabetismo
Vivemos tempos de autonomia moral, onde cada indivíduo ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente

Imagine uma facada diferente

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL.

Primeiramente, os brucutus lulistas jamais deixariam que o sujeito escapasse; ia ser trucidado pelos amantes da paz, do entendimento e da tolerância. Depois de massacrar o criminoso, iam exigir o melhor hospital particular de toda Minas Gerais para atender o fantoche do presidiário curitibano – imagina que iam deixar o engomadinho ser atendido num hospital do SUS, como foi seu adversário! Afinal, camarada, igualdade e comunismo é aquilo que eles defendem só para os outros, né? Como o Boulos, criador da campanha “Sua casa, minha vida”.

Enquanto Haddad estivesse sendo atendido, os lulistas diriam que, diferente do atentado de Bolsonaro, executado por uma pobre vítima da sociedade oprimida pelo discurso misógino e fascista que apenas quis fazer o necessário contra o inimigo, o atentado contra o fantoche foi um enorme complô orquestrado pelos americanos via CIA, os militares, Fernando Henrique Cardoso, Sérgio Moro, a Lava Jato, a mídia golpista, o Tiro de Guerra de Agudos, os banqueiros, os escoteiros de Araraquara e o “verdadeiro” Bolsonaro (o esfaqueado seria um sósia, garantiriam) fantasiado de Adolf Hitler. Pessoas que protestassem seriam espancadas pelos jagunços lulistas, em nome da Paz e da tolerância, pois só quem tem o monopólio da verdade lulista-orwelliana pode protestar, camaradas; os demais são sempre fascistas, nazistas, neoliberais, mesmo que  desconheçam o significado desses três vocábulos.

Com nojinho de hospital de pobre, rindo na cara de um dos lulistas ingênuos (sim, há um ou outro) que sugerira internação numa unidade pública – que Lula dizia ser perfeita – Haddad e sua trupe exigiriam transferência para o Hospital Albert Einstein, na capital paulista. No meio do caminho, a bordo de algum jato enviado por empreiteiro corrupto ou pelo governo canalhocrático da Venezuela, Lula, que despreza judeus, ordenaria desvio da rota para o Hospital Sírio-Libanês; caso alguém recusasse, ele arrumaria rapidinho uns terroristas líbios amigões pra fazer o serviço, camaradas. Kadafi só morreu pra você, filho ingrato.

Devidamente internado e operado no Sírio, o excelente hospital seria forçado a mudar seu nome para Hospitala Síria Libanesa, por exigência de Dilma Roussef e uma comitiva de mulheres lulistas de grelo duro (atenção: essa nojeira foi cunhada pelo próprio Lula, ao se referir às suas seguidoras; nenhuma feminista abriu o bico: https://extra.globo.com/noticias/brasil/lula-chama-feministas-do-pt-de-mulheres-do-grelo-duro-internautas-reagem-18897069.html ).

Atendido, fantoche no quarto, os mortadelas pagos com dinheiro público desviado fariam arruaça dia e noite em frente à Hospitala Síria; famílias dos demais doentes reclamariam e seria obrigados a calar a boca pelos mesmos brucutus lulistas sob a alegação de estarem ali defendendo a democracia, distribuindo porrada em todos os que fossem contra. Em nome da Paz, claro. A polícia seria chamada para garantir a ordem e seria recebida a pedradas pelos mortadelas aos gritos de “polícia fascista”, por tentar impedir um protesto cheio de amor só porque uns 300 doentes de extrema-direita, a mando do governo americano, reclamavam. Que absurdo, né, camaradas?

Como haveria “provas concretas” da culpa da zelite quanto ao atentado a Haddad e inocência divina do bandido na facada a Bolsonaro, “estudantes” que não estudam, “intelectuais” que não pensam e “trabalhadores” que nunca trabalharam fariam vigílias e cantorias. Novamente viria a polícia, novamente recebida a pedradas pelos defensores da tolerância, novamente os demais doentes e suas famílias xingados e ameaçados.

Lula mandaria advogados à Suprema Corte Interplanetária, exigindo sua libertação para ocupar o lugar do zumbi teleguiado. Na negativa, caberia recurso ao Vaticano, ao Valhala ou ao Tribunal de Nárnia; tudo para eliminar esse gópi da zelite, camaradas.

Se Haddad piorasse ou não pudesse fazer campanha, a lulada exigiria (eles nunca pedem; exigem, como se tivessem direitos inegáveis ou poder para tanto) o cancelamento imediato das eleições, tuteladas futuramente por um governo do “povo” que Lula escolheria pela capacidade e sabedoria digna de uma deidade cubânico-guevarista – ou seja, a si próprio.

Exagero? Não mesmo. Basta analisar a “versão” inventada pelos robôs lulistas, os “cybermortadelas”, para o atentado a Bolsonaro. Alegaram ser uma mentira sórdida, uma farsa. Diante do recuo da própria cúpula petista, mudaram de tática, passando a defender teorias conspiratórias das mais lunáticas.

Falando em conspirações, o mundo aguarda uma explicação convincente sobre um militante de esquerda radical desempregado, assassino amador premeditado, com quatro celulares e um notebook, defendido por uma banca caríssima de excelentes advogados, viajando a seu encontro em avião particular, mas que ninguém admite ter contratado. Aham. Conta outra.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes