Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Godot chegou

Godot chegou

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Era comum ouvir, em rodinhas de pseudointelectuais dos anos 80/90, digressões sobre a peça teatral Esperando Godot, de Samuel Beckett. Foi num tempo longínquo, quando ainda havia gente acreditando ser Gerald Thomas o ápice da intelectualidade; por sinal, faziam parte dos mesmos grupinhos que discutiam Fernando Pessoa ou Shakespeare, sem nunca ter lido um ou outro. O mais próximo que chegaram do último foi comendo uma fatia de pizza Romeu e Julieta. Mas isso não os impedia de continuar a masturbação literato-filosófica sobre o nada – na qual, paradoxalmente, faltava tudo.

Ah, sim: Na peça, algumas pessoas e malas (literais ou não) esperam um tal Godot, que nunca chega. Releituras de Beckett andam meio esquecidas, mas os verdadeiros pseudos (Millor odiava trocadilhos e tinha razão) continuam por aí, discutindo o que nunca souberam. E, como todo verdadeiro pseudo, traveste-se de intelectual, ação que demanda tempo, imbecis que o ouçam, e dinheiro. Afinal, verdadeiro pseudo que se preze não trabalha, recebe pelos pseudos atos de pensar e guiar intelectualmente a turba que confunde capitalismo com imperialismo e comunismo com liberdade. Casos perdidos, obviamente. Mas que não dispensam uma teta estatal. E esperam o maná lulista.

Aqui na Banânia, Godot chegou. Mas chegou para todos, não só para as personagens. Os verdadeiros pseudos continuam aplaudindo o que não entendem, como sempre, nesse Paìs tão fictício quanto a intelectualidade Mao-stalinista, sem prefixo pseudo.

Podem escolher a barbaridade, pagadores de impostos (e não “contribuintes”, isso não existe): Um plano imundo para alterar a grade curricular do ensino básico, louvando o lulo-cubanismo, seus artíficies e defensores, e demais jecarias? Tá lá. Extração da História mundial (principalmente a europeia)? Também. Invenção de palavras politicamente corretas pregando o coitadismo profissional? Opa se tem. Confiram no site do MEC. Onde tem “presidenta”, tem tudo. Ou tuda, vai saber.

Destruição da educação? É ponto de honra pra essa gentinha que já destruiu a economia brasileira. A mesma gentinha que depreda bem público e particular, que agride, rouba, e se cala quando a presidonta desvia 10 bilhões da Educação para comprar deputistas e senateiros na Black Friday, antes que o lulismo politicamente correto descubra nisso algum ato racista. Ou alguém viu essas tropas milicianas se insurgindo contra tamanho crime de desmonte do ensino básico?Cadê a UNE, sindicatos e demais mamadores das tetas públicas? Ninguém reclama das 529.374 notas ZERO em redação do Enem de 2014, verdadeiro diploma de mendicância escolar? Ninguém grita ante tamanho desmonte educacional? Porém, esses mesmos silentes defendem o fim da meritocracia; ou seja, querem os menos capazes na universidade. Só no Brasil nivela-se a cultura e o estudo pelo nível mais baixo como prova de “democracia”, em vez do mais alto como garantia de excelência. Política educacional não é democracia, taspariu! Estamos perdidos, talvez irremediavelmente. E os pseudos riem, felizes com o baixo nível intelectual que divide a miséria de forma absolutamente igualitária. Assim não há o perigo de algum inteligente se sobressair. É o império da ninguenzada, tão sonhado pelos lulistas, mantendo os ignorantes cada vez mais ignorantes, semeando a pobreza educacional e colhendo eleitores cegos, famintos por uma migalha governamental que aplaque sua fome física, visto que a fome de conhecimento não mais os aflige. O plano não é inédito, mas a podridão com que vem sendo implantado assusta qualquer professor que tente tirar seus alunos das garras do obscurantismo, dessa Idade Média ideológica.

Como inspiração a esses demolidores do ensino há os famosos discursos da presidonta e de seus (ainda) seguidores… ah, essas fontes não secam. Ouvir Sibá Machado arengando é acreditar na existência do elo perdido; um dia a Antropologia esclarecerá de onde vem esse homem – o mesmo sujeito a afirmar que o juiz Sérgio Moro pretende destruir o projeto espacial brasileiro, e as passeatas anti-Dilma são organizadas e financiadas pela Inteligência dos EUA. Não, não é brincadeira, ele repete isso categoricamente. Não fazem nada (de decente), mas prometem um paraíso; vendem uma educação digna da Coreia do Sul e entregam a da Coreia do Norte. Ilusão que nada tem de doce. E ninguém se insurge?

Só falta saber o que tanto esperam de Godot os intelectualóides militantes e sua chefa. De nós já sabemos: mais dinheiro, pra ser roubado e esbanjado. A Rainha de Copas da Banânia, que leva 900 (novecentas!) pessoas para passear em Paris durante a COP 21, lotados em hotéis luxuosíssimos, é a mesma que alega falta de grana pra escolas. E continua a prometer sua calhorda utopia como real e próxima. Malditos sejam; tanto os que mentem quanto os que acreditam… ou assim fingem. E isso é o que eles fazem de melhor, fingir. Principalmente de inocentes.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes