Iscas Intelectuais
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

Eles podem, nós não?

Eles podem, nós não?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Ninguém mais se lembra do caso Salman Rushdie, aquele escritor britânico de origem indiana. Em 1989 o Aiatolá Ruhollah Khomeini, psicopata mandatário da teocracia iraniana, acusou Rushdie de crime de apostasia, condenando-o à morte por seu livro Versos Satânicos; lançou contra ele uma fatwa, sentença religiosa que obrigava qualquer muçulmano a matá-lo com licença do Aiatolá doidão, como se fossem uma gangue de James Bonds de turbante que não bebem uísque. Os politicamente corretos embrionários e a esquerda em geral apoiaram, em menor ou maior grau, a demência pseudo-islâmica. Ali começava uma nova e triste tendência: A união das esquerdas com o Islã e os pais (avós?) da ridícula onda politicamente correta, todos contra os cristãos. A censura assassina dava o tom: Qualquer livro, sátira, cartum, discurso, desenho, comentário ou pensamento que essa gente classificasse como “ofensiva”, deveria ser vingado com sangue cristão, preferencialmente ocidental e católico. Era a morte do livre pensamento e o nascimento de facções terroristas muçulmanas, cujo único intuito era destruir o homem-branco-ocidental-cristão-democrata. Declaração da barbárie, em poucas palavras.

Anos depois, veio o caso Charlie Hebdo, jornal satírico francês que enfrentava tudo e todos; católicos, conservadores, judeus, comunistas, qualquer um era alvo das piadas do semanal de comicidade ácida e anárquica – até o dia em que os coitados “ousaram” fazer piada com Maomé. Em 2006, republicaram charges originalmente criadas um ano antes por outro jornal dinamarquês. Os cartuns eram até leves, comparados aos que eles faziam ridicularizando católicos (um deles, na capa, mostrava vários cardeais sodomizando-se mutuamente numa roda durante a eleição papal), mas foi o suficiente para gerar sentença de morte coletiva contra os integrantes do jornal. Depois de vários pequenos atentados, veio a chacina de 2015, deixando 12 mortos (sendo dois policiais) e cinco feridos graves. O mundo livre imediatamente externou sua revolta contra essa insanidade.

Mas só o mundo livre; no Brasil, a lulada apoiou e até comemorou secretamente o atentado terrorista. Afinal, a “culpa”, alegavam, era dos jornalistas que “não respeitaram” os muçulmanos, que “zombaram” da fé islâmica, e por isso mereciam mesmo morrer. Desnecessário lembrar que artistas (aqueles mesmos de sempre) recriminaram o “exagero” dos franceses; alguns, menos contidos, defenderam abertamente os terroristas islâmicos, alegando que os cartunistas pediram pra morrer. É bom lembrar que Dilma, mesmo lamentando levemente o ataque, pediu “diálogo” com os terroristas do Estado Islâmico durante discurso (risos) na ONU em 2015. Bom, nada absurdo pra quem defendeu, da mesma tribuna, a estocagem de vento. Valha-me Senhor.

Essa mesma lulada e esses mesmos artistas acham muito natural e louvável que algo que chamam de “arte” ofenda católicos e demais cristãos, conspurcando a imagem de Jesus e de Nossa Senhora. Aí, segundo eles, trata-se de “liberdade de pensamento” e outras imbecilidades. E quem defende o contrário é “nazista”, “fascista” “censor”. Então tá.

Antes que algum apressadinho de sempre venha lançar as mesmas pedras também de sempre, é bom deixar claro que ninguém aqui defende a censura, de nenhum tipo. Mas é incrível que essa gente classifique sátira aos muçulmanos como crime, e contra os cristãos como “liberdade de expressão” ou “arte”. É um excelente exemplo da demência do politicamente correto, que é pouco mais que massa de manobra de uma esquerda que faliu no mundo inteiro, mas continua viva no Brasil, com o inacreditável apoio de setores da Igreja Católica.

Em resumo: Atacar cristãos, na visão convenientemente míope dessa gente, é coragem, arte, liberdade. Contra qualquer outra religião, é crime passível de execução. Uma piada sobre qualquer religião sincrética ou maometana, e o mundo acaba; Caetanos Velosos e Sabatéllicos da vida e lulistas da morte se uniriam contra o “racismo e a intolerância”, uivando de ódio contra os “fascistas”. Mas se for contra cristão, se achincalha Jesus, soca a botina que é tudo lindo e maravilhoso. Taí as exposições de “arte” em Porto Alegre e Em São Paulo, que tanta polêmica causaram e comprovam essa constatação.

Essa gente é contra censura – a eles. Contra nós, é justiça caetânica, mais sem sentido que letra de Djavan. Mais: Vamos ver se os “corajosos” fariam o mesmo com a figura de Maomé. Principalmente em um país muçulmano. Pimenta no Islã dos outros é refresco, militante?

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes