Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

657 – Brumadinho e a Challenger
657 – Brumadinho e a Challenger
A tragédia da explosão da Challenger em 1986 marcou ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
CEO de uma multinacional de trademarketing, a Marco ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

CAPÍTULO 2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)
Alexandre Gomes
O caminho até agora está ficando longo, não é? Por mais que eu use exemplos próximos da realidade; ainda assim, eu e você estamos buscando entender conceitos abstratos. Afinal, estamos falando ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade
Henrique Szklo
O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

A abundante mente semanal
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: https://youtu.be/hHzgP5sqbjM LIVE COMPLETA: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157193323018631/   Quer fazer? Me mande um zap: 21-996086422. R$ 200,00 ...

Ver mais

Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Embora pareça que tudo está dentro da esfera criminal, ...

Ver mais

Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Ajudando a compreender o cenário político brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

Guerra Fria

Guerra Fria

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Guerra Fria

 Antes, durante e depois

“A Guerra Fria foi um período em que a guerra era improvável, e a paz, impossível”.

Raymond Aron

Não sou um cinéfilo, mas tenho o hábito de aproveitar as semanas que antecedem a entrega do Oscar, quando costumam entrar em cartaz os filmes que vão concorrer às diversas categorias da cobiçada estatueta, para assistir a alguns dos concorrentes. Este ano não está sendo diferente.

Entre os indicados – nas categorias de filme estrangeiro, direção e fotografia – está o filme Guerra Fria, dirigido pelo polonês Pawel Pawlinowski. Rodado em preto e branco, a trama começa como uma espécie de documentário, acompanhando músicos amadores da Polônia rural, até uma garota se destacar, ser escolhida para uma escola de artes, em seguida integrar uma companhia e encontrar, entre os professores, o homem de sua vida. Seguem-se os principais eventos que abalaram a macropolítica logo após o fim da Segunda Guerra Mundial. O romance se desenvolve ao longo de 15 anos, intercalando passagens na Polônia, França e Alemanha, durante os quais o diretor se limita a fornecer as informações indispensáveis sobre as inúmeras vezes em que os dois amantes se separam e se reúnem, sem detalhes sobre as circunstâncias exatas do distanciamento.

Nesse intervalo, o casal atravessa difíceis momentos provocados pela situação política da Polônia, cujos dirigentes interferem na programação da companhia. O ápice da interferência ocorre quando um dirigente político polonês “sugere” que se incluam no repertório algumas músicas enaltecendo os grandes líderes da época, em especial o camarada Stalin.

O filme não deverá fazer muito sucesso, mas deve agradar a comunidade de cinéfilos que prestam atenção a aspectos técnicos, tais como direção, fotografia, roteiro, iluminação etc.

O que me despertou atenção foi o título do filme e, nesse sentido, foi mais do que justificada minha decisão de assisti-lo. Os acontecimentos retratados no filme ilustram bem o que ocorria na época da Guerra Fria, que se estendeu do fim da Segunda Guerra até a queda do Muro de Berlim e o desmoronamento do império soviético. Nesse período, as relações internacionais foram marcadas pela intensa disputa entre dois blocos, o capitalista, liderado pelos Estados Unidos, e o socialista, liderado pela Rússia e, posteriormente, pela União Soviética.

Era a época chamada pelos internacionalistas de mundo bipolar, caracterizado, por um lado, pelos momentos de grave tensão, e por outro, por certa previsibilidade e facilidade de entender as ações dos principais atores.

O fim da Guerra Fria marca o encerramento do mundo bipolar, cedendo espaço para o mundo multipolar[1], com um grau de tensão seguramente menor, mas de compreensão e previsibilidade, muitas vezes, bem mais complicadas.

Iscas para quem quiser ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Tradução de Aulyde Soares Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

MIGST. Karen A. Princípios de relações internacionais. Tradução de Arlete Simille Marques. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

Referência cinematográfica

Guerra Fria (Cold War)
Direção: Pawel Pawlikowski
Gênero: Drama
Elenco: Joanna Kulig, Tomasz Kot, Borys Szyc, Agata Kulesza, Jeanne Balibar
Duração: 89 minutos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[1] Esta é, pelo menos, a visão predominante entre os internacionalistas. Mas não é consensual. Vale, a respeito, reproduzir o questionamento do resumo final do capítulo 2 do livro Princípios de relações internacionais, de Karen A. Mingst. “O pós-Guerra Fria será caracterizado pela cooperação entre as grandes potências ou será uma era de conflitos entre Estados e entre novas ideias? O mundo pós-Guerra Fria sinaliza um retorno ao sistema multipolar do século XIX? Ou essa era testemunhará um sistema unipolar dominado pelos Estados Unidos e comparável à hegemonia britânica no século XIX?”. Charles Fukuyama foi provavelmente o grande propagador da tese do mundo unipolar com seu livro O fim da história e o último homem. Vide Apêndice, com a figura reproduzida da página 79 do livro Princípios de relações internacionais, que ilustra bem a evolução recente da questão da polaridade no sistema internacional.

 

Apêndice

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado