Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Hipérboles Olímpicas

Hipérboles Olímpicas

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                          A piada é antiga: Em uma cidade da França, havia várias padarias numa mesma rua, separadas por alguns quarteirões. À porta da primeira lia-se: “O melhor pão da cidade”. Metros à frente, a concorrente anunciava: “Aqui, o melhor pão da região”; e na seguinte: Temos o melhor pão da França!” A última padaria anunciava, candidamente: “O melhor pão da rua toda”.

                                          Pois é. Muitas vezes o segredo está em prometer apenas o possível; uma lição simples, efetiva, muito mais eficiente que exageros descabidos. E, vejam só, até mesmo num país doentiamente ufanista como a França, cujo maior herói é um nanico que se rendeu duas vezes (para o mesmo inimigo), e orgulha-se do famoso Arco do Triunfo, que celebra derrotas como se fossem vitórias. Impressionante a cara de pau deles.

                                          Não ficamos atrás (bom; menos em rendições, nisso eles são campeões mundiais) com as Olimpíadas. Aqui, desde que o mundo é mundo, confundimos intenção com realização, e nesse item (promessas) até o primeiro escalão das maiores figuras da república transforma-se em meros vereadores boquirrotos de alguma cidadezinha do interior, empenhados em revogar uma tal lei da gravidade.

                                          Incomoda muito ouvir, desde a coroação do Rio de Janeiro como capital olímpica, que tudo será perfeito, a melhor Olimpíada da História, tudo maravilhoso na cidade mais linda do mundo, que o planeta se curvará diante do Brasil, e outras bravatas repetidas por nossas autoridades. Que ridículo. O governador fluminense em exercício garantiu que serão estas as maiores e melhores Olimpíadas da História. Dilma não deixou por menos; antes de ser afastada, disse que um novo padrão de excelência seria criado, e as futuras sedes mundiais teriam dificuldade de acompanhar tamanha opulência e tecnologia de ponta. Sim, Dilma – a mesma que quis ensinar macroeconomia aos alemães.

                                          Seria muito mais correto prometer menos e realizar mais, em lugar de vender uma imagem que simplesmente não existe. Taí a gama de defeitos nos alojamentos para atletas, a imundície da lagoa Rodrigo de Freitas, as doenças epidêmicas, turistas assustados, infraestrutura deficitária – coroada por um sistema de transporte capenga. Mesmo diante dessa dura realidade, os discursos grandiloquentes, hiperbólicos, de um exagero patológico, não diminuem. Pior: Se há crítica (merecida ou não), deveria ser recebida com educação, jamais devolvida com grosseria, sem uma resposta coerente.

                                          Exemplo: A goleira americana Hope Solo postou fotos exibindo um vasto arsenal contendo roupas contra insetos, repelentes, chapéu com tela e etc. Um risível exagero (proposital ou não), que foi “respondido” da pior forma possível por nosso técnico da seleção feminina de futebol. Esse senhor alegou, sem explicar ou justificar nossos problemas, que os EUA são um país “muito pior”, e que leva “colete à prova de balas” quando viaja para lá – um país onde “todo mundo atira em todo mundo”. Perdeu uma excelente chance de ficar quieto; reagiu como se tivessem xingado sua mãe, em vez de admitir que sim, há uma série de problemas, inclusive de doenças transmitidas por mosquito, e demonstrar quais as medidas tomadas para solucioná-los ou amenizá-los. Enfim, atitude que qualquer dirigente sério tomaria – ou deveria tomar.

                                          Mas não adianta. Somos atavicamente, geneticamente, teimosamente imunes à realidade. Sonhamos com um futuro perfeito que cairá em nosso colo por puro merecimento, bastando samba, ginga, simpatia e malemolência. Sempre deixamos de lado o projeto, o ensaio e o trabalho duro, que colhem os verdadeiros louros da vida e o reconhecimento alheio. Ficamos somente com a ideia e o desejo, vício advindo, em boa parte, dessa política doente, paternalista, demagoga, que nos aflige há tanto tempo, com as conhecidas consequências deletérias. O aluno não passa de ano? Em lugar de ensiná-lo corretamente, cria-se a aprovação automática. Alguma parcela do povo não chega à universidade? Em vez de base educacional e conhecimento, optamos por enfiá-los pela porta dos fundos, via cotas. Não tem trabalho? Vai de bolsa-tudo. Tem Zika? É só alegar que no inverno ela diminui; e afinal, o verão tá tão distante… Tiroteio nas ruas cariocas, traficantes, sequestradores e assaltantes sem fim? Basta desviar das balas (perdidas ou achadas) e ridicularizar Miami como “muito mais perigosa”, ao estilo absurdo do tal técnico brasileiro. Que ridículo, meu Deus. As uvas continuam verdes, meu caro Esopo.

                                          E assim vamos. Aqui, uma simples ideia inicial, uma mera intenção, é comemorada como vitória final, independente dos resultados. É a nossa cachaça, nossa ilusão, nosso vício – ao qual nos agarramos, chorosos e jecas como de fato somos. Mas, sinto alertar, a imensa maioria do resto do mundo decente deixou há muito de padecer dessa infantilidade de criança birrenta. Não cola mais. Bom, talvez na França, mas isso é outro assunto.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes