Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

636 – As duas éticas da eleição
636 – As duas éticas da eleição
Gravei um LíderCast da Temporada 11, que só vai ao ar ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial
Henrique Szklo
Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

O ENEM e a (anti-)educação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Nos dois últimos fins-de-semana, milhões de candidatos ao ensino superior realizaram as provas do ENEM. O vestibular é o telos do ensino fundamental e médio no Brasil. As escolas privadas assumem ...

Ver mais

Cafezinho 125 – O chute
Cafezinho 125 – O chute
Se o governador mentiu ou se enganou, peço desculpas ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

Cafezinho 122 – Vira a chave
Cafezinho 122 – Vira a chave
Mudar de assunto no calor dos acontecimentos é ...

Ver mais

Hoje é o WhatsApp. Amanhã será o quê?

Hoje é o WhatsApp. Amanhã será o quê?

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Em 2008, fui a Turquia numa viagem de trabalho. Já tinha lido a respeito, mas tomei um susto ao tentar abrir o Youtube e surgir na tela a mensagem de que o serviço não estava disponível no país. Sim, o Youtube na Turquia estava bloqueado. E voltou a sê-lo no ano passado junto com o Twitter por decisão judicial a pedido de agentes do Estado que queriam impedir que a população tivesse acesso a informações a respeito da morte de um promotor e gravações que indicavam corrupção de pessoas próximas ao na época primeiro-ministro Tayyip Erdogan.

A coisa funciona assim: é mais fácil e rápido para o Estado bloquear e censurar redes sociais e aplicativos do que lidar com os problemas reais de suas condutas ou investigar crimes de forma adequada e sem transferir para a sociedade as consequências desse tipo de decisão.

No Brasil não só não é diferente como determinadas práticas certamente despertam a inveja dos autoritários turcos e dos comunistas do governo da China.

O ponto interessante nessa discussão é que muita gente que reclamou publicamente do bloqueio judicial do WhatsApp fez campanha para, ou apoiou, o Marco Civil da Internet, a lei que definiu os marcos regulatórios (princípios, garantias, direitos e deveres) para o uso da rede no Brasil. Clique aqui para saber quem são as pessoas que ajudaram a passar uma lei que atrapalhou a vida de milhares de brasileiros que também usam o WhatsApp para trabalhar (faxineiras, doceiras, encanadores, eletricistas etc.)

Foi justamente o Marco Civil da Internet, celebrado como garantia de liberdade e de punição para criminosos, que permitiu que até agora dois juízes mandassem bloquear o aplicativo.

Se você acha pouco e até vê com bons olhos que os bloqueios autorizados pelos juízes tenham como justificativas investigações de crimes é porque considera de forma ingênua que decisões desse tipo pararão por aí. Não irão.

Todos aqueles que consideram como legítimas as intervenções do Estado na vida das pessoas ignoram que aquilo que começa com a interrupção de um aplicativo pode terminar na invasão da privacidade ou na prisão de pessoas inocentes por parte de agentes do Estado sob a desculpa da segurança pública.

Assim como acontece com a informação e recolhimento de impostos, o governo (entendido como a soma dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário) tem transferido cada vez mais suas tarefas para os brasileiros. Se a polícia não consegue investigar um crime é mais fácil para um juiz determinar que uma empresa forneça as informações. Mesmo que no caso do WhatsApp a empresa já tenha explicado que não pode fornecê-las porque não as armazena em virtude do sistema de criptografia utilizado para garantir a privacidade dos usuários.

E assim somos conduzidos, com aceitação entusiasmada ou pacífica de uma parcela da população, para um ambiente similar ao do programa Big Brother Brasil no qual todos somos vigiados e, mais tarde, controlados de alguma maneira por quem está no poder – justamente como no livro 1984, de George Orwell, que serviu de inspiração para o programa de TV.

Imagine agora se o controle arbitrário mostrado no livro, e que pode ser ajudado pelo Marco Civil da Internet, pudesse ser exercido neste momento em que Dilma Rousseff é presidente e o PT está lutando para se manter no poder? Vocês acham que saberíamos algo sobre o mensalão, o petrolão e outras atividades menos nobres de todos aqueles (políticos, empreiteiros) envolvidos no esquema? E se, no futuro, um partido ainda mais autoritário do que o PT, que coloque o Estado ainda mais a serviço do partido e não da sociedade, conquiste o poder? Você consegue imaginar-se vivendo numa sociedade em que todos os seus passos são controlados por políticos e funcionários públicos?

Duvide sempre de todos aqueles que propõem leis para regular o que funciona bem ser regulado. Desconfie especialmente de políticos e de “formadores de opinião” que ocupam espaços de prestígio na imprensa e nos programas televisivos. E que para justificarem a sua sanha controladora apelam para coisas como “se não tivermos leis, os criminosos continuarão agindo”. Os criminosos continuarão agindo, infelizmente, pois é público e notório que o são justamente porque não respeitam as leis. Cada um de nós é que será prejudicado e punido por esse tipo de mentalidade e de ambiente controlado pelo Estado em nome de supostas garantias e direitos.

Hoje é o WhatsApp. Amanhã será o quê?

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen