Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Café Brasil 671 – Antifrágil
Café Brasil 671 – Antifrágil
Um dos livros sumarizados no Café Brasil Premium foi o ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Por que você afirmar que é de direita ajuda a esquerda?
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Guerra Fria

Guerra Fria

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Guerra Fria

 Antes, durante e depois

“A Guerra Fria foi um período em que a guerra era improvável, e a paz, impossível”.

Raymond Aron

Não sou um cinéfilo, mas tenho o hábito de aproveitar as semanas que antecedem a entrega do Oscar, quando costumam entrar em cartaz os filmes que vão concorrer às diversas categorias da cobiçada estatueta, para assistir a alguns dos concorrentes. Este ano não está sendo diferente.

Entre os indicados – nas categorias de filme estrangeiro, direção e fotografia – está o filme Guerra Fria, dirigido pelo polonês Pawel Pawlinowski. Rodado em preto e branco, a trama começa como uma espécie de documentário, acompanhando músicos amadores da Polônia rural, até uma garota se destacar, ser escolhida para uma escola de artes, em seguida integrar uma companhia e encontrar, entre os professores, o homem de sua vida. Seguem-se os principais eventos que abalaram a macropolítica logo após o fim da Segunda Guerra Mundial. O romance se desenvolve ao longo de 15 anos, intercalando passagens na Polônia, França e Alemanha, durante os quais o diretor se limita a fornecer as informações indispensáveis sobre as inúmeras vezes em que os dois amantes se separam e se reúnem, sem detalhes sobre as circunstâncias exatas do distanciamento.

Nesse intervalo, o casal atravessa difíceis momentos provocados pela situação política da Polônia, cujos dirigentes interferem na programação da companhia. O ápice da interferência ocorre quando um dirigente político polonês “sugere” que se incluam no repertório algumas músicas enaltecendo os grandes líderes da época, em especial o camarada Stalin.

O filme não deverá fazer muito sucesso, mas deve agradar a comunidade de cinéfilos que prestam atenção a aspectos técnicos, tais como direção, fotografia, roteiro, iluminação etc.

O que me despertou atenção foi o título do filme e, nesse sentido, foi mais do que justificada minha decisão de assisti-lo. Os acontecimentos retratados no filme ilustram bem o que ocorria na época da Guerra Fria, que se estendeu do fim da Segunda Guerra até a queda do Muro de Berlim e o desmoronamento do império soviético. Nesse período, as relações internacionais foram marcadas pela intensa disputa entre dois blocos, o capitalista, liderado pelos Estados Unidos, e o socialista, liderado pela Rússia e, posteriormente, pela União Soviética.

Era a época chamada pelos internacionalistas de mundo bipolar, caracterizado, por um lado, pelos momentos de grave tensão, e por outro, por certa previsibilidade e facilidade de entender as ações dos principais atores.

O fim da Guerra Fria marca o encerramento do mundo bipolar, cedendo espaço para o mundo multipolar[1], com um grau de tensão seguramente menor, mas de compreensão e previsibilidade, muitas vezes, bem mais complicadas.

Iscas para quem quiser ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Tradução de Aulyde Soares Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

MIGST. Karen A. Princípios de relações internacionais. Tradução de Arlete Simille Marques. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

Referência cinematográfica

Guerra Fria (Cold War)
Direção: Pawel Pawlikowski
Gênero: Drama
Elenco: Joanna Kulig, Tomasz Kot, Borys Szyc, Agata Kulesza, Jeanne Balibar
Duração: 89 minutos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[1] Esta é, pelo menos, a visão predominante entre os internacionalistas. Mas não é consensual. Vale, a respeito, reproduzir o questionamento do resumo final do capítulo 2 do livro Princípios de relações internacionais, de Karen A. Mingst. “O pós-Guerra Fria será caracterizado pela cooperação entre as grandes potências ou será uma era de conflitos entre Estados e entre novas ideias? O mundo pós-Guerra Fria sinaliza um retorno ao sistema multipolar do século XIX? Ou essa era testemunhará um sistema unipolar dominado pelos Estados Unidos e comparável à hegemonia britânica no século XIX?”. Charles Fukuyama foi provavelmente o grande propagador da tese do mundo unipolar com seu livro O fim da história e o último homem. Vide Apêndice, com a figura reproduzida da página 79 do livro Princípios de relações internacionais, que ilustra bem a evolução recente da questão da polaridade no sistema internacional.

 

Apêndice

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado