Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2018

Homenagem aos Economistas 2018

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Homenagem aos Economistas 2018

Memoráveis citações

 “Aquele que for somente um economista não tem condições de ser um bom economista, pois todos os nossos problemas tocam em questões de filosofia.”

Friedrich von Hayek

 Desde 2010, inspirado numa iniciativa do presidente do Corecon-PB, Celso Mangueira, e no Livro das citações, de Eduardo Giannetti, venho selecionando citações que são reunidas para publicação no dia 13 de agosto em homenagem aos colegas economistas pela passagem do seu dia. Na coletânea deste ano, as citações referentes ao Brasil e ao desempenho de sua economia, aparecem em separado, antecedendo as demais citações.

 BRASIL

 Banco Central

Quanto à composição de uma Diretoria do Banco Central do Brasil mais plural, será necessário quebrar um tabu, incorporando economistas desenvolvimentistas e não só “representantes de O Mercado”.

COSTA, Fernando Nogueira da

Há críticos que afirmam que a autonomia do BC implica uma perda de independência do governo, sem explicitar a que tipo de independência se referem. Convém lembrar que a independência, ordinariamente, refere-se tanto à proteção dos interesses do país como de seu governo, implicitamente assumindo que ambos se confundem. […] Na prática, isso não acontece, porque os interesses imediatos (leia-se popularidade) e pressões (leia-se politicagem) do governante se contrapõem aos interesses duradouros da sociedade (leia-se estabilidade e crescimento sustentado), no caso da moeda.

TROSTER, Roberto Luis

 Capital humano

O capital humano é mais importante que o capital físico. O Brasil, pelo seu passado escravocrata, e pela decorrente distribuição de renda, sempre negligenciou a importância do capital humano.

GIANNETTI, Eduardo

 Contabilidade criativa

Não sei o que é contabilidade criativa, não sei do que você está falando.

AUGUSTIN, Arno

 Cultura

Temos uma cultura que abomina a competitividade, desconfia dos vitoriosos e simpatiza com os fracassados.

IOSCHPE, Gustavo

 Debate econômico

O mundo acadêmico brasileiro é talvez diferente do mundo acadêmico americano. As pessoas, às vezes, tomam as discussões do ponto de vista pessoal em vez de entender que aquelas discussões são meramente acadêmicas.

BARBOSA, Fernando de Holanda

(em Conversas com economistas brasileiros II)

 Desempenho da economia

Ainda falta muito a ser feito antes de o País entrar em uma trajetória de crescimento compatível com as necessidades de um país emergente como o Brasil (simplificação tributária, abertura da economia etc.). Porém, para que os avanços conseguidos até agora e a perspectiva de crescimento se consolide, é fundamental a aprovação de uma reforma no sistema de Previdência Social. Caso contrário, em 20 anos, 100% dos gastos do governo terão de ser dedicados ao pagamento de aposentadorias e pensões. O teto dos gastos se torna insustentável e a questão fiscal volta a ser dominante. E, como em 2016, os investidores vão antecipar esse resultado, forçando aumento dos juros, desvalorização cambial e a volta das pressões inflacionárias.

CAMARGO, José Márcio

Trinta anos de governos cujas diretrizes de política econômica oscilaram entre aceitáveis e medíocres trouxeram o Brasil de volta à condição de fornecedor de alimentos e matérias-primas para os países desenvolvidos. Não é possível esquecer que nos anos 1970 do século 20 nosso país já tinha uma estrutura industrial sofisticada (opinião do Banco Mundial), cujas exportações com relação à exportação global de manufaturados crescia 15% ao ano! O que nos aconteceu nos últimos trinta e poucos anos do século passado e nesses anos iniciais do século 21?

DELFIM NETTO, Antonio

Vejo o Brasil como espécie de país da procrastinação: a gente demora períodos de tempo injustificáveis para fazer as coisas que têm de ser feitas. Só quando entramos no terreno do ridículo é que a gente faz as coisas.

FRANCO, Gustavo

É possível que nunca na história econômica do Brasil o curto prazo tenha tido tanta importância para definir o destino do País como agora.

LATIF, Zaina

Nossa história ensina que todas as vezes que seguimos os manuais, perseguindo políticas responsáveis e racionais, a economia reage bem e de forma surpreendente. Foi assim em 2017, com a expressiva queda da inflação e da taxa de juros pelo Banco Central, com impacto na confiança dos consumidores e dos empresários e, portanto, no mercado de trabalho, que iniciou a recuperação antes do esperado.

LATIF, Zaina

Precisamos fazer a agenda microeconômica, e a melhora da produtividade é um ponto muito relevante.

MARQUES, Maria Silvia Bastos

Tomando-se esses índices por base, o Brasil parece ser uma sociedade na qual as regras do jogo não estimulam o fair play, são frequentemente desrespeitadas ou levam muito tempo para serem impostas pela justiça. Isso aumenta a incerteza quanto ao futuro e torna os investimentos mais arriscados: um empreendedor pode, por exemplo, achar que o investimento na compra de uma nova máquina seja um bom negócio, mas o risco de ter que lidar com devedores inadimplentes ou o alto custo de crédito pode desencorajar o novo investimento.

MENDES, Marcos

Mesmo que a economia brasileira consiga engatar uma trajetória de crescimento a partir de 2018, existem razões para acreditar que será um crescimento medíocre, incapaz de colocar o País numa trajetória de “alcançamento” com respeito aos países desenvolvidos. Isso porque a economia brasileira possui uma série de problemas estruturais que limitam seu potencial de crescimento de longo prazo.

OREIRO, José Luis

De fato, há uma recuperação, acabou a recessão – só que as perspectivas não são de um crescimento acelerado. Do lado da demanda, só o consumo está avançando. Isso significa que, em vez de soltar foguete porque acabou a recessão, é bom soltar uma bombinha. Não é para sair comemorando como se o Brasil tivesse conquistado a Copa do Mundo.

PASTORE, Affonso Celso

 Desigualdade

É simplesmente inaceitável – e motivo, aí sim, de justificada vergonha coletiva – que um enorme contingente de crianças e jovens aqui nascidos venha ao mundo em condições que tolhem de forma brutal a formação de talentos e capacidades essenciais para o exercício pleno da liberdade e a realização pessoal. Não existem saltos, truques ou atalhos. “Milagres”, “encilhamentos”, “bilhetes premiados” – o repertório é vasto – são como a embriaguez: breve euforia, amarga ressaca. Aprendemos?

GIANNETTI, Eduardo

 Faltam recursos? Não parece ser o caso, pelo menos quando se trata de adquirir uma nova frota de jatos supersônicos suecos; ou financiar a construção de estádios “padrão FIFA” (boa parte fadada à ociosidade); ou licitar a construção de um trem-bala de 40 bilhões de reais; ou bancar um programa de submarinos nucleares de 16 bilhões de reais… O valor dos subsídios cedidos anualmente pelo BNDES a um seleto grupo de grandes empresas parceiras supera o valor total do Bolsa Família. O que falta é juízo. […] O Brasil continuará sendo um país violento e absurdamente injusto, vexado de sua desigualdade, enquanto a condição da família em que uma criança tiver a sorte ou o infortúnio de nascer exercer um papel mais decisivo na definição do seu futuro do que qualquer outra coisa ou escolha que ela possa fazer. […] A desigualdade nas oportunidades de autorrealização, ouso crer, é a raiz dos males brasileiros. A igualdade de resultado oprime, a igualdade de oportunidade liberta.

GIANNETTI, Eduardo

Eleições

O ruído eleitoral poderá ser mais contido do que se imagina e com impacto limitado na economia em função das condições internas e externas, e também porque há boas chances de a campanha, apesar de agressiva nos ataques pessoais, ser responsável na discussão da agenda econômica. Não há apelo para discursos populistas, ao menos dos candidatos competitivos. Eles terão de pensar no dia seguinte. Como governar se não tiverem discurso responsável na campanha? A campanha de 2014 deixou lições. E a própria sociedade parece mais consciente das dificuldades fiscais.

LATIF, Zaina

Em 2018, a economia vai crescer de verdade, mesmo com a piora da questão fiscal. A eleição será decisiva. Não estará dividida entre esquerda e direita, mas entre reformismo e populismo.

MENDONÇA DE BARROS, José Roberto

Inflação

Em nove meses, quando qualquer cidadão normal produz um filho, o governo [da Nova República] produziu duas hiperinflações.

DELFIM NETTO, Antonio

 Mudança da TJLP para a TLP

Os empresários ficaram mal-acostumados. Para eles, é doloroso perder privilégios que existem há tanto tempo.

GARCIA, Márcio

Poupança e investimento

Não conheço quem tenha prosperado sem poupar e investir, exceto herdeiros de quem fez isso no passado. E a poupança deve ser levada a investimentos que expandam a capacidade produtiva da economia e seu PIB por habitante. No Brasil, há quem poupe dinheiro, mas em seguida uma parte substancial dessa poupança coletiva é levada a aplicações financeiras lastreadas na dívida pública, ou seja, para financiar governos que quase nada investem dessa forma. Um dos exemplos mais evidentes dessa carência ocorre na infraestrutura. Ademais, com mais poupança própria o País seria menos dependente da externa e assim menos vulnerável à volatilidade que vem de fora.

MACEDO, Roberto

Privatização da Eletrobrás

Trata-se de decisão sem nenhuma convicção estratégica, mas de conjuntura econômica. O Risco futuro é o Brasil perder um importante instrumento de política energética. Para evitar esse risco, a venda de ações deve ser pulverizada com governança profissional e privada. E, principalmente, com cláusula de “golden share” para que o Estado possa definir políticas estratégicas para este setor tão importante e estratégico para o desenvolvimento do Brasil, com especial atenção para sua internacionalização, a exemplo de outros países como Portugal e Itália.

CASTRO, Nivalde de

Começou [com o anúncio da privatização da Eletrobrás] nova onda de privatizações que, sinceramente, espero que chegue perto da Petrobras.

LANDAU. Elena

Política econômica

O ajuste fiscal de que o Brasil precisa passa, imprescindivelmente, por controlar o crescimento do gasto público. A Emenda Constitucional 95/2016, a Emenda do Teto dos Gastos, estabelece que até 2026 o crescimento real da despesa primária do governo central seja zero, o que significa uma economia entre 4 e 5 pontos do PIB – dinheiro suficiente para alcançarmos os 300 bilhões de reais de ajuste fiscal necessário. O desafio é que não há como cumprir essa regra sem aprovar urgentemente uma reforma da Previdência e sem mudar diversas políticas públicas que não trazem o retorno esperado. Não há alternativa. Apenas no caso do governo federal, o gasto com a Previdência cresce entre 50 e 60 bilhões de reais por ano.

ALMEIDA, Mansueto

Reduções nas despesas públicas tenderiam a promover o crescimento econômico pela confiança que geram nos consumidores, produtores e investidores. É a origem italiana do modelo de austeridade fiscal expansionista, impregnado por uma desconfiança sobre a intervenção do Estado na economia e dentro do moderno pensamento neoliberal. Aparentemente, esse seria o modelo mais apropriado para equacionar os atuais problemas da economia brasileira após a desordem das finanças públicas produzida por uma sequência de ações macroeconômicas voluntariosas e casuísticas. Soma-se a isto a necessidade de se promover o reequilíbrio financeiro da Previdência Social cujos déficits tendem a se agigantar celeremente ao longo das duas próximas décadas, bem como os impactos da imprevidência fiscal sobre as dívidas públicas da União e dos Estados, que se agigantaram perigosamente. A decisão de colocar um teto na despesa pública do Governo Federal se apresenta como um contra-ataque oficial a essa tendência de insolvência financeira. As alternativas prováveis seriam o colapso das finanças públicas estaduais e federal, ou uma desastrosa hiperinflação que atingiria principalmente os segmentos menos favorecidos da população.

HADDAD, Paulo R.

Público X Privado

Os negócios de um banco privado começam e terminam na mesa do gerente. Os de um banco estadual começam e terminam na audiência com o governador.

KRAUSE, Gustavo

Reforma da Previdência

No Brasil, há um sistema de previdência em bases correntes, que é um eufemismo para expressar a irresponsabilidade de governos anteriores. Seu funcionamento é insustentável. Os trabalhadores atuais pagam para a geração dos que não se preocuparam com o futuro. Como a expectativa de vida aumentou e a pirâmide populacional ficou mais estreita, está com problemas no presente e terá mais no futuro. […] O que está sendo proposto no Congresso é necessário, mas é pouco. Deve-se fazer algo mais ambicioso, como congelar todos os rendimentos acima do teto, aumentar a tributação sobre esses recursos com alíquotas mais elevadas do imposto de renda e tributar a renda fixa.

TROSTER, Roberto Luis

Resistência a mudanças

Infelizmente, a resistência a mudanças inevitáveis, resultante da evolução do mundo, é uma característica de nossa sociedade. Nossa história está coalhada de exemplos. O caso mais emblemático, para mim, é o da abolição, A pesquisa histórica mostra que, em 1888, a escravidão tinha perdido o grosso de sua importância em favor do trabalho assalariado. Mesmo assim, os proprietários conseguiram compensações creditícias, uma das causas da especulação financeira no início da República que ficou conhecida como Encilhamento.

MENDONÇA DE BARROS, José Roberto

Superávit primário

A meu ver, o Brasil tem de ser ainda mais destemido na redução do superávit primário – e nisso Mantega está sendo até excessivamente fiscalista para o meu gosto.

TAVARES, Maria da Conceição

 Terceirização

A liberalização da terceirização deverá gerar ganhos importantes de produtividade. Como era proibido terceirizar atividades-fim e a definição de atividade-fim dependia do juiz do Trabalho, as empresas somente terceirizavam atividades claramente consideradas atividades-meio, como limpeza, manutenção etc. Com a liberalização, as empresas poderão se concentrar nas atividades nas quais são mais eficientes e terceirizar tudo aquilo que será feito de forma mais eficiente por outra empresa. O resultado será aumento de produtividade e queda dos custos unitários de produção.

CAMARGO, José Márcio

Adam Smith

Ninguém melhor do que Adam Smith flagrou, na Riqueza das Nações, a psicologia moral da competição pelo sucesso no mercado: “Pra a maior parte das pessoas ricas a principal fruição da riqueza consiste em poder exibi-la, algo que aos seus olhos nunca se dá de modo tão completo com quando elas parecem possuir aqueles sinais definitivos de opulência que ninguém mais pode ter a não ser elas mesmas”.

GIANNETTI, Eduardo

Cem anos depois do surgimento da Riqueza das Nações, nós encontramos a ciência econômica num estado que é quase caótico. Existe certamente menos acordo agora sobre o que é a economia política do que há trinta ou cinquenta anos atrás. […]Será uma tarefa laboriosa recolher os fragmentos de uma ciência despedaçada e recomeçar de novo, mas trata-se de uma tarefa da qual não podem esquivar-se aqueles que desejam ver qualquer avanço da ciência econômica.

JEVONS, Wiliiam Stanley

Adam Smith seria a última pessoa no mundo a pensar que a riqueza é o objetivo da vida humana, a última pessoa a supor que os ideais de uma vida elevada devessem ser subordinados ao crescimento da riqueza material por qualquer indivíduo ou nação que se autorrespeita.

MARSHALL, Alfred

 Amor ao dinheiro

O “amor ao dinheiro”, dizia Keynes, é o sentimento que move o indivíduo na economia mercantil-capitalista. A acumulação de riqueza é benfazeja quando dirigida ao progresso material das comunidades e à disseminação dos confortos e facilidades da vida moderna. No entanto, fator de progresso e de mudança social, the love of money termina por degenerar em vício e tormento para o homem moderno.

KEYNES, John Maynard

Argentina

A Argentina é o único país do mundo que se empenha em se conservar subdesenvolvido.

PREBISCH, Raúl

Autointeresse

Quanto mais racionais e ciosos do autointeresse individual almejamos ser – calculistas, competitivos e eficientes em tudo –, mais miseráveis nos tornamos. A “mão invisível” caminha a passos largos e de mãos dadas com o mal invisível.

GIANNETTI, Eduardo

 Não é uma dedução correta dos princípios da teoria econômica afirmar que o egoísmo esclarecido leva sempre ao interesse público. Nem é verdade que o autointeresse é, em geral, esclarecido.

KEYNES, John Maynard

Burocracia

O inferno não tem a fúria de um burocrata desprezado.

FRIEDMAN, Milton

Ciclos econômicos

Há um ritmo do sentimento que podemos observar na ética, na religião e na política, como ondas que se assemelham aos ciclos da economia.

PARETO, Vilfredo

Controles de preços e salários

Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado pelo governo dos homens, os controles ameaçam os próprios fundamentos de uma sociedade livre. Estimulando os indivíduos a se espionarem e a se denunciarem reciprocamente, tornando a desobediência dos controles interesse pessoal de grande número de cidadãos e tornando ilegais ações que são de interesse público, os controles solapam a moral individual.

FRIEDMAN, Milton

 Demografia e economia

O poder de crescimento da população é maior do que o poder da Terra de produzir meios de subsistência para o homem. A população, se não for controlada, cresce em progressão geométrica. A produção de alimentos aumenta apenas em progressão aritmética. Um pequeno conhecimento sobre números mostrará a enormidade do poder do primeiro em comparação com o segundo. De acordo com a lei da nossa natureza, que torna o alimento necessário para a vida do homem, os efeitos desses dois poderes desiguais devem ser equiparados. Isso implica uma contenção forte e constante da população diante da dificuldade de subsistência. Essa dificuldade deve ser sentida de modo severo por uma grande parcela da humanidade.

MALTHUS, Thomas

O poder da população é tão superior ao poder da Terra para produzir meios de subsistência para o homem que a morte prematura deve visitar a raça humana de um modo ou de outro. Os vícios da humanidade são ministros ativos e capazes para a redução da população. Mas, se eles fracassam nessa guerra de extermínio, períodos de doenças, epidemias, pestilência e pragas avançam numa organização terrível e varrem aos milhares e dezenas de milhares. Caso o sucesso ainda seja incompleto, a fome gigantesca e inevitável espreita e, com apenas um golpe portentoso, nivela a população com a comida que há no mundo.

MALTHUS, Thomas

Desenvolvimento/Subdesenvolvimento/Desenvolvimentismo

O Delfim [Netto] era desenvolvimentista e o [Roberto] Campos era sem saber. Ele se dizia liberal, mas não era.

BELLUZZO, Luiz Gonzaga

Uma das características dos países subdesenvolvidos é a contínua busca de bodes expiatórios para explicar a pobreza. É difícil reconhecer que a culpa está em nós mesmos, e não nos demônios.

CAMPOS, Roberto

O economista Chalmers Jonhson chamou de Estado Desenvolvimentista o modelo adotado pelo Japão – posteriormente copiado por outros países asiáticos – como o de um Estado que, se de um lado definia objetivos de desenvolvimento e metas setoriais, de outro contava com o setor privado para levar a cabo a estratégia. Em 1976, a economia japonesa era 55 vezes maior do que em 1946 e já era a segunda maior do planeta. Coreia e Taiwan passaram por experiências semelhantes – hoje os dois países pertencem ao seleto rol das economias avançadas. Enquanto isso, Brasil e Argentina parecem continuar amarrados ao corporativismo, à relação de dependência entre Estado e setor privado, às instituições erigidas pelo Peronismo e pelo Getulismo. Presa entre as grades institucionais e políticas erguidas em 1945, a economia brasileira asfixia e estrebucha. O caminho já não é nem a ortodoxia tradicional de outrora, nem a heterodoxia jurássica que trouxe o descalabro fiscal. Necessário é encontrar o caminho do meio. Fundamental é mudar estruturas que conosco estão há 70 anos.

DE BOLLE, Monica

A ideia do desenvolvimento está no centro da visão do mundo que prevalece em nossa época. Nela se fundamenta o processo e invenção cultural que permite ver o homem como um agente transformador do mundo.

FURTADO, Celso

Não existe sombra de argumento ou evidência que justifique a crença de que a miséria de uma África, do Nordeste brasileiro ou da Índia possa ser benéfica ou lucrativa para qualquer outra nação do mundo. A alta produção per capita do Primeiro Mundo não tem nada a ver com a absurda privação material que turva a vida de enormes contingentes humanos no Terceiro Mundo. Ela foi conseguida com eficiência micro e previsibilidade macro, com estabilidade demográfica e investimento em capital humano – com trabalho, organização e criatividade.

GIANNETTI, Eduardo

A ilusão do “grande consenso desenvolvimentista”, em sua feição brasileira, foi supor que o Estado e seus técnicos tudo podiam – que a construção de “uma floresta de palácios” (Brasília), financiada via “poupança forçada” (inflação), podia vir antes do saneamento básico; que do litoral de Angra dos Reis surgiria uma grande potência nuclear; que a reserva de mercado para a informática seria o passaporte da autonomia tecnológica; que uma “zona franca” em plena selva amazônica seria a estufa de uma indústria eletroeletrônica florescente… Poucos países do mundo não comunista levaram tão longe a arrogância do planejamento estatal. […] O que se esqueceu nisso tudo foi que a economia não é a engenharia. Ela é parte de um todo. O processo de desenvolvimento de uma nação, como [David] Landes mostra com inúmeros exemplos históricos, depende de instituições adequadas e, principalmente, da formação de uma base ética e educacional – o capital humano em sentido amplo – sem a qual nenhuma fórmula de crescimento, por mais engenhosa, pode dar frutos.

GIANNETTI, Eduardo

Que diabos é ser “desenvolvimentista”? Quem assim se autointitula dirá que é querer o desenvolvimento. Mas será que os outros não desejam o mesmo? Ninguém levantou a bandeira do atraso, pois aí teríamos o “atrasadista”, uma espécie tão extravagante quanto o “desenvolvimentista”.

NÓBREGA, Maílson da

Para transformar um Estado do mais baixo barbarismo ao mais alto grau de opulência são necessários: paz, tributação leve e uma tolerável administração da justiça. Todo o resto vem pelo curso natural das coisas.

SMITH, Adam

Destruição criativa

Imaginem a perda para a economia mundial se o sindicato dos datilógrafos tivesse logrado impedir a difusão dos microcomputadores.

GONÇALVES, Carlos Eduardo

O Brasil tem preferido a proteção destrutiva à destruição criativa e os resultados estão à nossa vista.

MESQUITA, Mário

O que seria da humanidade se os governos do século XIX tivessem resolvido proteger os fabricantes de velas contra a concorrência da lâmpada elétrica?

SIMONSEN, Mario Henrique

Determinismo

Não é a maneira de pensar dos homens que lhes determina o modo de viver; é, pelo contrário, a maneira de viver que determina a maneira de pensar.

MARX, Karl

Dívida pública

A dívida pública se assemelha a uma gravidez indesejada. Ela é geralmente a consequência não desejada e defasada de atos praticados com outros fins por mais de uma pessoa.

HAUSMANN, Ricardo

Drogas

O crack nunca teria existido, na minha opinião, não fosse pela proibição às drogas.

FRIEDMAN, Milton

Economia/Economistas

O câmbio foi inventado por Deus para humilhar os economistas.

BACHA, Edmar

Uma coisa que me impressiona, ao conversar com alguns colegas, é a certeza com que eles afirmam poder solucionar os problemas da economia.

BACHA, Edmar

Em economia, não se pode condenar o opositor pelos erros; só se pode convencê-lo de que os cometeu. E, mesmo que estejamos certos, não conseguiremos convencê-lo se a cabeça dele já estiver cheia de noções erradas.

KEYNES, John Maynard

A economia é um tema difícil e técnico, mas ninguém quer acreditar nisso.

KEYNES, John Maynard

O economista-mestre tem de possuir uma rara combinação de dons. Ele tem de ser matemático, historiador, estadista, filósofo – em algum grau. Ele tem de compreender símbolos e falar em palavras. Tem de contemplar o particular em termos do geral, e tocar o abstrato e o concreto no mesmo voo do pensamento.

KEYNES, John Maynard

O problema econômico é uma questão de economia política, isto é, da combinação entre teoria econômica e a arte da gestão estatal.

KEYNES, John Maynard

Qualquer economista que registre honestamente o histórico de suas previsões logo aprende a ser humilde.

KRUGMAN, Paul

Uma precondição para ser bom economista é uma ampla dose de humildade.

MANKIW, Gregory

O pior que pode acontecer a um economista é ser aclamado.

MARSHALL, Alfred

Tem-se tentado, na verdade, construir uma ciência abstrata com respeito às ações de um “homem econômico” que não esteja sob influências éticas e que procure, prudente e energicamente, obter ganhos pecuniários movido por impulsos mecânicos e egoístas […]. Na presente obra considera-se ação normal aquela que se espera, sob certas condições, dos membros de um grupo industrial […]. A esperteza normal para procurar os melhores mercados onde comprar e vender, ou, ainda, para descobrir a melhor ocupação para si próprio ou para seus filhos – todas essas e outras suposições semelhantes serão relativas aos membros de uma classe particular, em determinado lugar e em determinado tempo.

MARSHALL, Alfred

A Economia é a ciência que estuda o comportamento humano como uma relação entre fins e meios escassos com usos alternativos.

ROBBINS. Lionel

Deve-se estudar economia não coma finalidade de oferecer um conjunto de respostas prontas a questões econômicas, mas com o objetivo de evitar que os economistas nos enganem.

ROBINSON, Joan

A Economia é o estudo de como as pessoas decidem empregar recursos escassos, que poderiam ter utilizações alternativas, para produzir bens variados e para distribuí-los para consumo, agora ou no futuro, entre as várias pessoas ou grupos da sociedade.

SAMUELSON, Paul

Não confio em dois tipos de pessoas: arquitetos que afirmam construir barato e economistas que declaram dar respostas simples.

SCHUMPETER, Joseph

A economia está para a astronomia como a República Dominicana está para a França.

SCHUMPETER, Joseph

A Economia ocupa-se do homem enquanto ser que deseja obter riqueza, e que é capaz de julgar a eficácia comparativa dos meios para alcançar esse fim, fazendo inteira abstracção de todos os outros motivos e paixões humanas.

STUART MILL. John

Economia comportamental

Para fazer uma boa análise em economia, deve-se ter em mente que as pessoas são humanas.

THALER, Richard

 Educação

“Ensino superior público e gratuito”, como já alertava o insuspeito Karl Marx na Crítica ao Programa de Gotha (1875) ao discutir propostas análogas em seu tempo, “na realidade significa tão somente que as classes altas pagam suas despesas de educação às custas do fundo dos impostos gerais.” Há maneiras mais eficientes e equitativas de financiar o ensino. Saber não basta.

GIANNETTI, Eduardo

A vanguarda do progresso pertence aos povos que cuidaram da educação do caráter em plano não inferior ao da educação da inteligência.

GUDIN, Eugênio

Uma criança que seja alvo de bons incentivos terá uma vantagem para o resto da vida. Já aquela que ficou para trás terá dificuldades para preencher as lacunas do princípio.

HECKMAN, James

Países que não investem na primeira infância apresentam índices de criminalidade mais elevados, maiores taxas de gravidez na adolescência e de evasão no ensino médio e níveis menores de produtividade no mercado de trabalho, o que é fatal. Como economista, faço contas o tempo inteiro. Uma delas é especialmente impressionante: cada dólar gasto com uma criança pequena trará um retorno anual de mais de 14 centavos durante toda a sua vida. É um dos melhores investimentos que se podem fazer – melhor, mais eficiente e seguro do que apostar no mercado de ações americano.

HECKMAN, James

Nenhuma mudança favoreceria tanto um crescimento mais rápido da riqueza material quanto uma melhoria das nossas escolas.

MARSHALL, Alfred

Com o avanço da civilização, a importância relativa do trabalho mental vis-à-vis o manual se altera. A cada ano o trabalho mental se torna mais importante e o manual menos importante. Com cada nova invenção de maquinaria o trabalho é transferido dos músculos, ou força vital, para a força natural […] A maquinaria complexa aumenta a demanda por capacidade de decisão independente e inteligência em geral […] Não existe quase nenhuma atividade [atualmente] que não requeira algum esforço mental. Até mesmo na agricultura está se introduzindo maquinaria cujo manejo requer muita habilidade e inteligência.

MARSHALL. Alfred

O valor econômico de um único grande gênio industrial é suficiente para cobrir as despesas com educação de toda uma comunidade; pois uma nova ideia, como a invenção principal de Bessemer [processo de purificação do minério de ferro na siderurgia], acrescentou tanto ao poder produtivo da Inglaterra como o trabalho de 100 mil homens.

MARSHALL, Alfred

Uma das mais sérias e forçosas entre todas as obrigações – que é a de não trazer crianças ao mundo a não ser que elas possam ser mantidas adequadamente durante a infância e criadas com a probabilidade de que possam manter a si próprias quando a idade chegar – é de tal forma negligenciada na vida prática e subestimada na teoria, que chega a ser vergonhoso para a inteligência humana.

STUART MILL. John

 Escolha pública (Public choice theory)

A escolha pública mudou o debate de “falha do mercado” para “falha do governo”. Buchanan e os outros recomendaram uma série de regras constitucionais para que o setor público desorientado atue de forma mais responsável ao proteger os direitos das minorias, restituir o poder aos governos locais, impor limites aos prazos e exigir que as supermaiorias aumentem os impostos.

SKOUSEN, Mark

 Estados Unidos

Os problemas dos subprimes nos Estados Unidos, circunscrito a um segmento do mercado imobiliário, se propagaram a todo o sistema bancário; houve um aperto em todas as carteiras de financiamentos. Limites foram reduzidos, empréstimos deixaram de ser rolados e os critérios de concessão ficaram mais rígidos. A expansão do crédito, que foi um dos motores da expansão da economia norte-americana, transformou-se em seu freio. O círculo virtuoso tornou-se vicioso com a crise de confiança.

TROSTER, Roberto Luis

Finança globalizada

Os grandes bancos internacionalizados, sobretudo os americanos, cuidaram de administrar em escala global a rede de relações débito-crédito. Impuseram, assim, condições à gestão fiscal dos Estados Nacionais. Ao comandar a circulação de capitais entre as praças financeiras tornaram-se senhores dos “fundamentos econômicos” com poder de afetar a formação das taxas de juro e de câmbio. Essa submissão dos Estados aos ditames da finança globalizada foi acompanhada de mudanças na estrutura da propriedade e da concorrência, ou seja, os grandes bancos financiaram e organizaram o jogo da concentração patrimonial e produtiva.

BELLUZZO, Luiz Gonzaga

Fracasso

Não me arrependo de nenhum de meus empreendimentos e fracassos. Cada um deles me ensinou algo sobre mim mesmo e sobre a vida que eu não teria percebido com um constante sucesso.

SCHUMPETER, Joseph

Futebol e economia

As pessoas que trabalham com gestão de riscos tendem a elaborar modelos complexos de previsão. Para isso, precisam de dados. Todas as informações disponíveis são usadas para alimentar algoritmos, seja para determinar os preços no mercado financeiro, seja para definir os favoritos e azarões. O futebol está exatamente na intersecção dessas duas áreas.

ANDERSON, Christopher

Enquanto no futebol o Brasil está entre os melhores do mundo, se houvesse um campeonato entre todos os países de economia, é certo que não se classificaria, apesar da abundância de talentos e recursos. O País não está entre os 32 melhores em taxas de crescimento do PIB, renda per capita e na distribuição de renda. […] Aponta-se a culpa aos políticos, o que é paradoxal. O necessário para um bom desempenho econômico é, coincidentemente, o mesmo que para um futebol de classe: aplicação de estratégias adequadas, criatividade, respeito a regras por todos, jogo de equipe, perseverança e dedicação. Mas dá certo no futebol e falha na política no Brasil. […] Espera-se um craque político que mude esse quadro. Alguém que faça o país do futuro virar presente, o craque com liderança, raça e ginga que leve o Brasil a uma posição de destaque. É uma busca infrutífera. Esse craque não vai aparecer. Tanto no futebol como na política, craques podem definir jogos, mas é necessário mais que isso para colecionar taças. […] São os princípios do sistema que geram o bom futebol, não os craques do momento. Décadas de bons resultados criaram um círculo virtuoso para o futebol, elevando-o a patamares de qualidade superiores. Séculos de um sistema de representação política personalista geraram um círculo vicioso e rígido, que não é consistente com os anseios da população.

TROSTER, Roberto Luis

Homem econômico (Homo economicus)

Uma verdadeira teoria da economia só poderá ser obtida se retornarmos às grandes fontes originais da ação humana – os sentimentos de dor e prazer. Existem motivos quase sempre presentes em nós, surgindo da consciência, da compaixão, ou de alguma fonte moral ou religiosa. [Mas esses são motivos que uma teoria geral da economia] não pode e não pretende considerar. Eles permanecerão para nós como forças excepcionais e perturbadoras; eles devem ser considerados, se é que venham a sê-lo, por outros ramos mais apropriados do conhecimento.

JEVONS, William Stanley

 Igualdade/Desigualdade

A sociedade que coloca a igualdade à frente da liberdade irá terminar sem igualdade e sem liberdade.

FRIEDMAN, Milton

 Se compararmos dois regimes econômicos, um baseado na livre-iniciativa e incentivo de lucro com taxa de crescimento de 4% ao ano, digamos, e outro de melhor distribuição de renda, com uma taxa de 2%, veremos, ao fim de alguns anos, que os pobres do primeiro sistema são mais ricos do que os remediados do segundo.

MARSHALL, Alfred

Inflação

A inflação é injusta, e a deflação, ineficiente; entre as duas, talvez a deflação – descontadas as inflações exageradas como a da Alemanha – seja a pior num mundo empobrecido, ao provocar desemprego em vez de desapontar o rentista.

KEYNES, John Maynard

A inflação é uma atração irresistível para os soberanos, pois constitui um imposto oculto que inicialmente parece indolor ou mesmo agradável, e acima de tudo porque constitui um imposto que pode ser cobrado sem uma legislação específica.

FRIEDMAN, Milton

 Influência de John Stuart Mill

Todos os estudantes […] veem a economia política com os olhos de Mill. Eles veem em Ricardo e Adam Smith o que ele recomendou que vissem e não é fácil induzi-los a ver qualquer outra coisa. Pode-se questionar até que ponto é saudável para a economia política que um único autor venha a exercer uma influência tão monárquica, mas nenhum testemunho poderia ser maior no que diz respeito à habilidade do autor e sua preeminência diante de seus contemporâneos.

BAGEHOT, Walter

Liberalismo

Um governo pode imprimir uma boa edição das obras de Shakespeare, mas não poderia conseguir que elas fossem escritas.

MARSHALL, Alfred

Pouca coisa mais é necessária, para levar um Estado da mais baixa barbárie ao mais alto degrau da opulência, que paz, poucos impostos e uma administração tolerável da justiça, sendo o resto resultante do curso natural das coisas.

SMITH, Adam

 Moderação

Os gregos antigos inscreveram no templo de Apolo, na ilha de Delfos, a máxima que sintetiza o princípio da moderação: “Nada em excesso”. As instâncias da sabedoria apolínea abundam. A ética desligada da ciência é vazia; a ciência desligada da ética é cega. A intuição sem lógica é dogmática; a lógica sem intuição é eunuca. A criação apartada da tradição é caótica; a tradição apartada da criação é estéril. A liberdade sem disciplina é suicida; a disciplina sem liberdade é deserta. O sonho desprovido de senso prático naufraga; o senso prático privado de sonho não zarpa. O ideal não é, portanto, a polaridade excludente – “competição ou solidariedade” –, mas o arco teso da conjunção: “competição e solidariedade”.

GIANNETTI, Eduardo

 Moeda

Não há maneira mais sutil ou segura de subverter a base da sociedade do que desmoralizar a moeda.

KEYNES, John Maynard

 Ortodoxia/Heterodoxia

 

O único meio de formar capital é o de não consumir tudo quanto se produz e destinar uma parte do produto do trabalho de hoje à construção de um melhor aparelhamento para amanhã. Até hoje não se encontrou, em país algum do mundo, outro meio de formar capital.

GUDIN, Eugênio

A ciência moderna desenvolveu-se com base no princípio de indução formulado por Francis Bacon: se uma experiência leva aos mesmos resultados num grande número de repetições, é altamente provável que ela continue dando o mesmo resultado na próxima repetição. […] Nossos economistas heterodoxos, em estreita colaboração com seus colegas argentinos, parecem ter inventado o princípio da contraindução: uma experiência que dá errado várias vezes deve ser repetida até que dê certo.

SIMONSEN, Mario Henrique

 Política/Políticos

O Executivo pensa nacionalmente, enquanto o Congresso pensa regionalmente.

CAMPOS, Roberto

A política é a utopia alegre da abundância, desmoralizada pela economia, que Carlyle chamava de “ciência severa da escassez”.

CAMPOS, Roberto

Nunca se deve subestimar a habilidade dos políticos de fazer a coisa errada.

EICHENGREEN, Barry

A política não é a arte do possível. Ela consiste em escolher entre o desagradável e o desastroso.

GALBRAITH, John Kenneth

Os políticos são como maus cavaleiros, tão preocupados em se manter na sela que nem prestam atenção para onde estão indo.

SCHUMPETER, Joseph

A primeira lição da economia é a escassez: nunca há o suficiente de coisa alguma para satisfazer plenamente todos que a querem. A primeira lição da política é desconsiderar a primeira lição da economia.

SOWELL, Thomas

Política monetária

Uma estabilização bem-sucedida sem uma elevação das taxas de juros assemelha-se a um Hamlet sem o príncipe da Dinamarca.

DORNBUSCH, Rudiger

É só colocar uma bala de canhão: chuta o juro para cima, a economia vai definhar, você vai ter recessão. Aí, sim, você vai ter uma inflação baixa. Mas aí á a paz do cemitério.

MANTEGA, Guido

Poupança

A poupança implica, portanto, um processo de redistribuição da riqueza. Como regra geral, a distribuição da riqueza é muito mais concentrada do que a distribuição da renda. Sendo assim, a maior “propensão a poupar” dos que estão nas camadas superiores da distribuição da renda contribui para deprimir a “propensão a gastar” do setor privado. A acumulação da riqueza nas mãos dos rentistas eleva a propensão a poupar da economia, deprime o gasto privado e aprofunda a desigualdade na distribuição de renda.

BELLUZZO, Luiz Gonzaga

Preço/Precificação

As mudanças de curto prazo no preço das ações não podem ser previstas. Os serviços de consultoria em investimentos, as previsões de ganhos e os modelos gráficos complicados são inúteis. […] Levando-se ao extremo lógico, isso significa que um macaco com os olhos vendados, atirando dardos nas páginas de finanças dos jornais poderia escolher um portfolio que teria o mesmo desempenho que um escolhido criteriosamente pelos especialistas.

MALKIEL, Burton G.

 Riqueza

O homem não deseja ser rico, deseja ser mais rico do que os outros homens.

STUART MILL, John

A riqueza natural, sendo mais vantajosa, torna a população descuidada, orgulhosa e dada a excessos, ao passo que a riqueza adquirida pelo trabalho desenvolve a vigilância, a literatura, as artes e as instituições políticas.

MUN, Thomas

Roberto Campos

O viés liberal do Campos era mais ideológico do que prático. Quando a missão do FMI veio ao Brasil. Em 1964, e recomendou um tratamento de choque, ele recusou porque isso tiraria a capacidade de investimento do Estado e geraria desemprego. Na prática, como homem de Estado, ele fez reformas importantíssimas em 1964. Há sempre uma certa resistência em observar isso com alguma distância, porque fazíamos oposição ao regime militar. Mas não podemos deixar perceber que Roberto Campos foi, na prática, um desenvolvimentista, porque ele e o Bulhões implementaram reformas que deram impulso ao Milagre Brasileiro, preparando o avanço da industrialização.

BELLUZZO, Luiz Gonzaga

De todos os economistas brasileiros mais ativos, Campos foi aquele cujo projeto desenvolvimentista esteve mais próximo da política de investimentos efetivamente realizada. Ele representa, no panorama político brasileiro do nosso período, a ‘ala direita’ da posição desenvolvimentista.

BIELSCHOWSKY, Ricardo

É preciso advertir que Campos estava, naquela época, longe de ser um economista ‘ortodoxo’, ou seja, de pensar de acordo com os postulados liberais ou neoliberais. No início dos anos 1950, sua defesa de industrialização com apoio do Estado e de planejamento colocava-o em franca confrontação teórica com a essência da ortodoxia liberal e o identificava com a nata da heterodoxia teórica do subdesenvolvimento, isto é, com autores como Prebisch, Nurske, Singer, Lewis e outros.

BIELSCHOWSKY, Ricardo

Campos era um intervencionista consciente. Sempre fui um apoiador do Programa de Ação Econômica do Governo (Paeg), trabalho de Campos, então ministro do Planejamento, e Otávio Gouvea de Bulhões, ministro da Fazenda. O Paeg promoveu as reformas entre 1964 e 1967; enquanto o Decreto-Lei 200 organizou o Estado brasileiro e deixou uma Constituição, a de 1967. Sem essas reformas, jamais poderia ter havido o desenvolvimento econômico que se seguiu.

DELFIM NETTO, Antonio

Solução de problemas

O problema mais difícil do mundo, se for corretamente enunciado, um dia poderá ser resolvido. Já o problema mais fácil, ao ser mal apresentado, é irremediavelmente insolúvel.

SIMONSEN, Mario Henrique

Análise formal de série temporal é maravilhosa quando leva a respostas robustas para questões interessantes. A experiência sugere que dificilmente isso acontece.

SOLOW, Robert

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

ALMEIDA, Mansueto. Não há alternativa. Veja, 25 de julho de 2018, pp. 54-5.

ANDERSON, Chris e SALLY, David. Os números do jogo: por que tudo o que você sabe sobre futebol está errado. Tradução de André Fontenelle. São Paulo: Paralela, 2013. Em CASTANHO, Manoel. Economista: novos campos de trabalho. Economistas, revista do Conselho Federal de Economia (Cofecon), ano VIII, nº 26, outubro a dezembro de 2017, pp. 20-22.

AUGUSTIN, Arno. Entrevista à revista Época em novembro de 2013. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 80.

BACHA, Edmar. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 54, 263.BAGEHOT, Walter. “John Stuart Mill” (1873), em Economic Studies (ed. R Hutton, Londres, 1880), p. 205. Apud GIANNETTI, Eduardo. O elogio do vira-lata. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 247.

BARBOSA, Fernando de Holanda. Conversas com economistas brasileiros II

BELLUZZO, Luiz Gonzaga. Decifrando Roberto Campos. Matéria de Carmen Nery. Rumos, maio/junho de 2017, pp. 20-27.

_______________ O tempo de Keynes nos tempos do capitalismo. São Paulo: Editora Contracorrente, 2016.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Decifrando Roberto Campos. Matéria de Carmen Nery. Rumos, maio/junho de 2017, pp. 20-27.

CAMARGO, José Márcio. Muitos avanços. Mas está faltando um. O Estado de S. Paulo, 24 de dezembro de 2017, p. B 4.

CAMPOS, Roberto. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, pp. 46, 53, 230.

CASTRO, Nivalde de. Privatização leva em conta a conjuntura econômica. O Estado de S. Paulo, 23 de agosto de 2017, p. B 3.

COSTA, Fernando Nogueira da. Política macroeconômica e retomada do crescimento. Economistas, revista do Conselho Federal de Economia (Cofecon), ano VIII, nº 26, outubro a dezembro de 2017, pp. 10-13.

DE BOLLE, Monica. Desenvolvimento econômico. O Estado de S. Paulo, 16 de agosto de 2017, p. B 6.

DECLOEDT, Cynthia; ASSIS, Francisco C.; BARCELLOS, Thais. Além de reformas, o Brasil precisa melhorar produtividade para crescer. O Estado de S. Paulo, 18 de julho de 2018, p. B 8.

DELFIM NETTO, Antonio. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 146.

_______________ Câmbio, um gosto amargo. Rumos, maio/junho de 2017, p. 7.

_______________ Decifrando Roberto Campos. Matéria de Carmen Nery. Rumos, maio/junho de 2017, pp. 20-27.

DORNBUSCH, Rudiger. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 224.

EICHENGREEN, Barry. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 270.

FRIEDMAN, Milton. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, pp. 51, 176.

_______________ An Economist’s Protest. NJ: Glen Ridge, 1975. Em SCHUETTINGER, Robert L. e BUTLER, Eamonn F. Quarenta séculos de controles de preços e salários: o que não se deve fazer no combate à inflação. Tradução de Anna Maria Capovilla. São Paulo: Visão, 1988.

_______________ Using escalators to help fight inflation. Fortune, julho de 1974, p. 94.  Em SCHUETTINGER, Robert L. e BUTLER, Eamonn F. Quarenta séculos de controles de preços e salários: o que não se deve fazer no combate à inflação. Tradução de Anna Maria Capovilla. São Paulo: Visão, 1988.

FURTADO, Celso. Citado por FISCHER, Tania. Territórios criativos e os desafios da formação de gestores para o desenvolvimento. Em Economia criativa e cidades criativas da Bahia: oficinas criativas. Salvador: Sebrae Bahia, 2013, pp.56-58.

GALBRAITH, John Kenneth. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 114.

GARCIA, Márcio. O fim da mamata. Matéria de Marcelo Sakate sobre a mudança da TJLP pela TLP. Veja, 6 de setembro de 2017, pp. 62-63.

GIANNETTI, Eduardo. Entrevista a Antonio Claudio Sochazcewski, Políticas de crescimento e o futuro do Brasil. Em BIELSCHOWSKY, Ricardo e MUSSI, Carlos (organizadores). Políticas para a retomada do crescimento – reflexões de economistas brasileiros. Brasília: IPEA: CEPAL, 2002, pp. 31-80.

_______________ O elogio do vira-lata. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

GONÇALVES, Carlos Eduardo. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 97.

GUDIN, Eugênio. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 205, 280.

HADDAD. Paulo R. Ecologia integral: um conceito estruturante. Economistas, revista do Conselho Federal de Economia (Cofecon), ano VIII, nº 26, outubro a dezembro de 2017, pp. 29-34.

HAUSMANN, Ricardo. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 130.

HECKMAN, James. O primeiro empurrão. Entrevista a Monica Weinberg. Veja, 27 de setembro de 2017, pp. 13-15.

IOSCHPE, Gustavo. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 80.

JEVONS, William Stanley. “Brief account of a general mathematical theory of political economy”, Journal of the Statistical Society of London 29 (1866). Apud GIANNETTI, Eduardo. O elogio do vira-lata. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 185.

_______________ “The future of political economy” (1876), em The principles of economics (ed. H. Higgs, Nova York, 1905), p. 191. Apud GIANNETTI, Eduardo. O elogio do vira-lata. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 247.

KEYNES, John Maynard. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, pp. 112, 115.

KEYNES, John Maynard. A tract on Monetary Reform. In MOGGRIDGE, D. (Org.). The Collected Writings of John Maynard Keynes. Londres: Macmillan, 1971. Apud BELLUZZO, Luiz Gonzaga. O tempo de Keynes nos tempos do capitalismo. São Paulo: Contracorrente, 2016.

KEYNES, John Maynard. Essays in Persuasion. In MOGGRIDGE, D. (Org.). The Collected Writings of John Maynard Keynes. Londres: Macmillan, 1971. Apud BELLUZZO, Luiz Gonzaga. O tempo de Keynes nos tempos do capitalismo. São Paulo: Contracorrente, 2016.

KEYNES, John Maynard. My Early Beliefs. In MOGGRIDGE, D. (Org.). The Collected Writings of John Maynard Keynes. Londres: Macmillan, 1971. Apud BELLUZZO, Luiz Gonzaga. O tempo de Keynes nos tempos do capitalismo. São Paulo: Contracorrente, 2016.

KRAUSE, Gustavo. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 42.

KRUGMAN, Paul. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 236.

LANDAU, Elena. Luzes 2. O Estado de S. Paulo, Direto da Fonte, Sonia Racy, 23 de agosto de 2017, p. C 2.

LATIF, Zaina. Encontro marcado em 2019. O Estado de S. Paulo, 24 de dezembro de 2017, p. B 5.

MACEDO, Roberto. Cultura, instituições e crescimento econômico. Em MACHADO, Luiz Alberto e KAHN, Tulio (organizadores). Para onde vamos? Política, economia, segurança pública e relações internacionais no mundo contemporâneo. São Paulo: Scriptum Editorial, 2017.

MALKIEL, Burton G. A random walk down Wall Street. Nova York: Norton, 1990. Apud SKOUSEN, Mark. Econopower: como a nova geração de economistas está revolucionando o mundo. Tradução de Ana Gibson. Rio de Janeiro: Elsevier, 2088.

MALTHUS, Thomas Robert. An Essay on the Principle of Population, as It Affects the Future Improvement of Society. Dent, 1973. Em ASHTON, Kevin. A história secreta da criatividade. Tradução de Alves Calado. Rio de Janeiro: Sextante, 2016.

MANKIW, Gregory. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 77.

MANTEGA, Guido. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 224.

MANTEGA, Guido e REGO, José Marcio. Conversas com economistas brasileiros II. São Paulo: Editora 34, 1999.

MARSHALL, Alfred. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 113, 230.

MARSHALL, Alfred. Princípios de economia: tratado introdutório. Tradução revista de Rômulo de Almeida e Ottolmy Strauch. Introdução de Ottolmy Strauch. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Os Economistas)

_______________ Principles of economics (ed. C. W. Guillebaud, ed. Anotada. Londres, 1961), p. 191. Apud GIANNETTI, Eduardo. O elogio do vira-lata. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 270.

_______________ Apud REISMAN, David, Alfred Marshall: progress and politics (Londres, 1987), p. 22. Apud GIANNETTI, Eduardo. O elogio do vira-lata. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, pp. 273-4.

MARX, Karl. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 99.

MENDES, Marcos. Por que o Brasil cresce pouco?: desigualdade, democracia e baixo crescimento no país do futuro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

MENDONÇA DE BARROS, José Roberto. No EXAME Fórum. Em PÁDUA, Luciano. Dá para ser otimista. Veja, 13 de setembro de 2017, pp. 72-73.

_______________ 2018 e além. O Estado de S. Paulo, 24 de dezembro de 2017, p. B 1.

MESQUITA, Mário. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 241.

MUN, Thomas. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 255.

NÓBREGA, Maílson da. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 95.

OREIRO, José Luis. Agenda Brasil 2018. O Estado de S. Paulo, 24 de dezembro de 2017, p. B 4.

PARETO, Vilfredo (apud GIANNETTI, Eduardo. O elogio do vira-lata. São Paulo: Companhia das Letras, 2018), p. 83.

PASTORE, Affonso Celso. ‘Acabou a recessão, mas solte bombinha, não um foguete’. Entrevista a Anna Carolina Papp. O Estado de S. Paulo, 2 de setembro de 2017, p. B 6.

PREBISCH, Raúl. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 95.

ROBINSON, Joan. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 93.

SCHUMPETER, Joseph. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, pp. 53, 77, 123.

SIMONSEN, Mario Henrique. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, pp. 98, 111, 164.

SKOUSEN, Mark. Econopower: como a nova geração de economistas está revolucionando o mundo. Tradução de Ana Gibson. Rio de Janeiro: Elsevier, 2088.

SMITH, Adam. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 184.

SMITH, Adam. Essays on Philosophical Subjects, 1755. Citado por DELFIM NETTO, Antonio. A economia política do desenvolvimento, em BIELSCHOWSKY, Ricardo e MUSSI, Carlos (organizadores). Políticas para a retomada do crescimento – reflexões de economistas brasileiros. Brasília: IPEA: CEPAL, 2002, pp. 83-106.

SOLOW, Robert. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 118.

SOWELL, Thomas. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 175.

STUART MILL, John. Principles of political economy with some of their applications to social philosophy (1848), em Works (ed. J Robson, v. 2 e 3, Toronto, 1965), p. 221. Apud GIANNETTI, Eduardo. O elogio do vira-lata. São Paulo: Companhia das Letras, 2018, p. 265.

TAVARES, Maria da Conceição. Citação em FRANCO, Gustavo H. B. e GIAMBIAGI, Fabio. Antologia da maldade: um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas. Rio de Janeiro: Zahar, 2015, p. 93.

TROSTER, Roberto Luis. O bê-a-bá da política econômica no Brasil. São Paulo: M.Books do Brasil Editora Ltda., 2018.

Referências webgráficas

THALER, Richard. Estudo do comportamento pode transformar políticas públicas. Disponível em https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2017/10/10/internas_economia,907400/estudo-do-comportamento-pode-transformar-politicas-publicas.shtml.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado